18 Maio 2018

EUA: negociação com China avança

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A China começou a reduzir as tensões com os Estados Unidos durante as negociações comerciais entre os dois países em Washington, que hoje entraram no segundo dia. Os chineses decidiram encerrar uma investigação sobre práticas de dumping envolvendo o sorgo importado dos Estados Unidos que na prática havia interrompido as vendas do produto norte-americano ao mercado chinês. O argumento de Pequim para suspender a medida foi que a tarifação punitiva do sorgo "afetaria o custo de vida dos consumidores" na China.

A decisão, no entanto, tem implicações mais amplas. Os dois lados estão negociando um acordo para os Estados Unidos afrouxarem sanções aplicadas à empresa chinesa ZTE em troca de uma suspensão das restrições e tarifas chinesas a produtos agrícolas norte-americanos.

A Casa Branca acusa os chineses de roubar propriedade intelectual norte-americana e pressionar empresas dos Estados Unidos a transferir tecnologia. Por isso, ameaçou tarifar o equivalente a US$ 150 bilhões em bens importados da China. Pequim disse que iria revidar.

Uma das principais demandas de Washington é que até 2020 a China diminua de US$ 375 bilhões para US$ 200 bilhões o superávit comercial que possui com os Estados Unidos. A exigência foi feita mesmo depois de economistas chineses e dos Estados Unidos afirmarem que o saldo reflete dinâmicas de investimento e poupança entre as duas nações, não a política comercial.

Pequim rejeitou as condições impostas pelos Estados Unidos e desmentiu reportagens dizendo que havia aceitado estes termos. Os negociadores, no entanto, tentam chegar a um acordo para a China importar mais bens e serviços dos Estados Unidos para mostrar que os dois lados estão trabalhando de forma construtiva, deixando a disputa em segundo plano por algum tempo. O acordo encerraria as acusações de Washington a respeito do roubo de propriedade intelectual pelos chineses, segundo pessoas informadas sobre as negociações.

Ainda assim, as conversas entre as duas partes de forma geral foram contenciosas e nenhum dos dois lados quis fazer concessões em temas fundamentais, disse uma destas pessoas.

Uma das fontes disse que a China se comprometeu a comprar mais produtos agrícolas dos Estados Unidos se o país deixasse de restringir as exportações de alguns itens de tecnologia que hoje não podem entrar no mercado chinês por decisão da Casa Branca.

Mesmo assim, as importações chinesas de produtos dos Estados Unidos cresceriam em torno de US$ 50 bilhões a US$ 60 bilhões nos próximos dois anos, número que está longe do objetivo de Washington.


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Milho: cotações recuam quase 8% em uma semana

18-06-2018

A maior oferta interna de milho mantém os preços do cereal em queda em todas as praças acompanhadas pelo Cepea. No geral, a colheita da segunda safra de milho começou aos poucos em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.Assim, parte dos vendedores consultados pelo Cepea tenta escoar os estoques, visando liberar espaço para a entrada...

Leia mais...

Soja: vazio sanitário já começou em Santa Catarina

18-06-2018

O vazio sanitário da soja começou nesta sexta, dia 15, em Santa Catarina e vai até 15 de setembro, segundo a Secretaria de Agricultura do estado. Nesse período é proibido ter plantas em crescimento nas lavouras catarinenses para evitar a ferrugem asiática, uma das principais pragas da lavoura.  "A geada já está fazendo uma faxina em nosso...

Leia mais...

Soja despenca e acumula queda de 6,5% na semana

18-06-2018

Os contratos da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a última sexta-feira, 15, com preços mais baixos. Na sessão, o grão chegou atingir US$ 9,03 por bushel. No acumulado da semana, o vencimento de julho acumulou desvalorização de 6,67%.O mercado voltou a ser pressionado pela crescente tensão comercial entre Estados Uni...

Leia mais...

Cultivar de soja suporta o dobro de percevejos

17-06-2018

A primeira cultivar de soja com tolerância ao ataque de percevejos deverá estar disponível no mercado nas próximas safras. A tecnologia, desenvolvida pela Embrapa, tem elevado o potencial produtivo da lavoura e suporta o dobro do ataque de percevejos, sem reduzir o rendimento.Os resultados mostraram que as plantas desenvolvidas apresentaram alta pr...

Leia mais...

Ford apresenta F-150 Raptor 2019

17-06-2018

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk')); Fonte Rural BR

Leia mais...

Milho: novos híbridos prometem alta produtividade

17-06-2018

A empresa Sementes Agroceres apresentou nesta semana quatro novos híbridos de milho. De acordo com a companhia, todos produtos chegam ao mercado com uma tecnologia que auxilia na proteção da raiz contra ataques da larva-alfinete (diabrótica speciosa) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao...

Leia mais...

Mercado de milho: o que esperar na próxima semana

16-06-2018

Acompanhe as indicações do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, sobre o que vai ser importante para o mercado de milho na próxima semana. (function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.inse...

Leia mais...

USDA estima produção global recorde para 2018/19

15-06-2018

A produção mundial de café em 2018/19 deverá totalizar 171,166 milhões de sacas de 60 quilos, contra 159,768 milhões de sacas na temporada anterior, de acordo com projeção do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).Segundo o USDA, o recorde na produção global deve ser impulsionado basicamente pela também recorde safra brasileira.O Bra...

Leia mais...

Chicago: soja atinge mínima de US$ 9,03 por bushel

15-06-2018

A soja negociada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) abriu a sessão desta sexta-feira, 15, com forte queda. A oleaginosa chegou a registrar cotações mínimas de US$ 9,03 por bushel no contrato de julho, recuo superior a 2,3% em relação ao fechamento do dia anterior. No acumulado do mês, a queda é mair que 8%.Confira a reportagem completa ...

Leia mais...