07 Agosto 2020

Mourão: Sistemas para monitorar Amazônia usados em apoio ao governo ‘não são os melhores’

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira, 7, que o Estado brasileiro deve cumprir seu papel de proteção e desenvolvimento da Amazônia, mas que há muito desencontro sobre as informações de desmatamento na região, já que os sistemas de monitoramento, utilizados no apoio às decisões do governo, “não são os melhores” e “se ressentem de uma melhor qualidade”.

“Os satélites que nós temos são ótimos, que não enxergam durante o período das chuvas e de nuvens. Precisamos avançar para ter uma tecnologia radar, termos aeronaves não tripuladas de melhor nível e que possam manter um acompanhamento da situação da cobertura vegetal com melhor qualidade do que só pura e simplesmente a imagem satelital”, disse, durante encontro virtual promovido pela FSB Comunicação. Mourão preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal.

Em entrevista recente, o vice-presidente também lembrou que o desflorestamento e as queimadas na Amazônia vêm sofrendo uma escalada desde 2012 e atingiu um pico no ano passado, o que motivou as críticas e pressões internacionais. A previsão de Mourão para o desmate neste ano é semelhante ao do ano passado. No período de agosto de 2018 a julho de 2019, o desmatamento da Amazônia Legal foi estimado em 9.762 quilômetros quadrados (km²), um aumento de quase 30% em relação ao período anterior, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Já para as queimadas, a expectativa de Mourão é de redução. A meta do governo para os meses mais críticos, entre agosto e outubro, é que os incêndios fiquem abaixo da média histórica, em torno de 3 mil a 4 mil focos de calor por mês. De acordo com o vice-presidente, além da proibição do uso de fogo em áreas rurais, as Forças Armadas vão prosseguir com a Operação Verde Brasil, para coibir queimadas criminosas.

Mourão e o ex-ministro da Defesa Aldo Rebelo, também relator do Código Florestal, participaram do encontro virtual para discutir as críticas, as pressões internacionais e os desafios enfrentados pelo Brasil nas políticas para a Amazônia e o meio ambiente.

Ambos acreditam que é preciso tratar do problema fundiário da região, promover políticas de desenvolvimento sustentável e assegurar os direitos das pessoas que vivem lá, indígenas ou não indígenas, de acesso ao progresso, à infraestrutura e a serviços básicos, como saúde e educação de qualidade. Para Mourão, esse direito deve estar centrado na bioeconomia, a partir do mapeamento da biodiversidade florestal, da construção de uma infraestrutura logística sustentável e de financiamento e investimentos no setor.

Aldo Rebelo criticou a demarcação de áreas de preservação na Amazônia que já estavam ocupadas por pessoas assentadas pelo próprio Estado. “Quando se demarca em área antropizada, você transforma aquelas pessoas em criminosos, mas a responsabilidade é do Estado. São 2% ou 3% que agem criminosamente, que queima e que desmata. A maioria foi pra lá na melhor das intenções”, disse.

Eles também defenderam a regulamentação de atividades produtivas em terras indígenas, previstas na Constituição, como o garimpo e a produção agrícola, mas destacaram que essa exploração deve acontecer dentro da lei ambiental, uma das mais rigorosas do mundo, segundo eles. “Nós temos que parar de tapar o sol com a peneira e entender que o indígena tem que ter o direito de explorar a riqueza que tem na terra dele dentro dos ditames da nossa legislação. A partir daí, ele terá acesso ao progresso material da humanidade, todas as benesses do mundo moderno e não vivendo como se estivesse segregado”, disse Mourão.

Para Aldo Rebelo, além de ser um ator ambiental relevante no mundo, o Brasil tem aspirações dentro da Amazônia e já desenvolve atividades de mineração, extrativismo e agropecuária que precisam ser agregadas ao processo de transformação, de agregar valor à produção. “A Amazônia precisa atravessar esse caminho e precisa de recurso e o Estado precisa assumir essa responsabilidade”, disse, criticando a política econômica do governo atual, “de restrição absoluta e enxugamento desse papel do Estado brasileiro”.

