12 Outubro 2019

MT: sociedade rejeita privatização de estrada e cobra investimento de imposto

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)


Algumas estradas que cruzam Mato Grosso vivem uma situação caótica e o governo pretende repassar algumas delas para a iniciativa privada, como é o caso da rodovia MT-130, estrada liga dos municípios de Paranatinga e Santiago do Norte.  No entanto, uma audiência pública rejeitou os termos do repasse.

O setor produtivo e a sociedade civil questionam o modelo proposto pelo governo e cobram o retorno dos investimentos com o dinheiro arrecadado pelo Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab). O problema, é que diante deste impasse, caminhoneiros continuam a trafegar por trechos perigosos e que causam prejuízos a cada viagem.  

“Teve um rolamento que estourou na minha carreta e não tive que ir atrás de socorro na cidade. A manutenção foi em torno de R$ 700, o que impacta no frete”, contou o caminhoneiro Brytner Rodrigues de Freitas.

Entre Paranatinga e Santiago do Norte e depois até Gaúcha do Norte, não há pavimentação na MT-130. Nossa equipe percorreu mais de 100 quilômetros na estrada para mostrar a situação precária vivida pelos motoristas. “Buraco, atoleiro e poeira que acaba nos colocando em perigo. A estrada está péssima e para gente só é gasto, ainda mais com óleo diesel subindo cada vez mais e a manutenção do caminhão cada vez mais cara”, reclamou o caminhoneiro.

Impacto no setor produtivo

Os agricultores da região também sentem os impactos do descaso, como é o caso de Ângelo Kochan, que arrendou uma área de 1.200 hectares, que era pasto degradado e se transformou em uma lavoura de soja, onde ele colhe acima de 60 sacos por hectare.

O problema, no entanto, é da porteira para fora. O agricultor reclama que sempre pagou o Fethab na expectativa de que o asfalto chegasse na porta da fazenda, mas essa promessa nunca saiu do papel e prejudicou o avanço da agricultura na região, causando prejuízos no escoamento da safra.

“Desde quando cheguei, o custo da lavoura aumentou cinco sacos por hectare. Se não conseguirmos produzir direitinho, não conseguimos manter o negócio e ainda tem que rezar bastante e ter sorte, porque o custo básico é de 45 sacos no mínimo, mas colocando máquinas e tudo, acaba custando um pouco mais”, contou o produtor. 

Mesmo em trechos pavimentados, como o que liga Paranatinga a Primavera do Leste, a condição não é boa, já que a falta de manutenção deixa a pista com enormes buracos.

De acordo como o presidente do Sindicato Rural de Paranatinga, Thomas Paschoal, é preciso investir o dinheiro arrecadado ao longo dos anos. “O Fethab daria para concluir essa obra, então a gente espera que esse governo possa concluir nesses quatro anos essa manutenção até Primavera do Leste”, disse.

Para driblar a falta de recursos, o governo tenta novas alternativas para melhorar as condições das rodovias. Além das parcerias com a iniciativa privada, outra proposta é a concessão comum, passando para uma iniciativa privada a responsabilidade sobre a manutenção de algumas rodovias.

Foi o que foi estudado para a MT-130, inicialmente para um trecho pavimentado de 140 quilômetros entre Paranatinga e Primavera do Leste, e depois ao Terminal Intermodal de Cargas em Rondonópolis.

“O estudo demonstrou que precisa de um aporte de R$ 320 milhões neste trecho e duas praças de pedágio. Essa licitação tem uma outorga de R$ 1,5 milhão e nós vamos fazer um leilão para essa licitação”,  contou o secretário adjunto de Logística e Concessões de Mato Grosso, Huggo Waterson Lima.

O modelo de concessão, no entanto, foi apresentado em duas audiências públicas com representantes do estado, agricultores, empresários e moradores da região. A primeira foi em Primavera do Leste e a segunda, nesta quinta-feira, 10, em Paranatinga. Nas duas, a proposta foi rejeitada e recebeu críticas dos setores ligados ao agro e demais representantes da sociedade civil.


“O valor inicial a ser cobrado do público é um valor bastante alto e também sou contra duas praças de pedágio, que acaba virando mais um imposto que vai recair sobre os produtos e para quem vai comprar no mercado, uma vez que esse produto vai chegar pelo caminhão e o transportador vai repassar essa fatia”, disse, Cícero Pereira Filho, presidente da Câmara dos vereadores de Paranatinga. 

Debate e insatisfação

Para o agricultor Robson Weber, essa atitude do governo em tentar pedagear a rota mostra uma falta de preocupação com a agropecuária, responsável por gerar riquezas ao estado. “Ele (governo) quer ver essas duas atividades sucumbir no pó, porque taxar, tarifar e por colocar mais cobrança sobre a agricultura e pecuária, isso não condiz com um estado que arrecada mais de um bilhão de Fethab, um dinheiro que deveria ser destinado para as estradas do estado e isso não acontece. Aí decidem tributar, taxar com mais pedágio, em um trecho de 140 quilômetros, sabendo que o trecho de Paranatinga a Santiago é um caos para quem usa essa estrada, então eu acho isso injusto demais”, avaliou. 

