02 Dezembro 2017

Soja louca II: causador ataca feijão e algodão

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Os primeiros resultados sobre as pesquisas com plantas hospedeiras do nematoide Aphelenchoides besseyi, causador da doença chamada de “soja louca II”, revelam que, além da soja, outras duas culturas são hospedeiras, o algodão e o feijão, e também quatro plantas daninhas: trapoeraba, agriãozinho-do-pasto, cordão-de-frade e caruru. Além de avaliar aspectos de hospedabilidade do nematoide, os pesquisadores Maurício Meyer, da Embrapa Soja, e Luciany Favoreto, da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), também buscavam respostas sobre como o nematoide sobrevive no solo de uma safra para outra e se há cultivares de soja mais sensíveis ao nematoide, entre outros dados.

De acordo com a Embrapa, a soja louca II doença causa abortamento das vagens, enrugamento e escurecimento das folhas. O nematoide foi identificado há mais de dez anos e há registro de que pode causar reduções de até 100% na produtividade. A doença que predomina em regiões quentes e chuvosas como os estados do Maranhão, Tocantins, Pará e Mato Grosso (leia mais no quadro abaixo).

Segundo Maurício Meyer, existem relatos da ocorrência do problema em lavouras de feijão na Costa Rica, por isso os testes foram conduzidos no Brasil. “Inoculamos em feijoeiro, as populações de nematoide oriundas da soja, e confirmamos os mesmos sintomas descritos na Costa Rica, contudo, não existe relato de ocorrência do problema em lavouras de feijão brasileiras”, explica Meyer.

Algodão

Com relação ao algodão, ao contrário, no início de 2017, foram identificadas as primeiras lavouras atacadas pelo nematoide Aphelenchoides besseyi, nas regiões de Sapezal e de Sorriso, em Mato Grosso. Para orientar os produtores sobre os sintomas e iniciar estudos sobre o manejo da doença, foi formado um grupo de trabalho composto pela Embrapa Agrossilvipastoril, Grupo Scheffer, Instituto Mato-Grossense do Algodão (IMA-MT), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), JEM Análise Agrícola e Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) de Jaboticabal.

De acordo com o pesquisador do IMA-MT Rafael Galbieri, o nematoide está presente no solo, e um dos fatores que pode ter favorecido seu ataque foi o excesso de chuvas nas regiões atingidas, em fevereiro e março deste ano. “É difícil avaliar danos ainda, porque identificamos os primeiros ataques no início deste ano na cultura do algodão”, conta o pesquisador. “Ainda não definimos as estratégias de manejo, porque é tudo muito recente. O importante é que formamos um grupo de trabalho para aprofundar os conhecimentos sobre a doença na cultura do algodão”, anuncia.

Além do algodão, 22 variedades de feijão foram avaliadas para se entender como as diferentes cultivares podem ser sensíveis ao patógeno causador da soja louca II. “Apesar de todas hospedarem o nematoide, observamos a existência de variabilidade genética entre as plantas, assim como acontece com a soja”, explica Favoreto.

No caso da soja, das 64 cultivares avaliadas, 62 apresentaram maior intensidade de sintomas. Até o momento, nenhuma das cultivares de soja avaliadas mostrou-se resistente ao nematoide.

Manejo

Enquanto novos resultados de pesquisas vêm sendo gerados, os pesquisadores recomendam técnicas de manejo de plantas na lavoura, tais como a dessecação antecipada à semeadura de soja e algodão, e um efetivo controle de plantas invasoras.De acordo com o pesquisador da Embrapa Cocais Dirceu Klepker, a incidência de soja louca II nos estados do Maranhão, Tocantins e Pará foi reduzida, na safra 2016/2017, em função de um rigoroso manejo de plantas daninhas em pós-colheita, da  dessecação antecipada e de controle em pós-semeadura, nos diversos sistemas de produção da soja, além da adoção de cultivo de milho em sucessão à soja.

Plantas de cobertura também foram avaliadas para averiguar se podem hospedar o nematoide. Os pesquisadores analisaram a braquiária (U. ruziziensis) e três espécies de crotalária. “Essas espécies apresentaram baixa concentração de nematoide por grama de tecido vegetal, não sendo consideradas multiplicadoras do nematoide”, constata Meyer.    

