12 Outubro 2019

Comer carne vermelha faz mal? Grupo de pesquisadores discorda

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Comer menos carne vermelha pode não ter relação direta com melhora na saúde, como muitos pesquisadores vêm afirmando ao longo dos anos. Ao menos é o que garante um grupo de cientistas, liderado por membros da Universidade Dalhousie, do Canadá, que recentemente .

O foco das revisões foram as metodologias utilizadas para chegar às conclusões. Para o grupo, muitas das evidências eram frágeis e pouco confiáveis. Portanto, dizer que reduzir o consumo de carne seria benéfico para a saúde pode ser uma afirmação equivocada e sem comprovação científica eficaz.

Os novos relatórios são baseados em três anos de trabalho de 14 pesquisadores de sete países. Os investigadores informaram que não há conflitos de interesse na pesquisa, já que eles teriam realizado os estudos sem qualquer financiamento externo.

Em três revisões, o grupo analisou estudos verificavam se o consumo de carne vermelha ou processadas implicava risco de doenças cardiovasculares ou câncer. Os cientistas concluíram que, nos três estudos, os vínculos entre ingestão de carne vermelha, desenvolvimento de doenças e morte eram pequenos e a quantidade das evidências era baixa ou muito baixa.

Foram revisados, ao todo, 61 artigos relatando casos em 55 diferentes populações, envolvendo cerca de 4 milhões de participantes. Os pesquisadores também analisaram estudos que ligavam a carne vermelha à incidência de câncer ou doenças cardíacas, assim como 73 artigos que examinaram a ligação entre o consumo de carne e a mortalidade por câncer.

Os autores também fizeram uma revisão sistemática, analisando as atitudes das pessoas e os valores relacionados à saúde em relação à ingestão de carnes vermelhas e processadas.

“Nossa revisão sistemática mostra que geralmente há evidências de baixa a muito baixa qualidade para mais de 30 resultados de saúde, e que os valores e preferências do público em torno de carnes vermelhas ou processadas – reconhecidamente, também com base em evidências de baixa qualidade – mostram que eles gostam do sabor de carne, geralmente a consideram saudável e relutam em mudar, embora exista variabilidade nessas opiniões ”, afirma Bradley Johnston, epidemiologista e líder do grupo de pesquisa. 

Johnston, que é treinado em metodologia de pesquisa em saúde, diz que a equipe percebe que seu trabalho supera muitas diretrizes nutricionais atuais e se opõe à sabedoria convencional. 

Vários grupos de saúde foram rápidos em condenar as descobertas, com um comitê de médicos fazendo lobby para que a revista científica na qual foi publicada o artigo retirasse os resultados do ar.

Gordon Guyatt, presidente do comitê de diretrizes e professor da Universidade McMaster, disse em comunicado que o grupo de pesquisa usou uma metodologia mais rigorosa em relação às pesquisas anteriores. Por esse motivo os resultados divergem das pesquisas convencionais, que trabalham com resultados que fogem da precisão. 

“As pessoas precisam ser capazes de tomar decisões sobre a sua própria dieta baseada na melhor informação disponível”, disse Guyatt.

Pesquisa nacional

No Brasil, o médico cardiologista Iran Castro tem um pensamento similar ao do grupo de pesquisadores que contesta as conclusões tradicionais. Ele participou da última edição da Expointer no painel “Consumo de Carne Bovina: benefícios e importância em uma dieta saudável” e faz parte de um estudo nacional que monitorou o consumo de carne vermelha em um grupo de voluntários.

A conclusão a  que o médico chegou foi a mesma do grupo de cientistas: a de que a carne não deve ser tratada como uma vilã da dieta humana. “De fato, não há evidências consistentes de que a carne vermelha seja prejudicial à saúde humana, tampouco não há evidências de que, ao consumi-la, tenhamos vantagem em relação a desfechos cardiovasculares ou oncológicos”, disse o médico, avaliando que casos de câncer e episódios envolvendo o coração não devem ser creditados ao consumo de carne vermelha.

Os voluntários da pesquisa realizada no Brasil consumiram, em dois períodos distintos, 120 gramas de carne por 27 dias. Em um primeiro momento, foram consumidas carnes de animais oriundos de confinamento e, em outro ponto da pesquisa, carne de animais mantidos sobre pastagem. Sempre em cortes sem gordura externa.

“Concluímos que não houve alterações do perfil lipídico (gordura) com a ingestão constante de carne vermelha sem gordura. Assim como não houve diferença nesse perfil com a ingestão de carne magra a pasto ou de confino”, disse.

