09 Março 2018

Cotação da soja já subiu 11% no Paraná, diz Deral

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Produtores paranaenses começam a se beneficiar com o aumento nos preços da soja e do milho nos mercados externo e interno. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, neste ano o preço da soja já subiu 11% e do milho, 8%.

Para o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, essa valorização veio em boa hora, justamente quando o produtor está colhendo sua safra e com isso consegue vender bem a produção. “A reação positiva nos preços dos grãos em período de colheita é um incentivo para os produtores no momento que ele mais precisa”, disse.

A valorização das commodities ocorre em decorrência do longo período de seca na Argentina, um dos grandes produtores mundiais de soja ao lado dos Estados Unidos e Brasil. Os técnicos argentinos comentam que esta é a maior estiagem no país nos últimos 30 anos e falam em perdas ao redor de 10 milhões de toneladas de soja, que já está refletindo no mercado externo.

O diretor do Deral, Francisco Carlos Simioni, disse que o produtor atravessou um período difícil desde o plantio, com excesso de chuvas, e verão com baixa incidência de luminosidade, o que alongou o ciclo de desenvolvimento das plantas. Mesmo assim, o produtor de soja está colhendo com boa produtividade e agora começa a se beneficiar com excelente produção e mercado positivo. “Essa é a compensação para quem plantou com tecnologia, fez conservação de solos e seguiu corretamente os manuais da pesquisa e da assistência técnica”, afirmou.

Soja

O produtor paranaense está se beneficiando também do clima. De acordo com o Deral, antes existia a perspectiva de La Niña fraco, com falta de chuvas, o que não ocorreu. A falta de chuvas provocou o atraso no plantio. Depois, durante o desenvolvimento das lavouras, a luminosidade ficou abaixo do ideal, ocasionando alongamento do ciclo da soja, retardando também a colheita.

De acordo com o economista do Deral, Marcelo Garrido, essa sucessão de eventos climáticos, que poderiam prejudicar a cultura, acabou beneficiando as plantas. Os produtores começaram a colher quase que simultaneamente ao início do ciclo de alta nos preços.

O produtor paranaense que vinha recebendo cerca de R$ 62 a saca de soja em janeiro, neste mês de março passou a receber em torno de R$ 70. Por conta dessa reação nos preços, os produtores estão acelerando as vendas, para aproveitar o bom momento.

O Deral mantém a expectativa de colheita de 19,3 milhões de toneladas no Paraná na safra 2017/2018. Conforme o último levantamento do Deral, 46% da área plantada (2,5 milhões de ha) já foi colhida. Mesmo assim, a colheita continua atrasada. Segundo Garrido, nessa mesma época do ano passado 56% da área plantada já havia sido colhida.

Milho

O milho também está se valorizando, embora o fator de alta esteja mais relacionado ao mercado interno, disse o técnico do Deral, Edmar Gervásio. O produtor paranaense vinha recebendo R$ 22,14 por saca em janeiro e na última semana recebeu em média de R$ 25.

Segundo Gervásio, o preço do milho começou a aumentar mais pela incerteza no desempenho da segunda safra brasileira do grão, que está sendo plantada. Com o atraso na colheita da soja, provocada pelo clima, o plantio de milho da segunda safra também atrasou. Essa condição poderá ter reflexos durante o ciclo produtivo, caso ocorram geadas mais cedo este ano. Ou seja, os produtores correrão um risco maior, pois a possibilidade de colher o milho da segunda safra antes da chegada do período de geadas ficou menor. Geralmente as geadas tendem a ocorrer a partir da segunda quinzena de maio.

“A preocupação é se haverá produção suficiente para atender a demanda interna por milho devido às causas do clima adverso, que provocou o plantio tardio e o risco de frio pela frente”, disse. Por enquanto está sendo esperada uma segunda safra de 63 milhões de toneladas de milho no Brasil e de 12,3 milhões de toneladas no Paraná.

Cerca de 17% da primeira safra de milho plantada no estado já foi colhida e 70% da área total que deverá ser ocupada com a segunda safra já foi plantada.

Os produtores de milho, que esperavam a estabilidade nas cotações, também começam a se beneficiar do aumento de preços.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Soja: vazio sanitário já começou em Santa Catarina

18-06-2018

O vazio sanitário da soja começou nesta sexta, dia 15, em Santa Catarina e vai até 15 de setembro, segundo a Secretaria de Agricultura do estado. Nesse período é proibido ter plantas em crescimento nas lavouras catarinenses para evitar a ferrugem asiática, uma das principais pragas da lavoura.  "A geada já está fazendo uma faxina em nosso...

Leia mais...

Milho: cotações recuam quase 8% em uma semana

18-06-2018

A maior oferta interna de milho mantém os preços do cereal em queda em todas as praças acompanhadas pelo Cepea. No geral, a colheita da segunda safra de milho começou aos poucos em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.Assim, parte dos vendedores consultados pelo Cepea tenta escoar os estoques, visando liberar espaço para a entrada...

Leia mais...

Soja despenca e acumula queda de 6,5% na semana

18-06-2018

Os contratos da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a última sexta-feira, 15, com preços mais baixos. Na sessão, o grão chegou atingir US$ 9,03 por bushel. No acumulado da semana, o vencimento de julho acumulou desvalorização de 6,67%.O mercado voltou a ser pressionado pela crescente tensão comercial entre Estados Uni...

Leia mais...

Cultivar de soja suporta o dobro de percevejos

17-06-2018

A primeira cultivar de soja com tolerância ao ataque de percevejos deverá estar disponível no mercado nas próximas safras. A tecnologia, desenvolvida pela Embrapa, tem elevado o potencial produtivo da lavoura e suporta o dobro do ataque de percevejos, sem reduzir o rendimento.Os resultados mostraram que as plantas desenvolvidas apresentaram alta pr...

Leia mais...

Ford apresenta F-150 Raptor 2019

17-06-2018

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk')); Fonte Rural BR

Leia mais...

Milho: novos híbridos prometem alta produtividade

17-06-2018

A empresa Sementes Agroceres apresentou nesta semana quatro novos híbridos de milho. De acordo com a companhia, todos produtos chegam ao mercado com uma tecnologia que auxilia na proteção da raiz contra ataques da larva-alfinete (diabrótica speciosa) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao...

Leia mais...

Mercado de milho: o que esperar na próxima semana

16-06-2018

Acompanhe as indicações do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, sobre o que vai ser importante para o mercado de milho na próxima semana. (function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.inse...

Leia mais...

USDA estima produção global recorde para 2018/19

15-06-2018

A produção mundial de café em 2018/19 deverá totalizar 171,166 milhões de sacas de 60 quilos, contra 159,768 milhões de sacas na temporada anterior, de acordo com projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).Segundo o USDA, o recorde na produção global deve ser impulsionado basicamente pela também recorde safra brasileira.O Bra...

Leia mais...

Chicago: soja atinge mínima de US$ 9,03 por bushel

15-06-2018

A soja negociada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) abriu a sessão desta sexta-feira, 15, com forte queda. A oleaginosa chegou a registrar cotações mínimas de US$ 9,03 por bushel no contrato de julho, recuo superior a 2,3% em relação ao fechamento do dia anterior. No acumulado do mês, a queda é mair que 8%.Confira a reportagem completa ...

Leia mais...