O vice-presidente Mourão concordou que a ausência do Estado é um dos problemas mais graves que ocorre na região e disse que, além do aumento do orçamento para ações na região, é preciso buscar recursos de outras fontes de financiamento e doações, para manter a presença do Estado e recuperar a capacidade operacional dos órgãos de fiscalização “que estão com dificuldade de cumprir sua missão”.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

MT: lentidão na regularização fundiária dificulta acesso ao crédito

21-09-2020

Itanhangá é uma cidade do médio norte de Mato Grosso que foi emancipada através de um projeto de assentamento. Atualmente, o município tem uma população de 9 mil habitantes, entre eles, mais de 1.100 famílias que dependem exclusivamente da renda da agricultura familiar e a mais de 25 anos lutam pela regularização fundiária do município.“Foram mais ...

Leia mais...

Boi gordo: preços avançam no centro-norte, diz Safras

21-09-2020

O mercado físico do boi gordo inicia a semana com continuidade do movimento de alta no centro-norte do país. O movimento nas demais regiões ocorreu de maneira mais cadenciada. No mercado paulista a percepção é que está mais fácil a composição das escalas com boiadas de outras regiões produtoras. A oferta local permanece muito restrita.Segundo o ana...

Leia mais...

“Indicação de Trump à Suprema Corte pode ter efeito contrário nas urnas”

21-09-2020

A semana deve ser tumultuada com a corrida pela presidência dos Estados Unidos. O atual presidente, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 21, faltando 50 dias para eleições, que deve indicar um novo nome para assumir a vaga da Suprema Corte que ficou vazia após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg, na última sexta-feira.A declaração provocou ...

Leia mais...

Alta dos alimentos: governo pode taxar exportações, afirma Daoud

21-09-2020

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro, se reuniu nesta segunda-feira, 21, com objetivo de buscar de mecanismos para controlar a inflação e a alta no preço dos alimentos. Na avaliação de Miguel Daoud, comentarista do Canal Rural, o preço dos alimentos deve continuar subindo, mas isso não significa que o governo deve pensar em tributação.“N...

Leia mais...

Atraso no plantio da soja pode resultar na falta do grão em janeiro, diz analista

21-09-2020

A estiagem em algumas regiões do Brasil está fazendo com que os sojicultores adiem o plantio da soja, sobretudo no Centro-Oeste brasileiro. No entanto, essa notícia gera uma preocupação no mercado por causa de contratos que já foram fechado.Segundo o analista de mercado Luiz Pacheco, da T$F Agroeconomia, o aumento pela demanda de carnes brasileiras...

Leia mais...

Preços em queda prejudicam vendas do algodão no mercado interno

21-09-2020

O preço do algodão continua a cair no mercado interno, em função da maior oferta da fibra, mesmo com demanda levemente mais firme por parte das fiações, aponta análise feita pela .O Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, registra uma baixa de 5,9% nos últimos 30 dias, cotado a R$ 3,10/libra-peso, mas com altas acumulada...

Leia mais...

Mapa confirma proibição de uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22

21-09-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou na noite desta segunda-feira 21 a proibição do uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22.Por meio de nota, o Mapa informou que dará início ao procedimento de cancelamento do registro dos produtos à base de Paraquat e adotará as providencias necessárias para o cumprimento ...

Leia mais...

Açúcar: Bolsonaro afirma que Brasil terá cota extra de 80 mil t no mercado dos EUA

21-09-2020

O presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais nesta segunda-feira, 21, a informação de que o governo dos Estados Unidos comunicou o Itamaraty de que o Brasil receberá uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar no mercado americano.“Trata-se já do primeiro resultado da recém-abertas negociações Brasil-EUA para o setor de açúcar e álco...

Leia mais...

Soja segue em alta no Brasil e saca chega a R$ 156

21-09-2020

Os preços da oleaginosa dispararam no mercado interno, mesmo com as perdas observadas na Bolsa de ChicagoPor Canal RuralCom o dólar encostando em R$ 5,50 durante esta segunda-feira, 21, os preços da soja ignoraram a realização de lucros de Chicago e dispararam no mercado interno. Houve indicação de saca a R$ 156 no interior do Rio Grande do Sul par...

Leia mais...