13 Fevereiro 2020

Santa Catarina lança programa para incentivar culturas de inverno

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Autoridades de Santa Catarina assinaram nesta quinta-feira, 13, o protocolo que estabelece o Programa de Incentivo às Culturas de Inverno. A solenidade aconteceu durante o 1º Fórum Mais Milho da safra 2019/2020, em Mafra (SC). O objetivo é ampliar a área plantada e a oferta de trigo, cevada e triticale para produção de ração animal.

O estado é o maior produtor de suínos e o segundo colocado na criação de frangos. De acordo com o diretor-executivo do , Jorge Lima, cerca de 34% do Produto Interno Bruto (PIB) catarinense vem da produção de proteína. “Geramos mais de 100 mil empregos diretos e podemos multiplicar isso por sete para contar os empregos indiretos”, comenta.

A pecuária de Santa Catarina é bastante dependente do milho, porém, há um déficit muito grande entre oferta e demanda. Segundo o secretário de Agricultura, Ricardo di Gouvêa, enquanto produz três milhões de toneladas, o estado demanda sete milhões de toneladas.

O cultivo dos grãos de inverno surge como uma das estratégias para suprir o setor. De acordo com o pesquisador Eduardo Caierão, da , apenas 20% da área plantada na safra de verão é utilizada durante o inverno.

A ideia é que nos próximos três anos sejam plantados mais 100 mil hectares de trigo, 10 mil de triticale e 10 mil de cevadas. Gouvêa destaca que os agricultores que participarem do programa terão segurança. “Absorção garantida pelo mercado consumidor, que são as agroindústrias, a preços compatíveis, tendo os valores do milho como balizadores”, afirma.

O vice-presidente da , Glauber Silveira, comenta que a garantia é bastante importante, já que o cultivo de cereais de inverno é bastante arriscado. “Não dá para o produtor plantar sem compromisso de preços”, diz.

Segundo a gerente corporativa de Agropecuária e Nutrição Animal da Seara, Sandra Bonaspetti, das 5,5 milhões de toneladas de trigo produzidas no Brasil na safra 2019, somente 500 mil toneladas foram usadas no consumo animal. “Qualquer que seja o volume, será tremendamente importante”, afirma.

Ela confirma que a indústria pode trabalhar com valores balizados pelo milho. “Se estiver a R$ 40 por saca, terá uma proporção levando em consideração o valor nutricional. É totalmente viável”, diz.

Outro ponto que deve ser implementado é um seguro agrícola que trará conforto para o produtor investir com segurança.

O presidente da , João Carlos Di Domenico, conta que 50% das estruturas de armazenagem do estado ficam ociosas durante seis meses do ano. “Apesar dos cereais de inverno nunca terem apresentado uma grande lucratividade, ajudam a diluir os custos. Além disso, se produzimos como esperado [de 500 a 600 mil toneladas] já ajudaria muito com o déficit de milho”, diz.

Caierão conta que ao não investir nos cereais de inverno, o produtor acaba tendo que lidar com mais custos. “Se ele deixar de cobrir o solo e estruturá-lo, haverá um impacto na safra de verão em caso de seca. Temos a depreciação da estrutura produtiva e o gasto maior com aplicação de herbicidas”, diz.

Sandra Bonaspetti afirma que há sempre uma dúvida se os cereais de inverno podem substituir o milho na cadeia da carne, nutrindo frangos e suínos. “Mas, do ponto de vista técnico, a resposta é sem dúvida. Basta ter disponibilidade para que a agroindústria faça a originação como faz com o milho”, conta.

O pesquisador Eduardo Caierão destaca que o programa não destinará grãos secundários para a produção de ração. “Temos complicadores como micotoxinas que podem impactar os animais”, diz.

De acordo com o especialista, a Embrapa não está trabalhando em cultivares de trigo específicas para ração, pois há trabalhos trabalhos científicos que comprovam que qualquer cereal pode, com o devido equilíbrio nutricional, ser usado na alimentação de animais. “Com o tempo, identificarmos quais são as mais adequadas”.

Bonaspetti explica que se a indústria pudesse fazer um pedido às entidades de pesquisa seria um trigo com menos fibra. “Ele tem valor de proteína superior ao milho, de 12% a 13% contra 7% a 8%, o que é um ponto positivo, e estou falando do trigo usado para panificação, mas tem um teor de amido inferior. O grande problema que desvaloriza é a quantidade de fibra maior, pois frangos e suínos não conseguem digerir tão bem”, diz. Por enquanto, segundo a gerente da Seara, nutricionistas trabalham com enzimas que ajudam na digestão dessa fibra.