Plantas daninhas 

De acordo com Favoreto, as plantas daninhas trapoeraba, agriãozinho-do-pasto, cordão-de-frade e caruru apresentaram maior capacidade de multiplicação e manutenção de A. besseyi. “Essas plantas são fonte de inóculo para a próxima safra, sendo necessária a sua eliminação para o manejo da doença”, diz a pesquisadora.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Abertura Oficial da Colheita acontece nesta sexta

22-02-2018

O Canal Rural transmite ao vivo, nesta sexta-feira, dia 23, a 28ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz. A cerimônia, que acontece na estação experimental do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), em Cachoeirinha (RS), reúne produtores, autoridades, entidades e empresas do agronegócio.O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio...

Leia mais...

Cooperativas do Paraná querem leilão de PEP

22-02-2018

Cooperativas do Paraná pediram ao Ministério da Agricultura que apoie a comercialização da nova safra de feijão. Em nota no site da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), o setor pede que sejam alocados recursos para realização de leilão de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP), para transferência do grão aos estados do Nordeste, e também...

Leia mais...

Bolsa argentina reduz previsão para 46,5 mi de t

22-02-2018

A Bolsa de Comércio de Rosario (BCR) reduziu em 5,5 milhões de toneladas a sua previsão de produção de soja da Argentina em 2017/2018 para 46,5 milhões de toneladas. Até janeiro, a bolsa previa 52 milhões de toneladas. A área plantada com soja foi ajustada de 18,5 milhões para 18 milhões de hectares.Segundo a bolsa, a falta de umidade se acentuou e...

Leia mais...

Soja e milho: USDA estima plantio de 36,4 mi de ha

22-02-2018

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou nesta quinta-feira, dia 22, suas estimativas para o plantio da safra 2018/2019 do país. O órgão estimou o total de 90 milhões de acres – equivalente a 36,42 milhões de hectares – para a soja e outros 90 milhões de acres para o milho, informou o economista chefe do USDA, Ro...

Leia mais...

Leilão de PEP do arroz negocia 73% da oferta

22-02-2018

Cerca de 73% das 150 mil toneladas de arroz foram negociadas nesta quinta-feira, dia 22, durante leilão de Prêmio para Escoamento de Produto (PEP) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).Das 135 mil toneladas ofertadas para o Rio Grande do Sul, 95 mil foram negociadas. Em Santa Catarina, as 15 mil toneladas ofertadas foram negociadas.Já no l...

Leia mais...

Comercialização de café atinge 78%

22-02-2018

A comercialização da safra de café do Brasil 2017/2018 chegou em 78% até o dia 20 de janeiro. O dado faz parte de levantamento da consultoria Safras & Mercado. No último mês, as vendas avançaram em sete pontos percentuais.De acordo com a empresa, as negociações estão atrasadas em relação ao ano passado, quando 81% da safra 201620/17 estava...

Leia mais...

MT: área de algodão na safra 2017/2018 cresce 25%

22-02-2018

Com o plantio da safra 2017/2018 praticamente encerrado, o presidente da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), Alexandre Pedro Schenkel, divulgou os resultados do levantamento de área de cultivo do algodoeiro.Segundo ele, a área de algodão no estado é estimada em 783 mil hectares, com aumento de 25% em relação à safra 201...

Leia mais...

Milho: janela de plantio está terminando em MG

22-02-2018

As lavouras de milho safrinha de Unaí (MG) começaram a ser cultivadas somente nos últimos dias, o que traz preocupação aos produtores uma vez que o prazo ideal para o cultivo do cereal termina no final do mês, destaca o departamento técnico da Cooperativa Agrícola de Unaí (Coagril).Fonte do departamento técnico destaca que frente há outros anos o a...

Leia mais...

Soja: consultoria corta safra da Argentina em 18%

22-02-2018

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam com preços mais altos nesta quarta-feira, dia 21. O mercado se manteve próximo do melhor patamar em sete meses, devido ao clima seco na Argentina, que deve persistir até o mês de março.Com o estresse hídrico desde novembro, a safra da Argentina foi cortada em...

Leia mais...