14 Abril 2019

Agrotóxicos: ministério garante segurança para destravar fila de registro

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Guilherme Leal, esclareceu que não há “liberação geral” de agrotóxicos na gestão de Tereza Cristina. Segundo ele, houve melhorias nos processos da pasta, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) com a manutenção de todos os procedimentos de segurança na avaliação de defensivos agrícolas. Leal destacou que a maioria dos produtos registrados neste ano são genéricos e estavam na fila de espera há muitos anos. O desafio agora é dar mais agilidade, com a mesma rigidez, aos registros de novas moléculas. As afirmações foram feitas no programa Direto ao Ponto deste domingo, dia 14.

“O que houve foi um trabalho de melhoria dos processos de análise do Ministério da Agricultura, Anvisa e Ibama, uma mudança de rotina que tem dado resultado desde 2017. Tivemos aumento, sim, na concessão de registros e a expectativa é que isso continue. Queremos aperfeiçoar os processos, mas não se pula nenhuma etapa da questão de segurança desses produtos”, afirmou Leal.

Entre 1º de janeiro e 9 de abril, foram registrados 93 defensivos agrícolas no país: 44 genéricos, 42 produtos formulados químicos e 7 produtos formulados de baixa toxicidade. Mais de 70% desses registros são de processos que aguardavam na fila há mais de quatro anos. Sete deles foram protocolados há mais de oito anos.

O secretário destacou ainda que o aumento no número de registros não significa que o uso dos produtos na lavoura também será maior. “O agricultor vai usar de acordo com a necessidade dele. Apenas aumenta a oportunidade de ele escolher entre marcas de um mesmo produto”.

A intenção do Ministério da Agricultura é conseguir tirar da fila de espera as moléculas novas. “Elas têm tendências a ser menos tóxicas, mais eficientes e exigir doses menores. O processo cumpre mais etapas, mas precisamos melhorar sem qualquer prejuízo à avaliação e ao rigor técnico. Não precisa demorar oito anos para análise. Temos que respeitar a fila, mas fazendo o registro dos genéricos vamos conseguir chegar mais rápido nessas moléculas novas”. O secretário afirmou ainda que a prioridade é aprovar mais produtos biológicos, sem impacto ao meio ambiente. O interesse e procura de agricultores por esses defensivos têm aumentado nos últimos tempos.

José Guilherme Leal contou que o ambiente ainda está conturbado em decorrência das operações Carne Fraca e Trapaça, que identificaram corrupção em vários frigoríficos do país. O trabalho para reconquistar a confiança de alguns mercados que continuam fechados é árduo e conta com a ministra Tereza Cristina na linha de frente, com visitas programadas em diversas partes do mundo. Ele lembrou ainda que é preciso cobrar mais das empresas privadas no processo de fiscalização dos procedimentos de produção.

“Queremos vender, temos condições de dar as garantias para o mercado que quer comprar? O ministério vai dar as garantias dele e as indústrias precisam fazer a parte delas. Estamos aprimorando informações para dar as garantias e recolocar o Brasil no devido patamar. Para isso, devemos ser rigorosos e não podemos cometer erros do passado”, disse.

O secretário de Defesa Agropecuária também comentou a necessidade de mudar a lei de defensivos. A discussão sobre o projeto em tramitação no Congresso Nacional deve ser retomada em breve. “O ministério vai dar todos os subsídios para a discussão. O que achamos importante é caracterizar a avaliação com a análise de risco e não com o perigo. Todos os países estão usando análise de risco e no Brasil a discussão está madura agora. Essa mudança vai nos dar ferramenta com maior embasamento científico para avaliação e potencial de liberar ou não e os cuidados necessários para utilização dos defensivos”.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

19-04-2019

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

A reforma da Previdência pode sofrer ainda mais resistência no Congresso e atrasar a recuperação econômica do país. Insatisfeitos com a nova proposta de salário mínimo, parlamentares podem barrar a principal medida do governo Jair Bolsonaro para controle das contas públicas. O comentarista Miguel Daoud comenta os impactos desse embate para o setor ...

Leia mais...

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

19-04-2019

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

Os preços do milho estão em queda desde meados de março no mercado interno, a pressão de baixa vem da expectativa de aumento da oferta do cereal na segunda safra. Com o clima mais favorável este ano, as produtividades médias têm sido revisadas para cima. A queda no preço do milho e as recentes altas dos valores da arroba do boi gordo, fez com que a...

Leia mais...

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

18-04-2019

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

Mais de 60% das lavouras de arroz do Rio Grande do Sul já foram colhidas. Mesmo com a previsão de uma safra menor, em torno de 7,4 milhões de toneladas (ante as 8,4 milhões do ano passado), o preço pode não subir muito, segundo os analistas. Mesmo assim, tem produtor confiante de que os valores possam subir.A enchente que atingiu a Fronteira Oeste ...

Leia mais...

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

18-04-2019

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

O presidente Jair Bolsonaro recebeu índios de quatro etnias diferentes no Palácio do Planalto. Ele ouviu as reivindicações e defendeu tanto as atividades de mineração, quanto agropecuárias em terras indígenas. O comentarista Miguel Daoud analisa a ameaça do presidente contra a diretoria da Funai, caso não levem em consideração as demandas dos índio...

Leia mais...

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

18-04-2019

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

Após a Petrobras anunciar mais uma alta no preço do diesel, representantes dos caminhoneiros se reuniram com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. O ministro de infraestrutura, Tarcísio Gomes, disse que vai começar a discutir com a categoria a nova tabela do frete. Fonte Canal Rural

Leia mais...

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

18-04-2019

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, anunciou nesta quarta-feira, dia 17, uma alta de R$ 0,10 por litro de óleo diesel nas refinarias.Com a alta, o litro do diesel passa a custar agora R$ 2,24 nas distribuidoras. O anúncio vem seis dias depois da estatal voltar atrás no último aumento, atendendo pedido do presidente Jair Bolsonaro.Se...

Leia mais...

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

18-04-2019

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

Durante entrevista à GloboNews, nesta quarta-feira, dia 17, o ministro da Economia, Paulo Guedes, insinuou que o presidente Jair Bolsonaro tem o questionado sobre uma eventual privatização da Petrobras.Guedes tocou no assunto enquanto comentava sobre os últimos episódios envolvendo o reajuste do preço do óleo diesel.Para o comentarista João Batista...

Leia mais...

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

18-04-2019

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

Durante a manhã desta quinta-feira, dia 18, o dólar atingiu a cotação máxima de R$ 3,95. Esse valor não era visto desde março de 2018.O atraso no andamento da reforma da previdência na Câmara dos Deputados e fatores externos influenciaram nessa alta da moeda norte-americana em relação ao real. Porém mesmo com a alta superior a 1%, as vendas de soja...

Leia mais...

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

18-04-2019

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

Após alta de R$ 0,10 anunciada nesta quarta-feira, dia 17, pela Petrobras, o mercado está mantendo as atenções para esse tema. Para o comentarista Benedito Rosa, a tendência daqui em diante é um aumento moderado nos preços dos combustíveis, além de manutenção na tabela do frete em 2019. Fonte Canal Rural

Leia mais...