Imprimir esta página
17 Novembro 2019

Entidades do agro defendem compra de terras por estrangeiros

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Criar um novo ambiente de negócios com objetivo de atrair investidores estrangeiros, incentivar a geração de emprego e a industrialização do agronegócio no país. Essas são as propostas do projeto de lei 2963/2019, que trata sobre aquisição, posse e arrendamento de terras no Brasil por pessoas físicas e jurídicas estrangeiras. O assunto foi tema do programa Direto ao Ponto deste domingo, 17, que trouxe para o debate o gerente-executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Pablo Cesário, e o diretor-executivo de Mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin.

De acordo com o representante da CNI, a definição de um marco regulatório vai atrair investimentos consideráveis para o país. “A nossa proposta é que as empresas brasileiras, inclusive as que possuem capital estrangeiro, possam comprar terras também”, afirma. Ele defende o fim das barreiras que impedem os municípios de se desenvolverem, especialmente os mais carentes. Hoje, o assunto é tratado apenas por um parecer da Advocacia-Geral da União com uma série de restrições que acabam por inibir o investidor, conforme a visão de Pablo Cesário.

O diretor-executivo da ABPA também é a favor da proposta que tramita no Senado. “O Brasil precisa se abrir para o investimento. As áreas de terras que são utilizadas para a produção de aves, de suínos e de ovos são pequenas, portanto, será muito bem-vindo o investimento. Nós apoiamos, assim como uma série de entidades e a Frente Parlamentar da Agropecuária, fazer o agro cada vez mais forte”, diz Santin.

Água, biomassa, terra arável, energia e alta produção de grãos estão entre os atrativos oferecidos pelo Brasil ao investidor internacional, de acordo com o dirigente da ABPA. “As pessoas podem vir e investir aqui, para a gente dar um salto de qualidade”, afirma.

O texto do projeto de lei cria um novo marco regulatório no que diz respeito às terras e imóveis rurais adquiridas por pessoas e empresas de fora. Para Ricardo Santin, a iniciativa vai beneficiar o setor agrícola no Brasil para que possa agregar valor, gerar empregos e aumentar a qualidade e a quantidade da produção agrícola brasileira. “O importante é que a gente defina um marco legal para esse assunto, que vai trazer, acima de tudo, segurança jurídica para quem está operando e para quem vai vir operar. Esses tipos de cuidados estão sendo tomados, não pode haver fronteiras para os alimentos”, diz.

Santin acredita que, com a definição de regras pelo Parlamento, a economia do país terá a ganhar, porque haverá maior competitividade. “Os nossos produtores conseguem competir com os que estão chegando. É por isso que nós, da ABPA, apoiamos o projeto para a gente chegar num termo legal que nos dê segurança para o investidor estrangeiro e que permita o Brasil ter acesso às vantagens”, atestou.

Pelo projeto, a compra de imóveis rurais por estrangeiros deverá ser aprovada pelo Conselho de Defesa Nacional. A exceção valerá para a aquisição de terras com até 15 módulos fiscais. Mas, para ter direito ao benefício, a condição é que o comprador não tenha outro imóvel rural no país.

Outra garantia prevista no texto é que o Congresso poderá, desde que o Poder Executivo se manifeste previamente e haja consentimento por parte do Conselho de Defesa Nacional, autorizar a compra de imóvel por estrangeiros além dos limites fixados na lei, quando se tratar de projetos voltados para o desenvolvimento. Neste caso, a compra será liberada por meio de decreto legislativo.

Segundo Pablo Cesário,as entidades e as empresas ligadas ao agro estão otimistas com a aprovação do projeto no Senado. “Estamos conversando com cada um dos senadores para mostrar para eles o que é importante. Nós temos certeza de que o parlamento vai entender porque ele pensa e se preocupa com o Brasil”, disse.

O gerente executivo da CNI ainda listou algumas restrições do texto. “Ele limita o investimento por ONG estrangeiras ou até mesmo as brasileiras que tenham financiamento estrangeiro, assim como a participação de fundo soberano”, informou.

O projeto está pronto para votação pelas Comissões de Assuntos Econômicos e de Agricultura do Senado. Após tramitar nas comissões, o texto deve ser apreciado pelo plenário e, se aprovado, segue para análise pela Câmara dos Deputados.


Fonte Canal Rural