14 Abril 2019

Dia Internacional do Café homenageia bebida mais popular para o brasileiro

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O Brasil é o segundo maior consumidor de café do mundo. Na primeira refeição do dia, durante o horário de trabalho ou até com eventos especiais nos fins de semana, o produto faz parte da rotina e da história de milhares de brasileiros. O Dia Internacional do Café ou ainda Dia Mundial do Café é comemorado neste domingo, dia 14.

“Pessoas nem conseguem entender porque elas tomam café, mas elas tomam todos os dias”, diz Victor Ávila, barista e dono de uma cafeteria em Brasília.

“Além de apreciar o gosto, tenho memórias afetivas com café, lembrando dos lanches na casa das minhas avós; de acordar com o cheirinho do café passado por minha mãe”, conta a médica Camila Damasceno. Ela toma o tradicional cafezinho todos os dias, “pelo menos quatro vezes”.

A servidora do Banco do Pará Salete Gomes tem o mesmo hábito, consumindo a bebida diariamente. No fim de semana, ela tenta tomar apenas após o almoço, mas durante a semana conta que não consegue ficar sem. “Normalmente quando não tomo café pela manhã, mesmo que faça o desjejum, sinto dor de cabeça.”

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), o consumo médio anual por pessoa é de seis kg de café cru e 4,8 kg de café torrado e moído.

De acordo com dados mais atualizados da Abic, a produção nacional chegou a 21 milhões de sacas em 2018 (considerado o período entre novembro de 2017 e outubro de 2018).

A soma representou aumento de 5% em relação aos doze meses anteriores (novembro de 2016 a outubro de 2017), período no qual foi registrada a produção de 20 milhões de sacas.

A associação ressalta que o desempenho foi importante, considerando que houve uma baixa entre 2016 e 2017 da oferta do grão em razão de uma seca que atingiu a plantação do produto.

No consumo per capita, a variação entre os dois períodos foi de 4,65 kg para 4,82 kg de café torrado e moído. A análise da evolução é complexa, já que a entidade alterou a metodologia (deixando de considerar as sacas de empresas não cadastradas). Mas na série histórica, o Brasil teve uma boa evolução nos anos 2000, saindo de 13 milhões para 20 milhões de sacas em 2011. Depois disso, o país vem mantendo esse patamar.

hbspt.cta.load(5130076, '73eecd4b-3f9f-4c4c-8ba1-49eb50e12b94', {});

Quanto ao tipo, o consumo ainda é dominado pelo café em pó, responsável por 81% do produto consumido no país, segundo dados de 2017.

Em seguida, vem o grão torrado, com 18%. As cápsulas, cada vez mais disponíveis em supermercados, representavam somente 1% do total no ano do levantamento.

A Abic avalia que há uma demanda maior por cafés de qualidade. Segundo estatísticas da associação, na análise dentro do que a entidade chama de “categoria de qualidade”, a modalidade “gourmet” teve participação de 6% em 2016. Mas a projeção da associação é que seu peso no mercado chegue a 12% neste ano.

Barista e sócio de uma cafeteria em Brasília, Vitor Ávila também identifica este movimento por um maior interesse em cafés diferentes e especiais.

“Pessoas estão começando a entender que café pode ser uma bebida mais complexa do que vinho, cerveja. Por isso, há tantas cafeterias e torrefações abrindo”, destaca.

Segundo ele, há um trabalho com pequenos produtores, mas também os grandes estão saindo do que chamou de “café de commodity”. O país estaria rumando a um “viés de qualidade”.

Com isso, continua Ávila, o Brasil estaria se aproximando de nações com maior tradição em cafés especiais, como na América Central e na África.

“A gente é o maior produtor de café, mas não somos o produtor de café especial do mundo. O Brasil está se encaminhando para ser um dos maiores do mundo”, acredita.

Mas há quem prefira ficar no básico. “Gosto do tradicional, o pó embalado a vácuo, sentir aquele cheiro irresistível quando está sendo coado, no filtro de papel ou no velho coador de pano”, comenta a bancária Salete Gomes. “Tenho uma máquina Nespresso, às vezes é meu “momento Gourmet “, mas nada substitui o bom café coado”, diz a professora de francês Rebeca Porto.

A nutricionista Valéria Paschoal, da VP Centro de Nutrição Funcional, explica que os efeitos do café na saúde são diferentes em cada pessoa.

“Há pessoas que tomam o café e pequenas quantidades têm impacto na saúde, como maior hiperatividade, dificuldade de ter relaxamento, mas é coisa individual”, comenta.

