15 Setembro 2020

‘Agricultor familiar não consegue sobreviver sem o auxílio emergencial’, diz deputado

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O programa Conexão Brasília desta terça-feira, 15, trouxe para o debate o veto do governo que derrubou o auxílio emergencial para a agricultura familiar. A decisão do presidente Jair Bolsonaro repercutiu de forma negativa no setor. Segundo o deputado Zé Silva (SD-MG), relator da proposta na Câmara dos Deputados, o impacto é incalculável.

“O que o Brasil vai fazer com quase 1,5 milhão de agricultores familiares que não recebem auxílio emergencial, que não têm uma inclusão produtiva para retomada das atividades em sua propriedade?”, questionou o parlamentar.

Ao sancionar a lei 14.048/2020, que estabelece medidas emergenciais para ajudar agricultores familiares durante o estado de calamidade pública, o governo vetou quase integralmente o texto do projeto (PL 735/2020) aprovado pelo Congresso Nacional. O executivo alegou falta de previsão orçamentária.

O texto previa pagamento de cinco parcelas de R$ 600 (R$ 3 mil). No caso das mulheres provedoras das propriedades, o valor seria em dobro. O governo manteve permissão às cooperativas de agricultores familiares para pagar com produtos (caso da soja) as parcelas referentes à Cédula de Produto Rural (CPRs), com vencimento em 2020 e 2021.

“O primeiro impacto é lamentável. O próprio ministro Paulo Guedes fala dos ‘invisíveis do Brasil’ e esses agricultores que precisam dessas medidas emergenciais são esses invisíveis, porque não são vistos pelo governo”, disse Zé Silva.

De acordo com o parlamentar, sem o auxílio emergencial, os agricultores familiares não conseguem sobreviver, além de muitos ainda não terem conseguido retomar as atividades nas propriedades em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

“O maior agravante é que o governo cometeu desvio de finalidade. Ele não foi bem orientado porque senão não vetaria. Quando você recomenda acessar um auxílio de outra categoria, significa que o Tesouro Nacional vai desembolsar esses recursos”, disse.

O deputado, membro da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), afirma que os integrantes da bancada estão se articulando com os líderes partidários e com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para que seja apreciada a derrubada do veto ainda em setembro.

“Nós temos que derrubar isso e garantir a decisão da Câmara e do Senado, que já decidiram pela agricultura familiar. O semiárido do Brasil está em chamas por causa da seca, e como os agricultores vão ter água para o abastecimento humano?”, alertou.

Também foi pauta do programa a decisão dos membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o fim dos subsídios à exportação de produtos agrícolas. Está no plenário da Câmara dos Deputados a Mensagem de Convênio (MSC 409/2019) que prevê a ratificação do Protocolo de Nairóbi pelo Brasil. O deputado Pedro Lupion (DEM-PR) é um dos cotados para assumir a relatoria da matéria na casa.

“O setor tem pressa. É um acordo muito importante, ele traz competitividade para a exportação dos produtos agrícolas brasileiros. A produção agrícola brasileira precisa disso e é urgente”, ressaltou.

O deputado admite que a pauta é uma das prioridades da Frente Parlamentar da Agropecuária e acredita que ainda nesta semana a Câmara decida pelo relator. Na prática, a decisão firmada em Nairóbi, no Quênia, em 2015, proíbe a utilização de políticas baseadas em subsídios às exportações enquadradas no Acordo de Agricultura da OMC.

Dos 164 países membros da OMC que aderiram ao protocolo de Nairóbi, apenas Venezuela, Turquia, Indonésia e Brasil ainda não ratificaram o acordo.

De acordo com Lupion, a ratificação do acordo internacional pelo Brasil vai manter o país no topo das exportações agrícolas. Para ele, o agro foi um dos únicos setores que cresceram durante a pandemia do novo coronavírus no país.

“Só a ministra da agricultura, Tereza Cristina, abriu 88 novos mercados para a exportação. Continuamos enviando frango, carne suína e grãos para o mundo. A nossa situação é a melhor possível. