04 Julho 2020

Pantanal: estiagem pode deixar gado sem água e já prejudica agricultura

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A estiagem prolongada mudou o cenário do Pantanal mato-grossense e o momento é de preocupação com o risco de danos ambientais, à população e aos produtores rurais. O município de Poconé, por exemplo, é considerado a porta de entrada do pantanal no estado e já decretou estado de emergência.

Um dos principais cartões postais da região, a Baía do Cavalo Marinho, reflete a dura estiagem que castiga o Pantanal. Costumava ter mais de dois metros de profundidade, mas atualmente está praticamente vazio.

O pecuarista Vanderley Volpatto é proprietário de uma fazenda com 4 mil hectares e relembra que o período das águas em 220 ocorreu em maio, com cerca de 60 milímetros de chuva. Volume insuficiente para evitar prejuízos causados pela seca.

“O pantaneiro é acostumado com água nativa, natural, do corixo. Esses corixos não encheram, então não temos água e teremos que furar poços semi-artesianos. Vamos ter um gasto com poço, bomba pileta, placa solar, tudo vai custos e o nosso lucro vai diminuir, e a consequência não vai ser só esse ano o prejuízo, ano vindouro, porque a bezerra de recria não vai desenvolver, a vaca que vai amamentar e iria dar um bezerro bom, não vai ter esse bezerro, e o score dessa vaca não vai ser bom para ela entrar em cio, para vida reprodutiva de novo. É preocupante, porque o pantaneiro tem compromisso, tem dívida em banco, compromisso em fazenda, então não vamos ter essa produção esperada”, lamentou o pecuarista.

De acordo com o presidente do sindicato rural de Poconé, Arlindo Márcio Morais, há preocupação com a falta de água para as criações. “Esse ano não teve a enchente natural que é para ter todos os anos. O pessoal já está na preocupação de água para fornecer para os seus gados, tendo que fazer investimentos com poços artesianos nas propriedades e já trabalhando os aceiros, prevendo já fogo adentrar as propriedades”, disse.

Ele alerta que o prejuízo na temporada será grande para muitos produtores. “Tivemos antecipação da seca e os produtores estão tendo que suprir com ração e suplementos minerais para não ter mais perdas e, no Pantanal, a preocupação com o gado que pode morrer atolado com as águas que vão baixando”, completou.

“Esse período era para ser um período de cheia ainda no nosso município, era para estar começando a vazante a gente ainda iria ter água em abundância, mas esse ano não foi possível acontecer, não tivemos a chuva suficiente para encher os nossos pântanos para ficar alagados trazendo problemas imensuráveis para os pecuaristas, muitos dos seus gados não têm onde matar a sede através dos bebedouros artificiais. Isso não era realidade nesse período do ano ainda”, disse a secretária municipal de Meio Ambiente de Poconé, Danielle Assis.

E não são apenas os 80% da área preservada do Pantanal que sentem as consequências da seca. Os outros 20% das consideradas partes altas, onde a agricultura integrada com a pecuária recupera pastagens degradadas em 12 mil hectares, também sofrem com a falta d’água.

“Em 2019, nós tivemos pouca chuva. Agravando o que vivemos agora em 2020, com inúmeros prejuízos à produtividade da lavoura de soja, que já não foi igual à do ano passado, com a safra já está tendo perdas e as pastagens secando”, disse Arlindo.

A fazenda Lagoa Dourada foi uma das propriedades prejudicadas pela estiagem. Nela, a produtividade caiu muito nos 1.700 hectares de soja colhidos nesta safra. A média final ficou em 38 sacas por hectare, volume muito abaixo do esperado pelo agricultor, que investiu para colher pelo menos 76 sacas por hectare.

