12 Julho 2019

Grãos: após 9 anos de alta, renda de produtor deve recuar

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Apesar das estimativas apontarem que o Brasil pode ter neste ano a maior safra de grãos da história, a receita dos produtores deve encolher. Depois de ter crescido quase 20% em 2018, embalada pelas exportações para a China, a renda nominal agrícola deve ter queda de 0,16%, segundo projeções de analistas.

Ainda que pequena, a mudança de trajetória é simbólica. Se confirmada, será o primeiro recuo desde 2010. Nesta quinta-feira, dia 11, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou que a safra de grãos 2018/2019 deve atingir 240, 7 milhões de toneladas, superando o recorde anterior de 237,6 milhões de toneladas da safra 2016/2017.

Produtores alegam que operam com margens apertadas, especialmente por causa do tabelamento do frete, da alta do câmbio e da queda dos preços internacionais dos grãos. Entre algodão, arroz, feijão, milho, soja e trigo, a renda agrícola deve somar R$ 244,9 bilhões este ano, segundo projeções da consultoria MacroSector. “Houve queda de preços no mercado internacional, sobretudo da soja, e a economia global está enfraquecendo”, afirma Fabio Silveira, sócio da MacroSector, que calculou a renda do setor.

Descontada a inflação, a perda de renda será ainda maior que a prevista até agora, diz ele. A soja responde por mais da metade da receita de grãos e é um dos pilares da balança comercial do país. A produção deste ano já foi 4,5% inferior a de 2018, segundo o IBGE.

Diante desse cenário, os produtores estão inseguros em relação aos preparativos para o plantio da próxima safra no Centro-Sul, a partir de setembro. “A situação é bem desconfortável e o produtor de soja vai trabalhar no fio da navalha este ano”, afirma Ilson José Redivo, presidente do Sindicato Rural de Sinop (MT), que representa 350 agricultores. O Mato Grosso é o principal Estado produtor de soja.

A área plantada na safra 2019/2020 deve ter o menor avanço dos últimos anos, de apenas 0,59%, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). Nas contas da entidade devem ser semeados 9,7 milhões de hectares. O preço da soja está abaixo do patamar histórico e, com a recente valorização do real, deve cair ainda mais.

Após todos os descontos, o produtor de Sinop, por exemplo, recebe entre R$ 62 e R$ 63 por saca. Essa cifra praticamente empata com o custo de produção. Tiago Stefanello Nogueira, presidente do Sindicato Rural de Sorriso (MT), diz que os insumos para a produção da próxima safra subiram entre 10% e 15% em relação a 2018.

A produtividade da soja também pode ser menor. O produtor e distribuidor de sementes do Mato Grosso, Carlos Ernesto Augustin, diz que agricultores estão adquirindo o produto mais barato, sem tratamento, menos resistente e menos produtivo. O fertilizante foi o item que mais encareceu. “Há regiões onde o preço aumentou entre 25% e 30%”, diz Bruno Lucchi, superintendente técnico da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA).

Há muita apreensão para a próxima safra, diz Antonio Chavaglia, presidente da Comigo, cooperativa de produtores de Rio Verde (GO). “O preço dos insumos estourou e as compras estão atrasadas.” Além da alta do câmbio no primeiro semestre, que afetou diretamente o preço do adubo que usa micronutrientes importados, Lucchi destaca o impacto do tabelamento do frete. “A tabela do frete é uma bomba relógio: ela é atualizada pela inflação e gera inflação.”

Embora tenha sido amenizada nos últimos dias, Augustin afirma que a insegurança no campo também ocorre em razão da guerra comercial entre EUA e China. “Há uma pressão grande e o produtor tem medo de plantar e sobrar produto”, diz. “Ninguém vai deixar de plantar, mas fará isso com cautela e da forma mais barata possível”.

hbspt.cta.load(5130076, '73eecd4b-3f9f-4c4c-8ba1-49eb50e12b94', {});


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Governo deve anunciar várias medidas após reforma, diz economista 

18-07-2019

Governo deve anunciar várias medidas após reforma, diz economista 

O economista Alexandre Cabral afirma que, após a aprovação da reforma da Previdência, o governo deve lançar novas medidas para estimular a economia. Ele também comenta a queda na cotação do dólar, diante de um cenário externo otimista. “Esse otimismo gera expectativa de quedas mais rápidas, com juros mais baixos, tendo boas consequências na economi...

