08 Novembro 2019

Moratória da soja: ‘Tradings não vão comprar de áreas desmatadas após 2008’

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Tradings estão se negando a comprar soja produzida no bioma amazônico mesmo com a apresentação da documentação exigida pelo Código Florestal, relataram produtores do Pará, nesta quinta-feira, 7. De acordo com o presidente da , André Nassar, a negativa das empresas deve-se à moratória da soja.

“É uma política das tradings associadas que a soja produzida no bioma amazônico não pode vir de áreas desmatadas depois de 2008. Se o produtor abriu área depois disso e plantou, nós não vamos comprar dele, mesmo com a autorização de supressão”, diz.

Ele salienta, ainda, que os agricultores não foram pegos de surpresa, já que o programa existe desde 2006. “Fico muito preocupado porque as associações e lideranças estão tentando colocar os produtores contra as tradings. O produtor lá na ponta sabe que a trading é parceira dele, cresce com ele. Temos vários programas de apoio”, frisa o presidente da Abiove.

Nassar diz que é importante entender essa discussão a nível de mercado. “Existe um consumidor lá fora que diz ‘eu não quero soja de área desmatada da Amazônia’. Então, como fornecedores, precisamos cuidar desse mercado. Embora estejamos realmente prejudicando esses produtores que não vendem para nós, estamos garantindo mercado para a soja como um todo”, argumenta.

O presidente da , Bartolomeu Braz, afirma que a entidade entrará com processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a moratória da soja.

Quando a isso, o presidente da Abiove diz que já conversou com a Aprosoja sobre a evolução da moratória da lei. Para isso, segundo ele, é necessário que os produtores que abrem áreas ilegalmente comecem a ser identificados.

“A partir do momento em que isso for possível, vamos abrir um novo diálogo com o mercado consumidor. ‘Vocês querem soja produzida em áreas legais? Ok, está aqui. Querem produtos zero desmatamento? Não tem problema, vocês pagam um prêmio e abrimos uma cadeia de suprimentos para vocês’. É assim que queremos evoluir, mas a Aprosoja opta por entrar em conflito e dividir a cadeia”, finaliza Nassar.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Arroba do boi gordo sobe até R$ 2 e preços da carne bovina batem recorde

14-11-2019

Arroba do boi gordo sobe até R$ 2 e preços da carne bovina batem recorde

A arroba do boi gordo segue com preços em alta no mercado físico, segundo a consultoria Safras. “Os frigoríficos continuam encontrando grande dificuldade na composição de suas escalas de abate, com um quadro de oferta restrita bastante dominante”, comenta o analista Allan Maia.Segundo o especialista, chama atenção a disputa por animais ...

Leia mais...

Produtor monitora evolução das lavouras de soja pelo celular

14-11-2019

Produtor monitora evolução das lavouras de soja pelo celular

Em Rio Brilhante, centro-norte de Mato Grosso do Sul, a tecnologia vem sendo usada para amenizar o impacto das estiagens nas lavouras de , que são mais comuns na região. Com a ajuda do celular dá para acompanhar, a cada semana, como está o desenvolvimento da lavoura e entender o que está dando errado e fazer a correção em tempo.É a terceira safra s...

Leia mais...

Ciclone extratropical provoca chuvas nas regiões Sul e Sudeste

14-11-2019

Ciclone extratropical provoca chuvas nas regiões Sul e Sudeste

A expectativa da formação de um ciclone extratropical em alto mar deve canalizar umidade da Amazônia e reforçar a umidade na região Sul e Sudeste do Brasil nos próximos dias. A chuva se espalha por todas as áreas produtoras de café, com acumulados em torno de 60 mm até o final de semana no Norte do Paraná e São Paulo. Também deverá chover de forma ...

Leia mais...

Aves: EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China

14-11-2019

Aves: EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China

O representante Comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, comemorou a decisão de China de suspender a proibição de importação de carne de aves americana. “Esta é uma ótima notícia para os agricultores da América e para os consumidores da China”, disse, em nota divulgada há pouco.Segundo Lighthizer, com o fim do embargo, exportado...

Leia mais...

Dólar volta a fechar no segundo maior valor desde criação do real

14-11-2019

Em um dia de oscilações no mercado financeiro, a moeda norte-americana voltou a fechar no segundo maior nível da história. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira, 14, vendido a R$ 4,193, com alta de R$ 0,006 (0,15%). A divisa está no segundo maior valor desde a criação do real, só perdendo para a cotação de R$ 4,196 registrada em 13 de setemb...

Leia mais...

Encontro do Brics trouxe mensagem sobre sustentabilidade no setor agrícola

14-11-2019

Encontro do Brics trouxe mensagem sobre sustentabilidade no setor agrícola

Reunidos durante a XI Cúpula do Brics, os chefes de Estado dos cinco países aprovaram a nesta quinta-feira (14) a Declaração de Brasília, com as principais decisões do grupo. Na área da agricultura, o documento reconhece a importância da cooperação entre os países e da gestão sustentável dos recursos naturais e destaca que o comércio no bloco deve ...

Leia mais...

Soja: Chicago atinge menor nível desde 8 de outubro mas reage e fecha em alta

14-11-2019

Soja: Chicago atinge menor nível desde 8 de outubro mas reage e fecha em alta

 A soja fechou esta quinta-feira, 14, com preços mais altos na Bolsa de Chicago. Segundo a consultoria Safras, mais cedo, os contratos futuros atingiram o menor nível desde 8 de outubro, pressionados pelas incertezas sobre um possível acordo entre China e Estados Unidos.“Outro fator de pressão continua sendo a previsão de chuvas no Brasi...

Leia mais...

Fundersul: governo de Mato Grosso do Sul aumenta imposto rodoviário

14-11-2019

O governo de Mato Grosso do Sul publicou nesta quinta-feira, 14, no o aumento do Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul (). O fundo, criado há 10 anos, é uma medida do governador Reinaldo Azambuja para arrecadar recursos para melhorias nas estradas e rodovias estaduais.Com a publicação, o texto aprovado na úl...

Leia mais...

Real depreciado mantém produtos brasileiros atrativos, diz analista

14-11-2019

O dólar chegou a R$ 4,18 esta semana, segundo maior valor desde a criação do real, perdendo apenas para 13 de setembro de 2018, durante as eleições à Presidência, quando o câmbio bateu R$ 4,19. O diretor da ARC Mercosul, Matheus Pereira, diz que depreciação da moeda brasileira frente à americana torna as commodities brasileiros mais atrativas no me...

Leia mais...