31 Julho 2020

Precocidade sexual de novilhas pode representar o futuro da pecuária brasileira

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE), o Brasil possui um rebanho bovino de 213,5 milhões cabeças distribuídas em 164,70 milhões de hectares, com taxa de lotação média de 0,7 (Unidade Animal (UA) por hectare, sendo 80% destas cabeças sendo de boi Zebu, por apresentarem melhor adaptação às condições climáticas.

Apesar da elevada extensão territorial, condições ambientais favoráveis e dieta baseada em pastagens que favorece a produção de carne, o Brasil apresenta taxa de desfrute muito abaixo dos outros importantes países produtores de carne.

Dito isso, Juliana Corrêa, médica veterinária e pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) acredita que a precocidade sexual de novilhas Nelore faz parte do futuro da pecuária brasileira, visto que o aumento da eficiência da pecuária está diretamente ligado à redução da idade ao primeiro parto, e redução do intervalo de partos.

De acordo com o boletim da Centro de Inteligência da Carne Bovina (Cicarne), a produção de carne bovina aumentou 146,4% em 22 anos, tendo saído de 3,3 milhões de toneladas em 1997 para 8,2 milhões de toneladas em 2019. Nesse mesmo ritmo ocorre o aumento das exportações, sendo que, nos 12 anos finais do tempo analisado, entre 2007 e 2019, o crescimento foi de 22,8%.

Segundo a pesquisadora, o mercado internacional sinaliza que o Brasil será o grande abastecedor de carne bovina para a crescente demanda mundial, sendo assim, será preciso aumentar sua produção em quantidade e qualidade, ou seja, precisará cada vez mais de novilhas mais precoces para suprir as demandas internas e externas da carne.

“A precocidade é uma característica unânime nos diferentes setores de produção como um dos mais importantes parâmetros de escolha para melhoria da qualidade da carne e de eficiência de sistemas de produção de bovinos de corte. Por isso, há grande interesse econômico em se obter a entrada das fêmeas à idade reprodutiva e, consequentemente, ao ciclo de produção, seja pela produção de bezerros ou de carne”, diz Juliana.

Reduzir a idade para a entrada à reprodução, de 36 para 24 meses, como a maioria das regiões marginais para onde a cria está se deslocando, ou de 24 para 14 meses, em sistemas mais intensificados, potencializaria os índices produtivos e resultaria em aumento de arroba produzida por hectare, segundo a médica.

“Não é um processo tão simples quanto parece, pois atrelado a essa precocidade está à intensificação do processo, principalmente, nas questões reprodutivas, nutricionais e genéticas, todas interagindo com o benefício/custo. Ou seja, precocemente introduzir fêmeas na idade reprodutiva é interessante se for possível e sustentável”, afirma a pesquisadora.

De acordo com Juliana, por conta destes fatores, a demanda do setor produtivo é grande, seja para produtor comercial, genética, cria ou de ciclo completo, em relação às soluções dos fatores que influenciam negativamente à adoção do processo de redução da idade à reprodução, como:

Essas questões mostram que a tomada de decisão para a redução da idade para reprodução depende de vários fatores dentro de um sistema de produção.

A pesquisadora da Embrapa afirma que não é possível olhar isoladamente para os protocolos hormonais de indução de precocidade e de inseminação artificial em tempo fixo  como solução dos problemas para alcançar a precocidade, se não for oferecido condições nutricionais para o desenvolvimento das novilhas com certeza haverá limitação no desenvolvimento e desempenho do animal.

“Se cuidarmos com atenção dessa fêmea e dermos condições nutricionais adequadas, com protocolos reprodutivos adequados, juntamente com o uso correto da genética e do manejo nutricional, estaremos andando no rumo certo para alcançar a sustentabilidade do sistema e escrever novos capítulos na história da pecuária brasileira”, finaliza Juliana.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Carne bovina: quase 60% das exportações de julho foram para a China

08-08-2020

As exportações de carne bovina in natura e processada no acumulado do ano até julho soma 1,103 milhão de toneladas, 10% acima das 999.177 toneladas de igual período de 2019, conforme a A receita nesse intervalo cresceu 25%, para US$ 4,7 bilhões.O resultado se deve à China. “No acumulado até julho as compras chinesas que ingressaram pela cida...

Leia mais...

Confira a tendência para o mercado da soja na semana que vem

08-08-2020

A consultoria Safras & Mercado preparou um relatório especial com os principais pontos que podem influenciar os preços da soja na Bolsa de Chicago e, consequentemente, no Brasil. Além da pandemia de Covid-19, que segue no radar do mercado, players também estão de olho nos números da temporada americana e nas tensões entre Estados e China, que p...

Leia mais...

Produção do milho segunda safra deve se aproximar de recorde de 73,5 mi de toneladas

07-08-2020

Apesar do atraso do início do plantio e a seca em alguns estados, a produção de milho segunda safra no Brasil deve chegar perto do recorde de 73,5 milhões de toneladas. Os bons preços do grão estimularam o aumento de quase 3% da área plantada, o que acabou compensando as perdas causadas pela estiagem na região Sul.Entre os principais produtores de ...

Leia mais...

Brasil vai pedir à OIE que Rio Grande do Sul vire zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

Nesta semana, o estado passou por uma auditoria para checar se as demandas feitas em janeiro foram atendidas. Na quinta, 6, a superintendente do ministério no Rio Grande do Sul, Helena Rugeri, adiantou que 77% das solicitações foram cumpridas.Além do Rio Grande do Sul, o governo pedirá a certificação do status sanitário para o estado do Paraná e ta...

Leia mais...

Dólar deve chegar a R$ 5,60 até o fim de agosto, aposta Daoud

07-08-2020

O dólar operou em alta ao longo desta semana, de olho novamente nas tensões comerciais entre China e Estados Unidos. No pregão desta sexta-feira, 7, a moeda norte-americana chegou a atingir R$ 5,40.O comentarista do Canal Rural Miguel Daoud afirma que a disputa entre as duas potências econômicas e a queda de juros têm certa influência na alta do dó...

Leia mais...

Governo pedirá à OIE o reconhecimento do Paraná como zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará, até a próxima sexta-feira, 14, a formalização do pedido de reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação, para o estado do Paraná, junto à Organização Mundial de Saúde Animal (em inglês, OIE). O estado está sem o uso e a comercialização da vacina contra febre aftos...

Leia mais...

Governo pedirá à OIE o reconhecimento do Paraná como zona livre de aftosa sem vacinação

07-08-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará, até a próxima sexta-feira, 14, a formalização do pedido de reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação, para o estado do Paraná, junto à Organização Mundial de Saúde Animal (em inglês, OIE). O estado está sem o uso e a comercialização da vacina contra febre aftos...

Leia mais...

Cooperativismo em Notícia vai abordar o vazio sanitário da soja em SC

07-08-2020

O Cooperativismo em Notícia deste sábado, 8, abordará uma batalha judicial que, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (FecoAgro/SC) é injustificável e pode trazer enormes problemas para a agricultura do estado. Além disso, o programa também destacará o Balanço Social da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rura...

Leia mais...

Cooperativismo em Notícia vai abordar o vazio sanitário da soja em SC

07-08-2020

O Cooperativismo em Notícia deste sábado, 8, abordará uma batalha judicial que, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (FecoAgro/SC) é injustificável e pode trazer enormes problemas para a agricultura do estado. Além disso, o programa também destacará o Balanço Social da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rura...

Leia mais...