A solução para José Nardes, presidente do Sindicato Rural é fazer um “pedágio caipira, com valor máximo de R$ 4 por eixo. “Vamos fazer um pedágio caipira do nosso jeito, se eles derem conta de fazer a R$ 4  cada eixo eu concordo, do contrário eu sou totalmente contra, porque a gente sabe o quanto é um pedágio caro. Vão repassar para a alimentação, para o arroz, para carne, para a soja para tudo, quem vai pagar não é só o produtor rural e sim a população, principalmente a população mais humilde, que não tem boca para reclamar, nós estamos aqui representando essa população e não vamos admitir um pedágio a mais de R$ 4 o eixo”.

 Ao que parece, o debate sobre a concessão ou não da MT-130 ainda vai longe e, enquanto esse impasse não é resolvido, quem sofre são os caminhoneiros, produtores rurais e consumidores que acabam pagando mais caro por causa da tradicional falta de infraestrutura no interior do Brasil.

 


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Boi gordo: mercado tem negócios estáveis e preço atinge R$ 203 em SP

27-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis nesta quinta-feira. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, destaca que o fluxo de negócios seguiu bastante fraco. “Os frigoríficos não conseguem exercer forte pressão de queda neste momento, avaliando a expectativa em relação à primeira quinzena do mês. Os pecuaristas...

Leia mais...

Tensão entre Bolsonaro e Congresso põe em risco agenda de reformas

27-02-2020

O compartilhamento de vídeos que incitam ataques ao parlamento e ao Supremo Tribunal Federal, realizado pelo presidente , causou impacto negativo entre deputados e senadores. Mesmo assim, parlamentares têm se dividido nas reações: enquanto alguns apontam que a ação do presidente se enquadra como Crime de Responsabilidade, outros tentam por panos qu...

Leia mais...

Chuva vai interromper a colheita da soja em Mato Grosso e Goiás

27-02-2020

A colheita da soja segue com ritmo acima da média das últimas cinco safras em Mato Grosso, com 73% da área colhida até 21 de fevereiro, de acordo com o Mas, em relação ao ano passado, os trabalhos de campo estão atrasados – em fevereiro de 2019, o índice estava em 80%.Muitos agricultores ainda estão preocupados com o excesso de chuva no camp...

Leia mais...

Coronavírus já afetou as exportações agrícolas? 7 especialistas respondem

27-02-2020

Muito se fala sobre os efeitos do coronavírus na economia mundial e, consequentemente, na demanda por alimentos. Em meio às incertezas, o dólar chegou a bater R$ 4,50 nesta quinta-feira, 27, com investidores migrando para ativos mais seguros.Mas o Brasil já registrou algum problema nas exportações por conta do surto da doença? O Canal Rural procuro...

Leia mais...

Soja: coronavírus não impactou exportações do Brasil, diz Anec

27-02-2020

De acordo com a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), as exportações de soja do Brasil para China não sofreram impacto na demanda por conta do novo coronavírus.Contudo, segundo levantamento Agências Marítimas, que reportam qual a situação em pelo menos 12 portos brasileiros, em comparação de janeiro de 2020 com o mesmo mês em 2019...

Leia mais...

Carnes: ‘Peste suína africana continua sendo a questão principal’

27-02-2020

A peste suína africana na Ásia ainda é o principal fator a impulsionar as exportações de carnes do Brasil, de acordo com a assessora técnica da Ana Lígia Lenat. “Ainda temos casos sendo reportados na China. A questão é se vamos exportar mais ou menos por conta do coronavírus, mas a demanda continua aquecida”, comenta.Ana Lígia lembra que a China a...

Leia mais...

‘Derivados de leite podem sofrer mais com surto de coronavírus’

27-02-2020

Produtos agroindustriais, como bebidas e derivados de leite, podem sofrer mais com o surto de coronavírus na China, de acordo com o ex-secretário de Política Agrícola do , Benedito Rosa. “Alimentos básicos, essenciais, como arroz, feijão e leite fluido tendem a ter uma queda de consumo menor. Já os alimentos sofisticados sofrem mais, pois a elastic...

Leia mais...

Previsão do tempo: março deve ter chuvas acima da média; veja onde!

27-02-2020

O Brasil não registra um mês de fevereiro tão chuvoso desde 2004, de acordo com a Somar Meteorologia. Para março, a previsão do tempo não mostra grandes mudanças: as chuvas se mantém no centro-norte, Sudeste e parte do Nordeste.Em Varginha (MG), choveu o dobro do esperado para fevereiro, com acumulados em torno de 400 milímetros. A precipitação dev...

Leia mais...

Em uma semana, colheita da soja quase dobra no Paraná

27-02-2020

A colheita da no Paraná atinge agora 42% da área de 5,46 milhões de hectares, segundo levantamento do departamento de Economia Rural (Deral). O montante representa quase o dobro do recolhido na semana anterior, quando se estava em 22%. Apenas o município de União da Vitória não iniciou os trabalhos.Na mesma época do ano passado a colheita atingia ...

Leia mais...