16 Abril 2018

Milho: diminuição das chuvas liga sinal de alerta

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Após receber boas chuvas em março, parte do Centro-Sul do Brasil vem tendo um começo de abril mais seco, segundo a consultoria AgRural. No oeste do Paraná, cerca de 20% das lavouras da segunda safra de milho estão pendoando e, depois de uma semana sem receber chuva, os produtores começam a ficar apreensivos, especialmente porque a previsão aponta poucos volumes para o resto do mês.

No norte paranaense, o tempo também está mais seco, mas o solo ainda tem umidade e o milho ainda está em fase vegetativa. Em Mato Grosso do Sul e Goiás, maiores volumes de chuva seriam bem-vindos nas áreas que estão em início de fase reprodutiva.

Em Mato Grosso, a alternância entre noites chuvosas e dias ensolarados tem garantido boas condições de desenvolvimento à safrinha. Nas regiões norte e oeste, as áreas mais adiantadas devem começar a colheita na segunda semana de maio.

ColheitaA safra 2017/2018 de milho verão do Centro-Sul do Brasil estava 72% colhida até quinta-feira, dia 12. O número representa avanço de 12 pontos em uma semana, mas ainda está atrás dos 78% do ano passado e dos 75% da média de cinco anos. 

Os trabalhos estão encerrados em São Paulo e na reta final no Rio Grande do Sul (95%) e no Paraná (92%). Em Minas Gerais, a colheita avançou rápido nesta semana e chegou a 46%, eliminando o atraso em relação ao ano passado e à média de cinco anos. No entanto, em Goiás, apenas 25% da área está colhida, e o atraso persiste.

SojaA colheita da soja atingiu 85% da área cultivada no Brasil até a última quinta-feira. O número ainda está abaixo do ano anterior, quando 87% da oleaginosa já tinha sido retirada do campo, mas está acima da  média dos últimos cinco anos (84%).

Na semana, Rondônia entrou na lista dos estados que já encerraram os trabalhos, composta até a semana passada por Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo. No resto do país, a colheita chegou a 50% no Rio Grande do Sul, 70% em Santa Catarina, 93% no Paraná, 97% em Minas Gerais, 99% em Goiás, 65% no Maranhão, 85% no Tocantins, 67% no Piauí, 65% na Bahia e 31% no Pará.

O destaque foi o Rio Grande do Sul, onde a volta do tempo firme fez a colheita saltar 25 pontos em sete dias, reduzindo assim o atraso em relação ao ano passado e à média de cinco anos.  

Na região do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (Matopiba), o excesso de chuva tornou os trabalhos mais lentos, mas os produtores têm entrado em campo nos intervalos de tempo mais aberto. No Maranhão e no Piauí, há relatos de lotes pontuais saindo do campo com grãos avariados devido ao excesso de umidade.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Milho: cotações recuam quase 8% em uma semana

18-06-2018

A maior oferta interna de milho mantém os preços do cereal em queda em todas as praças acompanhadas pelo Cepea. No geral, a colheita da segunda safra de milho começou aos poucos em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.Assim, parte dos vendedores consultados pelo Cepea tenta escoar os estoques, visando liberar espaço para a entrada...

Leia mais...

Soja: vazio sanitário já começou em Santa Catarina

18-06-2018

O vazio sanitário da soja começou nesta sexta, dia 15, em Santa Catarina e vai até 15 de setembro, segundo a Secretaria de Agricultura do estado. Nesse período é proibido ter plantas em crescimento nas lavouras catarinenses para evitar a ferrugem asiática, uma das principais pragas da lavoura.  "A geada já está fazendo uma faxina em nosso...

Leia mais...

Soja despenca e acumula queda de 6,5% na semana

18-06-2018

Os contratos da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a última sexta-feira, 15, com preços mais baixos. Na sessão, o grão chegou atingir US$ 9,03 por bushel. No acumulado da semana, o vencimento de julho acumulou desvalorização de 6,67%.O mercado voltou a ser pressionado pela crescente tensão comercial entre Estados Uni...

Leia mais...

Cultivar de soja suporta o dobro de percevejos

17-06-2018

A primeira cultivar de soja com tolerância ao ataque de percevejos deverá estar disponível no mercado nas próximas safras. A tecnologia, desenvolvida pela Embrapa, tem elevado o potencial produtivo da lavoura e suporta o dobro do ataque de percevejos, sem reduzir o rendimento.Os resultados mostraram que as plantas desenvolvidas apresentaram alta pr...

Leia mais...

Ford apresenta F-150 Raptor 2019

17-06-2018

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk')); Fonte Rural BR

Leia mais...

Milho: novos híbridos prometem alta produtividade

17-06-2018

A empresa Sementes Agroceres apresentou nesta semana quatro novos híbridos de milho. De acordo com a companhia, todos produtos chegam ao mercado com uma tecnologia que auxilia na proteção da raiz contra ataques da larva-alfinete (diabrótica speciosa) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao...

Leia mais...

Mercado de milho: o que esperar na próxima semana

16-06-2018

Acompanhe as indicações do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, sobre o que vai ser importante para o mercado de milho na próxima semana. (function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.inse...

Leia mais...

USDA estima produção global recorde para 2018/19

15-06-2018

A produção mundial de café em 2018/19 deverá totalizar 171,166 milhões de sacas de 60 quilos, contra 159,768 milhões de sacas na temporada anterior, de acordo com projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).Segundo o USDA, o recorde na produção global deve ser impulsionado basicamente pela também recorde safra brasileira.O Bra...

Leia mais...

Chicago: soja atinge mínima de US$ 9,03 por bushel

15-06-2018

A soja negociada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) abriu a sessão desta sexta-feira, 15, com forte queda. A oleaginosa chegou a registrar cotações mínimas de US$ 9,03 por bushel no contrato de julho, recuo superior a 2,3% em relação ao fechamento do dia anterior. No acumulado do mês, a queda é mair que 8%.Confira a reportagem completa ...

Leia mais...