Leia mais...

Javali: caçador critica projeto de lei que proíbe uso de cães na atividade 

18-07-2019

Javali: caçador critica projeto de lei que proíbe uso de cães na atividade 

Tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei 348/2019, que pode suspender o uso de cães durante a caça de javalis. O texto é de autoria do deputado federal Ricardo Izar (PP-SP). A medida visa não abrir precedentes para maus-tratos aos animais em caçadas.O caçador de javalis Mário Quinichala afirma que o impacto da caça sem cães são muito negati...

Leia mais...

Bolsonaro: Ingresso do Brasil na OCDE está bastante avançado

18-07-2019

Bolsonaro: Ingresso do Brasil na OCDE está bastante avançado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, dia 18, durante transmissão ao vivo pelo Facebook, que o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) “está bastante avançado”. Segundo o presidente, “todos os países concordam com a nossa entrada”.Mais cedo, durante a cerimônia de comemoração dos 200 ...

Leia mais...

Dólar a R$ 3,50? Economistas comentam a tendência para o câmbio

18-07-2019

Dólar a R$ 3,50? Economistas comentam a tendência para o câmbio

O dólar registrou leve desvalorização nas últimas semanas. Segundo analistas, a queda é consequência do avanço da reforma da Previdência e o início da reforma tributária, no Congresso.Muitos brasileiros acreditam que com a aprovação das medidas, o real vá se valorizar cada vez mais. Porém, de acordo com o economista e sócio-diretor da Macrosector C...

Leia mais...

Tabela de frete: Saiba onde o produtor vai gastar mais

18-07-2019

Tabela de frete: Saiba onde o produtor vai gastar mais

Nesta quinta-feira, dia 18, a Agência Nacional de Transportes Terrestres divulgou uma nova tabela de fretes, que muda o cálculo do preço mínimo e traz mudanças na fiscalização, infrações e penalidades. As multas variam de R$ 550 a R$ 10,5 mil.De acordo com o comentarista Benedito Rosa, o tabelamento causa impacto negativo no agronegócio, por ser um...

Leia mais...

Mangalarga marchador: pesquisa inédita analisa importância de selas personalizadas

18-07-2019

Mangalarga marchador: pesquisa inédita analisa importância de selas personalizadas

Uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais em parceria com a Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM) mostra a importância de adequar a sela para o bem estar do cavalo e do cavaleiro. Os alunos que fazem parte da pesquisa estão avaliando a forma adequada da utilização para os animais. Eles usam um equipa...

Leia mais...

Preço da soja tem mais um dia de queda no Brasil e recua R$ 0,50

18-07-2019

Preço da soja tem mais um dia de queda no Brasil e recua R$ 0,50

Os preços da soja no Brasil caíram mais R$ 0,50 nesta quinta-feira, dia 18, sendo a segunda queda consecutiva. A quarta sessão seguida de baixas na Bolsa de Chicago e a desvalorização do dólar pressionaram as cotações, segundo a Safras & Mercado. “O volume de negócios foi pequeno. Os vendedores seguem ausentes com o cenário desfavorável de bolsa e ...

Leia mais...

Preço do café sobe 11% mas produtor ainda trabalha com margem negativa

18-07-2019

Preço do café sobe 11% mas produtor ainda trabalha com margem negativa

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) mostrou que em junho o preço médio do café subiu 11% em algumas regiões produtoras do Brasil quando comparado com o mês anterior. Apesar dessa elevação, os produtores rurais continuam operando com margens negativas.Maciel Silva, coordenador de produção agríco...

Leia mais...

Dólar fecha com baixa de 0,87%, cotado a R$ 3,729 para venda

18-07-2019

Dólar fecha com baixa de 0,87%, cotado a R$ 3,729 para venda

O dólar comercial encerrou a sessão desta quinta, dia 18, com baixa de 0,87%, sendo negociado a R$ 3,727 para compra e a R$ 3,729 para venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 3,764 e a máxima de R$ 3,724. Fonte Canal Rural

Leia mais...