Segundo ela, em termos gerais, estudos mostram que até 360 miligramas (o equivalente a seis xícaras de cafezinho) não tem consequência nenhuma na saúde.

“Há estudos mostrando que, para crianças tomar café pela manhã, pode ter benefícios na atividade cognitiva. Outras pesquisas demonstram que o cafestol, o fitoquímico presente no café, tem atividade antioxidante na prevenção de várias doenças, afirma.

Para avaliar se o consumo acima desses parâmetros terá impactos negativos na saúde, acrescenta a nutricionista, é preciso averiguar diferentes elementos e características, como o quadro gástrico do indivíduo. O mesmo vale para os efeitos de agitação sobre o sono para quem toma a bebida à tarde ou à noite. De acordo com o metabolismo, as pessoas podem ou não sentir reações.

Uma quantidade acima pode prejudicar a absorção do cálcio, facilitando a ocorrência do osteoporose. Ela sugere o consumo do café orgânico, e no preparo coado.

Drones são usados em plantios de café para ampliar a produção


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

19-04-2019

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

A reforma da Previdência pode sofrer ainda mais resistência no Congresso e atrasar a recuperação econômica do país. Insatisfeitos com a nova proposta de salário mínimo, parlamentares podem barrar a principal medida do governo Jair Bolsonaro para controle das contas públicas. O comentarista Miguel Daoud comenta os impactos desse embate para o setor ...

Leia mais...

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

19-04-2019

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

Os preços do milho estão em queda desde meados de março no mercado interno, a pressão de baixa vem da expectativa de aumento da oferta do cereal na segunda safra. Com o clima mais favorável este ano, as produtividades médias têm sido revisadas para cima. A queda no preço do milho e as recentes altas dos valores da arroba do boi gordo, fez com que a...

Leia mais...

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

18-04-2019

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

Mais de 60% das lavouras de arroz do Rio Grande do Sul já foram colhidas. Mesmo com a previsão de uma safra menor, em torno de 7,4 milhões de toneladas (ante as 8,4 milhões do ano passado), o preço pode não subir muito, segundo os analistas. Mesmo assim, tem produtor confiante de que os valores possam subir.A enchente que atingiu a Fronteira Oeste ...

Leia mais...

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

18-04-2019

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

O presidente Jair Bolsonaro recebeu índios de quatro etnias diferentes no Palácio do Planalto. Ele ouviu as reivindicações e defendeu tanto as atividades de mineração, quanto agropecuárias em terras indígenas. O comentarista Miguel Daoud analisa a ameaça do presidente contra a diretoria da Funai, caso não levem em consideração as demandas dos índio...

Leia mais...

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

18-04-2019

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

Após a Petrobras anunciar mais uma alta no preço do diesel, representantes dos caminhoneiros se reuniram com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. O ministro de infraestrutura, Tarcísio Gomes, disse que vai começar a discutir com a categoria a nova tabela do frete. Fonte Canal Rural

Leia mais...

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

18-04-2019

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, anunciou nesta quarta-feira, dia 17, uma alta de R$ 0,10 por litro de óleo diesel nas refinarias.Com a alta, o litro do diesel passa a custar agora R$ 2,24 nas distribuidoras. O anúncio vem seis dias depois da estatal voltar atrás no último aumento, atendendo pedido do presidente Jair Bolsonaro.Se...

Leia mais...

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

18-04-2019

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

Durante entrevista à GloboNews, nesta quarta-feira, dia 17, o ministro da Economia, Paulo Guedes, insinuou que o presidente Jair Bolsonaro tem o questionado sobre uma eventual privatização da Petrobras.Guedes tocou no assunto enquanto comentava sobre os últimos episódios envolvendo o reajuste do preço do óleo diesel.Para o comentarista João Batista...

Leia mais...

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

18-04-2019

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

Durante a manhã desta quinta-feira, dia 18, o dólar atingiu a cotação máxima de R$ 3,95. Esse valor não era visto desde março de 2018.O atraso no andamento da reforma da previdência na Câmara dos Deputados e fatores externos influenciaram nessa alta da moeda norte-americana em relação ao real. Porém mesmo com a alta superior a 1%, as vendas de soja...

Leia mais...

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

18-04-2019

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

Após alta de R$ 0,10 anunciada nesta quarta-feira, dia 17, pela Petrobras, o mercado está mantendo as atenções para esse tema. Para o comentarista Benedito Rosa, a tendência daqui em diante é um aumento moderado nos preços dos combustíveis, além de manutenção na tabela do frete em 2019. Fonte Canal Rural

Leia mais...