04 Agosto 2020

Crédito rural: especialistas dão dicas de como melhorar a gestão financeira da propriedade

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Tomar crédito rural ou usar recurso próprio? Como saber o momento certo e o volume de crédito para adquirir produtos? Para ajudar a acabar com as dúvidas do produtor rural sobre a gestão financeira da propriedade, o programa Economia 360 fez uma live com especialistas nesta segunda-feira, 3, reunindo um time de especialistas em crédito rural.

Grande parte da população do Brasil enfrenta dificuldades ao lidar com o dinheiro que tem disponível: uma pesquisa da Serasa Experian mostrou que, no ano passado, nada menos do que 48% dos brasileiros não controlavam o orçamento e estavam inadimplentes. Mesmo entre os 52% restantes, pouco mais de dois terços controlavam os gastos conforme o planejamento. Nesse contexto, uma indicação fundamental do gerente de complexo Agro do Santander Brasil, Olavo Monteiro Neto, é separar as finanças pessoais das finanças da lavoura.

Precisamos entender o quanto entra de dinheiro e o quanto é gasto. É preciso falar de dinheiro também – o fluxo de caixa não deve ser um tabu. E precisamos estabelecer metas de curto, médio e longo prazo e ainda listar despesas”, indica Monteiro Neto.

Segundo ele, um custo pode ser classificado como essencial, não essencial ou como desperdício. O especialista afirma que os não essenciais, como, por exemplo, gastos em restaurantes ou internet mais rápida, precisam ser revistos. Além disso, é preciso avaliar a situação financeira como deficitária, neutra ou superavitária.

O modelo deficitário ocorre quando os gastos superam os ganhos. “Nesse modelo, é preciso priorizar o pagamento de dívidas mais caras e, se houver necessidade, sentar com o banco credor e renegociá-las”, diz o representante do Santander. Na situação de neutralidade, há um equilíbrio, porém, a pessoa não consegue fazer uma reserva para os momentos de crise, como a atual, por exemplo.

Já no modelo superavitário, o indivíduo recebe mais do que gasta, e, com isso, consegue fazer reservas. Monteiro Neto reforça a importância de reservas de liquidez, de projetos e de aposentadoria. “A reserva de liquidez ajuda naquela conta que não estava no cronograma, já a de projetos contribui para a compra de um carro, apartamento ou até mesmo uma fazenda e a de aposentadoria irá ajudar no futuro”, completa.

O economista e consultor em gestão de propriedade rural Rogério de Melo Bastos estima que, na área rural, cerca de 90% dos produtores desconsideram o uso de ferramentas de gestão.

O especialista dá três dicas de apoios importantes para ajudar a identificar a solidez do negócio:

“Devido à estrutura patrimonial, os produtores têm condições de absorver uma tomada de crédito elevada, pelo valor patrimonial que pode ser dado como garantia. Por isso, é preciso ter cuidado e o crédito deve ser algo para alavancar o negócio, dar oportunidade de crescimento. Os agricultores precisam se apropriar minimamente da ciência econômica”, aponta Bastos.

O economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Antônio da Luz, reforça que a falta de uma gestão financeira eficiente pode levar a decisões equivocadas e, consequentemente, impactar a rentabilidade e até mesmo a sobrevivência do negócio. “Crédito rural é como medicamento: na dose equivocada, ao invés de fazer bem, começa a fazer mal para o
negócio”, afirma.

O economista reitera a importância da alavancagem operacional. A alavancagem é o quanto a pessoa toma de capital de terceiros para cobrir as despesas anuais.

“Se você negociar 70% desse valor com recursos de terceiros, eu diria que você está no limite da alavancagem operacional. Já num segundo cenário, temos uma alavancagem de 90% e taxa de capital próprio de 10% dentro do negócio; dessa forma, o produtor assume o risco inteiro, por isso temos tanto endividamento no setor”, diz o especialista.

