10 Janeiro 2018

Borracha: setor pede socorro para sobreviver

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A cadeia da borracha natural enfrenta um grande problema que já se estende há anos: os preços internacionais do produto ficaram, por diversas vezes, mais baratos do que os nacionais, estimulando a importação. O setor alega falta de competitividade, já que a borracha brasileira esbarra em mais impostos, além de ter custos ambientais e trabalhistas que os concorrentes estrangeiros não têm.

O presidente da Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha Natural (Abrabor), Antônio Carlos da Costa, afirma que 80% do custo de produção é vinculado à força de trabalho. “A mão de obra asiática é 1/4 do valor que é pago no Brasil, e como lá não tem preocupação ambiental praticamente nenhuma, isso faz com que inviabilize a nossa produção”, diz.

Hoje, o país possui 1/3 da borracha que consome, o equivalente a pouco mais de 200 mil toneladas. Goiás é o 5º maior estado produtor de seringais do Brasil, sendo que 3% de toda a produção vem da região de Goianésia. Mas, pela constante oscilação de preço, o setor produtivo de borracha corre o risco de acabar.

De acordo com Costa, esse ano o número de seringais erradicados está chegando a mais ou menos 5,7 milhões de árvores. “Neste momento, vários seringais param de produzir e alguns são erradicados. A borracha, assim como o aço e o combustível, é um dos três produtos de segurança nacional. O país literalmente para - e pode parar - por falta de borracha”, explica.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país possui 165 mil hectares de seringueiras. Só em Goiás são 24 mil hectares. Além disso, o setor tem papel importante na economia, já que movimenta mais de 120 mil postos de trabalhos.  

De acordo com os agricultores, o preço de venda do produto hoje varia de R$ 2,40 a R$ 2,60, ainda muito longe do valor ideal para se ter retorno dos valores investidos em mão de obra especializada. “O ideal para termos um retorno, por conta do investimento que é alto, seria por volta de R$ 3,30 ou R$ 3,40”, diz o produtor rural Edvaldo Antonio Lopes.

Para o setor, o governo federal tem papel importante para garantir rentabilidade aos produtores e evitar excesso de importação. O presidente da Abrabor diz que a entidade vem discutindo no Ministério da Agricultura políticas públicas mais consistentes que deem estabilidade aos agricultores.

“Se houvesse a possibilidade de ter uma formação de preço de toda a cadeia, baseada num mix do valor que é levado para o consumidor final, e distribuir essa riqueza gerada por toda cadeia produtiva, seria a solução. Como é o setor sucroalcooleiro e muitos outros”, explica Costa.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Soja: vazio sanitário já começou em Santa Catarina

18-06-2018

O vazio sanitário da soja começou nesta sexta, dia 15, em Santa Catarina e vai até 15 de setembro, segundo a Secretaria de Agricultura do estado. Nesse período é proibido ter plantas em crescimento nas lavouras catarinenses para evitar a ferrugem asiática, uma das principais pragas da lavoura.  "A geada já está fazendo uma faxina em nosso...

Leia mais...

Milho: cotações recuam quase 8% em uma semana

18-06-2018

A maior oferta interna de milho mantém os preços do cereal em queda em todas as praças acompanhadas pelo Cepea. No geral, a colheita da segunda safra de milho começou aos poucos em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.Assim, parte dos vendedores consultados pelo Cepea tenta escoar os estoques, visando liberar espaço para a entrada...

Leia mais...

Soja despenca e acumula queda de 6,5% na semana

18-06-2018

Os contratos da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a última sexta-feira, 15, com preços mais baixos. Na sessão, o grão chegou atingir US$ 9,03 por bushel. No acumulado da semana, o vencimento de julho acumulou desvalorização de 6,67%.O mercado voltou a ser pressionado pela crescente tensão comercial entre Estados Uni...

Leia mais...

Cultivar de soja suporta o dobro de percevejos

17-06-2018

A primeira cultivar de soja com tolerância ao ataque de percevejos deverá estar disponível no mercado nas próximas safras. A tecnologia, desenvolvida pela Embrapa, tem elevado o potencial produtivo da lavoura e suporta o dobro do ataque de percevejos, sem reduzir o rendimento.Os resultados mostraram que as plantas desenvolvidas apresentaram alta pr...

Leia mais...

Ford apresenta F-150 Raptor 2019

17-06-2018

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk')); Fonte Rural BR

Leia mais...

Milho: novos híbridos prometem alta produtividade

17-06-2018

A empresa Sementes Agroceres apresentou nesta semana quatro novos híbridos de milho. De acordo com a companhia, todos produtos chegam ao mercado com uma tecnologia que auxilia na proteção da raiz contra ataques da larva-alfinete (diabrótica speciosa) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao...

Leia mais...

Mercado de milho: o que esperar na próxima semana

16-06-2018

Acompanhe as indicações do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, sobre o que vai ser importante para o mercado de milho na próxima semana. (function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.inse...

Leia mais...

USDA estima produção global recorde para 2018/19

15-06-2018

A produção mundial de café em 2018/19 deverá totalizar 171,166 milhões de sacas de 60 quilos, contra 159,768 milhões de sacas na temporada anterior, de acordo com projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).Segundo o USDA, o recorde na produção global deve ser impulsionado basicamente pela também recorde safra brasileira.O Bra...

Leia mais...

Chicago: soja atinge mínima de US$ 9,03 por bushel

15-06-2018

A soja negociada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) abriu a sessão desta sexta-feira, 15, com forte queda. A oleaginosa chegou a registrar cotações mínimas de US$ 9,03 por bushel no contrato de julho, recuo superior a 2,3% em relação ao fechamento do dia anterior. No acumulado do mês, a queda é mair que 8%.Confira a reportagem completa ...

Leia mais...