O secretário adjunto de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Ricardo Miotto, destaca que o desenvolvimento de cultivares não se faz em dois ou três anos. “E precisamos de alternativas [para suprir a demanda] agora. A base tecnológica não é problema. Comecemos com o que já temos. O que precisamos é de toda base pública e privada para levar assistência técnica e boas práticas, pois sabemos das dificuldades, principalmente por problemas sanitários, enfrentadas pelos cultivos de inverno”, diz.

Di Domenico concorda e destaca que é necessária constância na produção. “Ninguém vai parar uma fábrica por dias para trabalhar com trigo e depois voltar. Precisamos começar o processo para deslanchar com o tempo”, defende.

Segundo o pesquisador da Embrapa Eduardo Caierão, na próxima semana, a entidade sentará com uma cooperativa e uma agroindústria para fechar o fornecimento de 10 mil toneladas.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

‘Retenção de fêmeas influenciará preço da arroba do boi gordo em 2020’

22-02-2020

A aposta que 2020 será o segundo ano consecutivo com retenção de fêmeas, principalmente pelo bom momento dos preços do bezerro. “Quando falamos disso, significa que menos animais irão para o gancho, porque uma categoria participará menos. Isso deve afetar o cenário geral de oferta de carne neste ano”, diz o analista de mercado Hyberville Neto.Para...

Leia mais...

Você viu? Bagres são resgatados na capital de SP após enchente

22-02-2020

São Paulo registrou o segundo dia mais chuvoso de sua história na última semana. A capital paulista viu pontos importantes, como a , alagarem. No dia, 11, quando a água baixou, pesquisadores do Instituto de Pesca tiveram uma surpresa: quatro bagres da espécie clarias gariepinus foram encontrados no Aeroclube de São Paulo.Essa foi a notícia mais lid...

Leia mais...

Soja: veja o que pode mexer com os preços na semana que vem

22-02-2020

A soja teve uma semana de altos e baixos. A posição março de 2020 terminou a sexta-feira, 23, cotada a a US$ 8,90 1/2 por bushel, recuo de 0,36% na semana. De acordo com a consultoria Safras, as fracas exportações dos Estados Unidos ditaram o pregão.Mas o que está por vir na próxima semana? O analista de mercado Gil Barabach elencou os principais p...

Leia mais...

Boi gordo: proximidade do Carnaval reduziu negociações nesta sexta

21-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, disse que o dia foi extremamente lento em termos de volume negociado, algo que era amplamente esperado diante do Carnaval que começou hoje mesmo em muitas cidades. “Sob o ponto de vista fundamental, fica a expectativa do retorno...

Leia mais...

Boi gordo: proximidade do Carnaval reduziu negociações nesta sexta

21-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, disse que o dia foi extremamente lento em termos de volume negociado, algo que era amplamente esperado diante do Carnaval que começou hoje mesmo em muitas cidades. “Sob o ponto de vista fundamental, fica a expectativa do retorno...

Leia mais...

Vale a pena tomar crédito rural neste momento? Economista dá dicas

21-02-2020

Os bancos privados respondem por 32% das transações de crédito rural, aponta relatório do Banco Central. A expectativa é que o volume de negócios chegue a R$ 13,7 bilhões até o fim de 2020, com juros variando de 3% a 10,5% ao ano.Com essa facilidade, instituições financeiras de outros países também estão aproveitando o nicho aberto no Brasil e ofer...

Leia mais...

Vale a pena tomar crédito rural neste momento? Economista dá dicas

21-02-2020

Os bancos privados respondem por 32% das transações de crédito rural, aponta relatório do Banco Central. A expectativa é que o volume de negócios chegue a R$ 13,7 bilhões até o fim de 2020, com juros variando de 3% a 10,5% ao ano.Com essa facilidade, instituições financeiras de outros países também estão aproveitando o nicho aberto no Brasil e ofer...

Leia mais...

Milho: com estiagem, cidades do RS já registram perdas de 45% na safra

21-02-2020

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater/RS) divulgou nesta quinta-feira, 20, um relatório de estimativa de perdas e estiagem no estado. O levantamento mostra que o baixo volume de chuvas prejudicou a safra de milho. De acordo com a Emater/RS, a colheita do cereal já prossegue em todas as regiões e praticamente...

Leia mais...

Arroba do boi gordo acima de R$ 200? Veja a tendência para março

21-02-2020

A arroba do boi gordo voltou a subir em fevereiro, após um período mais fraco em janeiro devido à demanda mais enxuta. De acordo com o analista de mercado Leandro Bovo, da , o movimento é comum. “Este mês voltaram as aulas e o mercado começou a ganhar dinâmica. O Carnaval reduz os dias de abate e também apresenta um consumo maior. A demanda melhoro...

Leia mais...