Antônio da Luz também alerta que a redução da alavancagem para algo entre 45% e 50% ainda permite a aquisição de crédito rural, a participação do sistema financeiro no negócio, só que com pagamento de taxas de juros menores. “Para crescer o negócio, aumentar a área plantada, é preciso de níveis de alavancagem saudáveis”, pondera o economista.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

MT: lentidão na regularização fundiária dificulta acesso ao crédito

21-09-2020

Itanhangá é uma cidade do médio norte de Mato Grosso que foi emancipada através de um projeto de assentamento. Atualmente, o município tem uma população de 9 mil habitantes, entre eles, mais de 1.100 famílias que dependem exclusivamente da renda da agricultura familiar e a mais de 25 anos lutam pela regularização fundiária do município.“Foram mais ...

Leia mais...

Boi gordo: preços avançam no centro-norte, diz Safras

21-09-2020

O mercado físico do boi gordo inicia a semana com continuidade do movimento de alta no centro-norte do país. O movimento nas demais regiões ocorreu de maneira mais cadenciada. No mercado paulista a percepção é que está mais fácil a composição das escalas com boiadas de outras regiões produtoras. A oferta local permanece muito restrita.Segundo o ana...

Leia mais...

“Indicação de Trump à Suprema Corte pode ter efeito contrário nas urnas”

21-09-2020

A semana deve ser tumultuada com a corrida pela presidência dos Estados Unidos. O atual presidente, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 21, faltando 50 dias para eleições, que deve indicar um novo nome para assumir a vaga da Suprema Corte que ficou vazia após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg, na última sexta-feira.A declaração provocou ...

Leia mais...

Alta dos alimentos: governo pode taxar exportações, afirma Daoud

21-09-2020

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro, se reuniu nesta segunda-feira, 21, com objetivo de buscar de mecanismos para controlar a inflação e a alta no preço dos alimentos. Na avaliação de Miguel Daoud, comentarista do Canal Rural, o preço dos alimentos deve continuar subindo, mas isso não significa que o governo deve pensar em tributação.“N...

Leia mais...

Atraso no plantio da soja pode resultar na falta do grão em janeiro, diz analista

21-09-2020

A estiagem em algumas regiões do Brasil está fazendo com que os sojicultores adiem o plantio da soja, sobretudo no Centro-Oeste brasileiro. No entanto, essa notícia gera uma preocupação no mercado por causa de contratos que já foram fechado.Segundo o analista de mercado Luiz Pacheco, da T$F Agroeconomia, o aumento pela demanda de carnes brasileiras...

Leia mais...

Preços em queda prejudicam vendas do algodão no mercado interno

21-09-2020

O preço do algodão continua a cair no mercado interno, em função da maior oferta da fibra, mesmo com demanda levemente mais firme por parte das fiações, aponta análise feita pela .O Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, registra uma baixa de 5,9% nos últimos 30 dias, cotado a R$ 3,10/libra-peso, mas com altas acumulada...

Leia mais...

Mapa confirma proibição de uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22

21-09-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou na noite desta segunda-feira 21 a proibição do uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22.Por meio de nota, o Mapa informou que dará início ao procedimento de cancelamento do registro dos produtos à base de Paraquat e adotará as providencias necessárias para o cumprimento ...

Leia mais...

Açúcar: Bolsonaro afirma que Brasil terá cota extra de 80 mil t no mercado dos EUA

21-09-2020

O presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais nesta segunda-feira, 21, a informação de que o governo dos Estados Unidos comunicou o Itamaraty de que o Brasil receberá uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar no mercado americano.“Trata-se já do primeiro resultado da recém-abertas negociações Brasil-EUA para o setor de açúcar e álco...

Leia mais...

Soja segue em alta no Brasil e saca chega a R$ 156

21-09-2020

Os preços da oleaginosa dispararam no mercado interno, mesmo com as perdas observadas na Bolsa de ChicagoPor Canal RuralCom o dólar encostando em R$ 5,50 durante esta segunda-feira, 21, os preços da soja ignoraram a realização de lucros de Chicago e dispararam no mercado interno. Houve indicação de saca a R$ 156 no interior do Rio Grande do Sul par...

Leia mais...