08 Outubro 2019

Mudanças na MP do Agro querem garantir ampliação do crédito para o setor

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A chamada MP do Agro (medida provisória 897/2019) foi um dos destaques do programa Conexão Brasília desta terça-feira, 8. Em pauta, a importância das medidas destinadas a ampliar a oferta de crédito rural e os ajustes reivindicados pelo setor para que sejam atingidos os efeitos esperados da medida. Editado dia 1º de outubro, o texto já está em vigor e deve ser votado em até 120 dias pelo Congresso. Esta terça foi o último dia para apresentação de emendas à medida, somando cerca de 60 propostas.

Uma das mudanças sugeridas diz respeito à equalização das taxas de juros, questão fundamental para tornar mais barato o financiamento da safra. “O principal problema hoje no sistema de equalização de juros é que o Tesouro Nacional tem que sentar com cada banco e estimar o custo administrativo de cada banco. Você vai ver que hoje o BNDES tem um custo, o Banco do Brasil tem outro e o cooperativismo de crédito tem outro. A nossa proposta, e isso é emenda porque no texto não está, é de que seja feito por leilão, onde vence o que tem menor custo. Com isso, a gente espera reduzir o custo do financiamento para o produtor e, com o mesmo dinheiro que está no orçamento, alavancar mais recursos de crédito para a agricultura”, disse o consultor de Política Agrícola da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Célio Porto.

Outra alteração apresentada refere-se ao custo de registro da cédula de crédito rural. “O decreto-lei 167/1967 estabelecia no artigo 34 um limite para o custo de registro cartorário da cédula de crédito rural, mas era vinculado a um salário mínimo. Com a Constituição de 1988, ficou proibido usar o salário mínimo como indexador e morreu esse artigo. Agora, nós estamos ressuscitando ele, criando um limite equivalente a um quarto do salário mínimo do que estava lá, ou seja, R$ 250”, afirmou Porto.

O consultor da FPA ressaltou as medidas já previstas na MP, caso da criação do Fundo de Aval Fraterno (FAF), em que no mínimo dois e no máximo dez produtores poderão formar associações para dar garantia coletiva em empréstimos bancários. O fundo também poderá ser usado para financiamentos de interesse coletivo, como construção de armazéns e de linhas de transmissão de energia.

A MP inclui ainda permissão para que bancos privados operem crédito rural com equalização de juros, a emissão de títulos do agronegócio em moeda estrangeira e o patrimônio de afetação, autorização para que propriedade seja desmembrada como garantia em financiamentos rurais. Antes, o produtor precisava conceder toda sua propriedade como garantia.

O programa abordou ainda a medida provisória 884/2019, que torna permanente a inscrição e atualização do Cadastro Ambiental Rural (CAR). A MP está na pauta do plenário do Senado e deve ser votada até o dia 11 de outubro para não perder a validade.

O coordenador técnico da FPA, Gustavo Carneiro, explica as consequências para o produtor rural, caso a medida não seja votada no prazo. “Se essa medida provisória cair, nenhum produtor conseguirá mais fazer o Cadastro Ambiental Rural. Ele é importante porque é um raio X da questão ambiental da propriedade. Se o produtor tem um passivo ambiental que está em desacordo com a lei, o CAR é o instrumento que ele pode utilizar através do PRA [Programa de Regularização Ambiental], que também está sendo tratado na mesma medida provisória, para que ele se regularize”, informou Carneiro.

A PEC 42/2019, que acaba com os efeitos da Lei Kandir também esteve em pauta. O diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), André Nassar, falou sobre os impactos da medida que está tramitando no Senado sobre o setor agropecuário. A Lei Kandir isenta de ICMS as exportações de produtos primários, que é o caso de itens do agronegócio.

“Se tributar o agro na exportação, perde-se toda competitividade do setor. Não é à toa que com a Lei Kandir as exportações do agro explodiram. É muito importante a gente ser diligente, tanto a FPA quanto as entidades mostrarem os problemas da Lei Kandir falando com cada senador para que eles estejam sensibilizados da necessidade de mantê-la e proteger a competitividade do agronegócio brasileiro”, disse Nassar.