“A seca persistiu durante o ano de 2019 e, quando chegou a época de chover que era em novembro, dezembro e em janeiro as chuvas já foram muito poucas. Nós atravessamos a safra, choveu em torno de 700 milímetros durante todo o período, e como a gente estava com solo com pouca saturação de água, tivemos altas perdas por causa da alta temperatura dentro do ciclo reprodutivo dentro do florescimento da soja, tivemos perda de 40%, 50% e até 70% de perdas de produtividade a média da região, não passou de 36 sacas, em alguns talhões onde essa seca pegou nós colhemos 16 sacos, mas em talhões teve área que fechamos com 18 sacos de média, e agora estamos preocupados com a pecuária, aqueles que não têm um pasto bem corrigido, bem adubado, já estão sofrendo hoje. O Pantanal não encheu, e tem relatos de fazenda já sem água para o gado e as pessoas estão furando poços para poder fornecer água para os animais”, disse o agricultor Raul Santos Costa Neto.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Produção do milho segunda safra deve se aproximar de recorde de 73,5 mi de toneladas

07-08-2020

Apesar do atraso do início do plantio e a seca em alguns estados, a produção de milho segunda safra no Brasil deve chegar perto do recorde de 73,5 milhões de toneladas. Os bons preços do grão estimularam o aumento de quase 3% da área plantada, o que acabou compensando as perdas causadas pela estiagem na região Sul.Entre os principais produtores de ...

Leia mais...

Brasil vai pedir à OIE que Rio Grande do Sul vire zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

Nesta semana, o estado passou por uma auditoria para checar se as demandas feitas em janeiro foram atendidas. Na quinta, 6, a superintendente do ministério no Rio Grande do Sul, Helena Rugeri, adiantou que 77% das solicitações foram cumpridas.Além do Rio Grande do Sul, o governo pedirá a certificação do status sanitário para o estado do Paraná e ta...

Leia mais...

Dólar deve chegar a R$ 5,60 até o fim de agosto, aposta Daoud

07-08-2020

O dólar operou em alta ao longo desta semana, de olho novamente nas tensões comerciais entre China e Estados Unidos. No pregão desta sexta-feira, 7, a moeda norte-americana chegou a atingir R$ 5,40.O comentarista do Canal Rural Miguel Daoud afirma que a disputa entre as duas potências econômicas e a queda de juros têm certa influência na alta do dó...

Leia mais...

Governo pedirá à OIE o reconhecimento do Paraná como zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará, até a próxima sexta-feira, 14, a formalização do pedido de reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação, para o estado do Paraná, junto à Organização Mundial de Saúde Animal (em inglês, OIE). O estado está sem o uso e a comercialização da vacina contra febre aftos...

Leia mais...

Governo pedirá à OIE o reconhecimento do Paraná como zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará, até a próxima sexta-feira, 14, a formalização do pedido de reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação, para o estado do Paraná, junto à Organização Mundial de Saúde Animal (em inglês, OIE). O estado está sem o uso e a comercialização da vacina contra febre aftos...

Leia mais...

Cooperativismo em Notícia vai abordar o vazio sanitário da soja em SC

07-08-2020

O Cooperativismo em Notícia deste sábado, 8, abordará uma batalha judicial que, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (FecoAgro/SC) é injustificável e pode trazer enormes problemas para a agricultura do estado. Além disso, o programa também destacará o Balanço Social da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rura...

Leia mais...

Cooperativismo em Notícia vai abordar o vazio sanitário da soja em SC

07-08-2020

O Cooperativismo em Notícia deste sábado, 8, abordará uma batalha judicial que, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (FecoAgro/SC) é injustificável e pode trazer enormes problemas para a agricultura do estado. Além disso, o programa também destacará o Balanço Social da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rura...

Leia mais...

Mourão: Sistemas para monitorar Amazônia usados em apoio ao governo ‘não são os melhores’

07-08-2020

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira, 7, que o Estado brasileiro deve cumprir seu papel de proteção e desenvolvimento da Amazônia, mas que há muito desencontro sobre as informações de desmatamento na região, já que os sistemas de monitoramento, utilizados no apoio às decisões do governo, “não são os melhores” e “se ressentem de...

Leia mais...

Mourão: Sistemas para monitorar Amazônia usados em apoio ao governo ‘não são os melhores’

07-08-2020

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira, 7, que o Estado brasileiro deve cumprir seu papel de proteção e desenvolvimento da Amazônia, mas que há muito desencontro sobre as informações de desmatamento na região, já que os sistemas de monitoramento, utilizados no apoio às decisões do governo, “não são os melhores” e “se ressentem de...

Leia mais...