11 Abril 2018

Fim do La Niña deve afetar o milho 2ª safra

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O contexto climático deve ter grande impacto sobre o rendimento final de milho segunda safra nas próximas semanas, especialmente no Centro-Oeste. De acordo com análise apontada pela consultoria INTL FCStone, até o momento verifica-se que a umidade do solo nesta região do país tem declinado, considerando que as chuvas de março ficaram abaixo da média.

“As regiões mais atingidas estão no sudeste do Mato Grosso e no noroeste do Mato Grosso do Sul, onde o plantio da safrinha está praticamente finalizado e as sementes agora precisam de umidade para uma boa emergência”, destacou em relatório.

Segundo os números divulgados pela consultoria neste mês de abril, a ‘safrinha’ de milho no Brasil em 2018 deve apresentar uma produtividade de 5,37 toneladas por hectare. A estimativa ainda deve passar por vários ajustes até a colheita, mas atualmente se observa um recuo de 3,4% frente ao rendimento registrado no ciclo 2016/2017.

“Espera-se um rendimento menor, porque o clima no ano passado foi próximo do ideal para a safrinha e, neste ano, foram verificados alguns atrasos na colheita de soja, o que eleva o risco da segunda safra por dificultar o plantio dentro da janela ideal”, aponta o analista de mercado, João Macedo.

As previsões climáticas para os primeiros 15 dias de abril também geram preocupação. “Não são esperados volumes significativos de chuva para algumas áreas de estados do Centro-Oeste, o que pode começar a gerar algum impacto sobre o desenvolvimento. Para outras regiões, como no centro norte do Mato Grosso, a oferta hídrica está mais confortável”, alerta a consultoria.

De acordo com a empresa, os mapas climáticos podem demonstrar um impacto do fim da La Niña, uma vez que os modelos internacionais demonstram que neste trimestre de abril, maio e junho praticamente já não há influência do fenômeno.

O fenômeno foi em grande parte responsável pela seca histórica verificada na Argentina no início do ano, contudo, depois do fim do verão, a La Niña começa a ter um efeito diferente sobre o Brasil, sendo responsável por prolongar o regime de chuvas no país, em especial no Centro-Oeste. “O fim da influência da La Niña neste trimestre pode ser negativo para a safrinha de milho, com o regime de precipitações podendo se encerrar mais cedo”, destaca Macedo.

Em relação ao impacto nos preços, observa-se que o indicativo Cepea apontou para leve baixa em abril frente à média mensal em março, reflexo da colheita da safra verão. Contudo, as cotações seguem fortalecidas diante da dificuldade de aquisição do cereal no mercado físico e também devido às incertezas ligadas à oferta da safrinha. Sem problemas climáticos, os preços devem seguir a sazonalidade nos próximos meses, recuando no segundo trimestre.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Milho: cotações recuam quase 8% em uma semana

18-06-2018

A maior oferta interna de milho mantém os preços do cereal em queda em todas as praças acompanhadas pelo Cepea. No geral, a colheita da segunda safra de milho começou aos poucos em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.Assim, parte dos vendedores consultados pelo Cepea tenta escoar os estoques, visando liberar espaço para a entrada...

Leia mais...

Soja: vazio sanitário já começou em Santa Catarina

18-06-2018

O vazio sanitário da soja começou nesta sexta, dia 15, em Santa Catarina e vai até 15 de setembro, segundo a Secretaria de Agricultura do estado. Nesse período é proibido ter plantas em crescimento nas lavouras catarinenses para evitar a ferrugem asiática, uma das principais pragas da lavoura.  "A geada já está fazendo uma faxina em nosso...

Leia mais...

Soja despenca e acumula queda de 6,5% na semana

18-06-2018

Os contratos da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a última sexta-feira, 15, com preços mais baixos. Na sessão, o grão chegou atingir US$ 9,03 por bushel. No acumulado da semana, o vencimento de julho acumulou desvalorização de 6,67%.O mercado voltou a ser pressionado pela crescente tensão comercial entre Estados Uni...

Leia mais...

Cultivar de soja suporta o dobro de percevejos

17-06-2018

A primeira cultivar de soja com tolerância ao ataque de percevejos deverá estar disponível no mercado nas próximas safras. A tecnologia, desenvolvida pela Embrapa, tem elevado o potencial produtivo da lavoura e suporta o dobro do ataque de percevejos, sem reduzir o rendimento.Os resultados mostraram que as plantas desenvolvidas apresentaram alta pr...

Leia mais...

Ford apresenta F-150 Raptor 2019

17-06-2018

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk')); Fonte Rural BR

Leia mais...

Milho: novos híbridos prometem alta produtividade

17-06-2018

A empresa Sementes Agroceres apresentou nesta semana quatro novos híbridos de milho. De acordo com a companhia, todos produtos chegam ao mercado com uma tecnologia que auxilia na proteção da raiz contra ataques da larva-alfinete (diabrótica speciosa) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao...

Leia mais...

Mercado de milho: o que esperar na próxima semana

16-06-2018

Acompanhe as indicações do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, sobre o que vai ser importante para o mercado de milho na próxima semana. (function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.inse...

Leia mais...

USDA estima produção global recorde para 2018/19

15-06-2018

A produção mundial de café em 2018/19 deverá totalizar 171,166 milhões de sacas de 60 quilos, contra 159,768 milhões de sacas na temporada anterior, de acordo com projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).Segundo o USDA, o recorde na produção global deve ser impulsionado basicamente pela também recorde safra brasileira.O Bra...

Leia mais...

Chicago: soja atinge mínima de US$ 9,03 por bushel

15-06-2018

A soja negociada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) abriu a sessão desta sexta-feira, 15, com forte queda. A oleaginosa chegou a registrar cotações mínimas de US$ 9,03 por bushel no contrato de julho, recuo superior a 2,3% em relação ao fechamento do dia anterior. No acumulado do mês, a queda é mair que 8%.Confira a reportagem completa ...

Leia mais...