O diretor da Abiove afirmou que entidades do agro e a FPA estão levando um estudo aos senadores mostrando os efeitos maléficos da PEC à agropecuária e, por consequência, à economia do país. Sobre a reivindicação dos estados de aumento de arrecadação, André Nassar acredita que a questão deva ser resolvida por meio da reforma tributária. “A gente não pode, por causa do problema de arrecadação dos estados, matar o setor que é competitivo porque você também não gera aquilo que os estados querem, que é arrecadar”, concluiu.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Boi gordo: mercado tem negócios estáveis e preço atinge R$ 203 em SP

27-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis nesta quinta-feira. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, destaca que o fluxo de negócios seguiu bastante fraco. “Os frigoríficos não conseguem exercer forte pressão de queda neste momento, avaliando a expectativa em relação à primeira quinzena do mês. Os pecuaristas...

Leia mais...

Tensão entre Bolsonaro e Congresso põe em risco agenda de reformas

27-02-2020

O compartilhamento de vídeos que incitam ataques ao parlamento e ao Supremo Tribunal Federal, realizado pelo presidente , causou impacto negativo entre deputados e senadores. Mesmo assim, parlamentares têm se dividido nas reações: enquanto alguns apontam que a ação do presidente se enquadra como Crime de Responsabilidade, outros tentam por panos qu...

Leia mais...

Chuva vai interromper a colheita da soja em Mato Grosso e Goiás

27-02-2020

A colheita da soja segue com ritmo acima da média das últimas cinco safras em Mato Grosso, com 73% da área colhida até 21 de fevereiro, de acordo com o Mas, em relação ao ano passado, os trabalhos de campo estão atrasados – em fevereiro de 2019, o índice estava em 80%.Muitos agricultores ainda estão preocupados com o excesso de chuva no camp...

Leia mais...

Coronavírus já afetou as exportações agrícolas? 7 especialistas respondem

27-02-2020

Muito se fala sobre os efeitos do coronavírus na economia mundial e, consequentemente, na demanda por alimentos. Em meio às incertezas, o dólar chegou a bater R$ 4,50 nesta quinta-feira, 27, com investidores migrando para ativos mais seguros.Mas o Brasil já registrou algum problema nas exportações por conta do surto da doença? O Canal Rural procuro...

Leia mais...

Soja: coronavírus não impactou exportações do Brasil, diz Anec

27-02-2020

De acordo com a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), as exportações de soja do Brasil para China não sofreram impacto na demanda por conta do novo coronavírus.Contudo, segundo levantamento Agências Marítimas, que reportam qual a situação em pelo menos 12 portos brasileiros, em comparação de janeiro de 2020 com o mesmo mês em 2019...

Leia mais...

Carnes: ‘Peste suína africana continua sendo a questão principal’

27-02-2020

A peste suína africana na Ásia ainda é o principal fator a impulsionar as exportações de carnes do Brasil, de acordo com a assessora técnica da Ana Lígia Lenat. “Ainda temos casos sendo reportados na China. A questão é se vamos exportar mais ou menos por conta do coronavírus, mas a demanda continua aquecida”, comenta.Ana Lígia lembra que a China a...

Leia mais...

‘Derivados de leite podem sofrer mais com surto de coronavírus’

27-02-2020

Produtos agroindustriais, como bebidas e derivados de leite, podem sofrer mais com o surto de coronavírus na China, de acordo com o ex-secretário de Política Agrícola do , Benedito Rosa. “Alimentos básicos, essenciais, como arroz, feijão e leite fluido tendem a ter uma queda de consumo menor. Já os alimentos sofisticados sofrem mais, pois a elastic...

Leia mais...

Previsão do tempo: março deve ter chuvas acima da média; veja onde!

27-02-2020

O Brasil não registra um mês de fevereiro tão chuvoso desde 2004, de acordo com a Somar Meteorologia. Para março, a previsão do tempo não mostra grandes mudanças: as chuvas se mantém no centro-norte, Sudeste e parte do Nordeste.Em Varginha (MG), choveu o dobro do esperado para fevereiro, com acumulados em torno de 400 milímetros. A precipitação dev...

Leia mais...

Em uma semana, colheita da soja quase dobra no Paraná

27-02-2020

A colheita da no Paraná atinge agora 42% da área de 5,46 milhões de hectares, segundo levantamento do departamento de Economia Rural (Deral). O montante representa quase o dobro do recolhido na semana anterior, quando se estava em 22%. Apenas o município de União da Vitória não iniciou os trabalhos.Na mesma época do ano passado a colheita atingia ...

Leia mais...