Imprimir esta página
07 Novembro 2019

‘Alta do boi está descontrolada e elevação diária passa de R$ 3’

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O mercado físico do boi gordo segue com preços em forte alta nas principais praças de produção e comercialização do país. “Os preços disparam diante de um quadro latente de restrição de oferta, fator dominante neste segundo semestre, enquanto o aquecimento da demanda também ajuda na compreensão desse movimento”, comenta o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.  

Segundo ele, o movimento de alta está descontrolado na primeira quinzena de novembro, com altas diárias que excedem R$ 3,00 por arroba em algumas regiões do país. “A disputa por animais padrão Europa e permanece acirrada, levando a preços ainda mais acentuados nesse tipo de negociação”, assinalou. 

Em São Paulo, os preços passaram de R$ 176,00 a arroba para R$ 180,00 a arroba. Em Minas Gerais, preços de R$ 175,00 a arroba, contra R$ 170,00 a arroba ontem. 

No Mato Grosso do Sul, os preços subiram de R$ 167,00 a arroba para R$ 171,00 a arroba. Em Goiás, o preço subiu de R$ 166,00 a arroba para R$ 170,00 a arroba em Goiânia. Já no Mato Grosso o preço subiu de R$ 157,00 a arroba para R$ 158,00 a arroba.  

Atacado 

No atacado, os preços da carne bovina seguem firmes. “A expectativa no curto prazo ainda remete a reajustes, em linha com o aquecimento da demanda no decorrer do segundo semestre. A oferta restrita de boi gordo leva a uma situação de enxugamento dos estoques, aumentando a propensão de reajustes da carne bovina no mercado doméstico”, disse Iglesias.  

O corte traseiro teve preço de R$ 14,00 por quilo. A ponta de agulha permaneceu em R$ 9,30 por quilo, enquanto o corte dianteiro seguiu em em R$ 9,40 por quilo. 

Câmbio 

O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,31%, sendo negociado a R$ 4,094 para venda e a R$ 4,092 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,044 e a máxima de R$ 4,103.


Fonte Canal Rural