Para o especialista, o consumo de carne vermelha diariamente sem a gordura externa não implica alterações significativas na saúde. Sendo assim, não faria sentido a recomendação de uma dieta que exclua a carne vermelha do cardápio.

Isso vai de encontro a uma tendência que cria alternativas para a carne vermelha, como a recente criação de “carnes” feitas exclusivamente de vegetais. Para o médico, é possível viver sem o consumo de carne e ter uma vida saudável, porém com uma reposição proteica de alto valor biológico.

“A carne não pode ser substituída por carboidratos que, junto ao sal, representam o maior perigo à saúde”, disse.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Boi gordo: mercado tem negócios estáveis e preço atinge R$ 203 em SP

27-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis nesta quinta-feira. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, destaca que o fluxo de negócios seguiu bastante fraco. “Os frigoríficos não conseguem exercer forte pressão de queda neste momento, avaliando a expectativa em relação à primeira quinzena do mês. Os pecuaristas...

Leia mais...

Tensão entre Bolsonaro e Congresso põe em risco agenda de reformas

27-02-2020

O compartilhamento de vídeos que incitam ataques ao parlamento e ao Supremo Tribunal Federal, realizado pelo presidente , causou impacto negativo entre deputados e senadores. Mesmo assim, parlamentares têm se dividido nas reações: enquanto alguns apontam que a ação do presidente se enquadra como Crime de Responsabilidade, outros tentam por panos qu...

Leia mais...

Chuva vai interromper a colheita da soja em Mato Grosso e Goiás

27-02-2020

A colheita da soja segue com ritmo acima da média das últimas cinco safras em Mato Grosso, com 73% da área colhida até 21 de fevereiro, de acordo com o Mas, em relação ao ano passado, os trabalhos de campo estão atrasados – em fevereiro de 2019, o índice estava em 80%.Muitos agricultores ainda estão preocupados com o excesso de chuva no camp...

Leia mais...

Coronavírus já afetou as exportações agrícolas? 7 especialistas respondem

27-02-2020

Muito se fala sobre os efeitos do coronavírus na economia mundial e, consequentemente, na demanda por alimentos. Em meio às incertezas, o dólar chegou a bater R$ 4,50 nesta quinta-feira, 27, com investidores migrando para ativos mais seguros.Mas o Brasil já registrou algum problema nas exportações por conta do surto da doença? O Canal Rural procuro...

Leia mais...

Soja: coronavírus não impactou exportações do Brasil, diz Anec

27-02-2020

De acordo com a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), as exportações de soja do Brasil para China não sofreram impacto na demanda por conta do novo coronavírus.Contudo, segundo levantamento Agências Marítimas, que reportam qual a situação em pelo menos 12 portos brasileiros, em comparação de janeiro de 2020 com o mesmo mês em 2019...

Leia mais...

Carnes: ‘Peste suína africana continua sendo a questão principal’

27-02-2020

A peste suína africana na Ásia ainda é o principal fator a impulsionar as exportações de carnes do Brasil, de acordo com a assessora técnica da Ana Lígia Lenat. “Ainda temos casos sendo reportados na China. A questão é se vamos exportar mais ou menos por conta do coronavírus, mas a demanda continua aquecida”, comenta.Ana Lígia lembra que a China a...

Leia mais...

‘Derivados de leite podem sofrer mais com surto de coronavírus’

27-02-2020

Produtos agroindustriais, como bebidas e derivados de leite, podem sofrer mais com o surto de coronavírus na China, de acordo com o ex-secretário de Política Agrícola do , Benedito Rosa. “Alimentos básicos, essenciais, como arroz, feijão e leite fluido tendem a ter uma queda de consumo menor. Já os alimentos sofisticados sofrem mais, pois a elastic...

Leia mais...

Previsão do tempo: março deve ter chuvas acima da média; veja onde!

27-02-2020

O Brasil não registra um mês de fevereiro tão chuvoso desde 2004, de acordo com a Somar Meteorologia. Para março, a previsão do tempo não mostra grandes mudanças: as chuvas se mantém no centro-norte, Sudeste e parte do Nordeste.Em Varginha (MG), choveu o dobro do esperado para fevereiro, com acumulados em torno de 400 milímetros. A precipitação dev...

Leia mais...

Em uma semana, colheita da soja quase dobra no Paraná

27-02-2020

A colheita da no Paraná atinge agora 42% da área de 5,46 milhões de hectares, segundo levantamento do departamento de Economia Rural (Deral). O montante representa quase o dobro do recolhido na semana anterior, quando se estava em 22%. Apenas o município de União da Vitória não iniciou os trabalhos.Na mesma época do ano passado a colheita atingia ...

Leia mais...