13 Fevereiro 2020

‘Grupo propõe taxar carnes na Europa com argumentos questionáveis’

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A Coalizão Por Um Preço Justo de Proteínas Animais (TAPCC, na sigla em inglês), formada por 30 empresas da Holanda, apresentou ao parlamento europeu uma proposta para tributar as carnes consumidos nos países do bloco. Segundo o presidente do grupo, Jeroom Remmers, europeus consomem 50% mais carne do que o recomendável.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Remmers disse que a campanha não é contra o Brasil, maior exportador de carne bovina e de frango do mundo, mas em favor do consumo de proteínas vegetais.

De acordo com o sócio-diretor da Radar Investimentos, Leandro Bovo, a campanha do grupo não traz impactos no curto prazo. “Este caso específico, como na maioria das vezes, é baseado em argumentos questionáveis, senão errados. E a gente sabe que em um livre mercado é muito difícil o governo taxar produtos e ter um resultado positivo”, diz.

Benedito Rosa, ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, afirma que esse é mais um movimento de entidades que defendem interesses de criadores europeus. “A produção nos moldes do Brasil, com pastagens abundantes, custa um terço. Então é normal que produtores da Irlanda, Alemanha, França e Holanda procurem pretextos para dificultar”, comenta.

Segundo Benedito Rosa, esses grupos estão ficando em argumentos e estão apelando para o lado ambiental “para acusar o Brasil de desmamar a Amazônia, fazer pastagens e depois vender”. Ele acrescenta que se os europeus dificultarem, haverão outros mercados. “Se esses restrições nos atrapalharem, não será muito”.

O Ministério da Agricultura informou nesta quinta-feira, 13 que se prepara para reivindicar a reabertura do mercado europeu para o pescado brasileiro. De acordo com a pasta, soluções para controle higiênico-sanitário da cadeia produtiva estão sendo tomadas para garantir adequação às normas da Europa.

Para isso, o ministério ressalta que é fundamental a manifestação de empresas, armadores e representantes do setor interessados em exportar para o bloco, solicitando a habilitação de embarcações pesqueiras.

“É muito importante também que os pescadores preencham os formulários e ajudem no monitoramento. Não creio que acontecerá em poucos meses, mas talvez no segundo semestre”, estima Benedito Rosa.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

‘Retenção de fêmeas influenciará preço da arroba do boi gordo em 2020’

22-02-2020

A aposta que 2020 será o segundo ano consecutivo com retenção de fêmeas, principalmente pelo bom momento dos preços do bezerro. “Quando falamos disso, significa que menos animais irão para o gancho, porque uma categoria participará menos. Isso deve afetar o cenário geral de oferta de carne neste ano”, diz o analista de mercado Hyberville Neto.Para...

Leia mais...

Você viu? Bagres são resgatados na capital de SP após enchente

22-02-2020

São Paulo registrou o segundo dia mais chuvoso de sua história na última semana. A capital paulista viu pontos importantes, como a , alagarem. No dia, 11, quando a água baixou, pesquisadores do Instituto de Pesca tiveram uma surpresa: quatro bagres da espécie clarias gariepinus foram encontrados no Aeroclube de São Paulo.Essa foi a notícia mais lid...

Leia mais...

Soja: veja o que pode mexer com os preços na semana que vem

22-02-2020

A soja teve uma semana de altos e baixos. A posição março de 2020 terminou a sexta-feira, 23, cotada a a US$ 8,90 1/2 por bushel, recuo de 0,36% na semana. De acordo com a consultoria Safras, as fracas exportações dos Estados Unidos ditaram o pregão.Mas o que está por vir na próxima semana? O analista de mercado Gil Barabach elencou os principais p...

Leia mais...

Boi gordo: proximidade do Carnaval reduziu negociações nesta sexta

21-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, disse que o dia foi extremamente lento em termos de volume negociado, algo que era amplamente esperado diante do Carnaval que começou hoje mesmo em muitas cidades. “Sob o ponto de vista fundamental, fica a expectativa do retorno...

Leia mais...

Boi gordo: proximidade do Carnaval reduziu negociações nesta sexta

21-02-2020

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, disse que o dia foi extremamente lento em termos de volume negociado, algo que era amplamente esperado diante do Carnaval que começou hoje mesmo em muitas cidades. “Sob o ponto de vista fundamental, fica a expectativa do retorno...

Leia mais...

Vale a pena tomar crédito rural neste momento? Economista dá dicas

21-02-2020

Os bancos privados respondem por 32% das transações de crédito rural, aponta relatório do Banco Central. A expectativa é que o volume de negócios chegue a R$ 13,7 bilhões até o fim de 2020, com juros variando de 3% a 10,5% ao ano.Com essa facilidade, instituições financeiras de outros países também estão aproveitando o nicho aberto no Brasil e ofer...

Leia mais...

Vale a pena tomar crédito rural neste momento? Economista dá dicas

21-02-2020

Os bancos privados respondem por 32% das transações de crédito rural, aponta relatório do Banco Central. A expectativa é que o volume de negócios chegue a R$ 13,7 bilhões até o fim de 2020, com juros variando de 3% a 10,5% ao ano.Com essa facilidade, instituições financeiras de outros países também estão aproveitando o nicho aberto no Brasil e ofer...

Leia mais...

Milho: com estiagem, cidades do RS já registram perdas de 45% na safra

21-02-2020

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater/RS) divulgou nesta quinta-feira, 20, um relatório de estimativa de perdas e estiagem no estado. O levantamento mostra que o baixo volume de chuvas prejudicou a safra de milho. De acordo com a Emater/RS, a colheita do cereal já prossegue em todas as regiões e praticamente...

Leia mais...

Arroba do boi gordo acima de R$ 200? Veja a tendência para março

21-02-2020

A arroba do boi gordo voltou a subir em fevereiro, após um período mais fraco em janeiro devido à demanda mais enxuta. De acordo com o analista de mercado Leandro Bovo, da , o movimento é comum. “Este mês voltaram as aulas e o mercado começou a ganhar dinâmica. O Carnaval reduz os dias de abate e também apresenta um consumo maior. A demanda melhoro...

Leia mais...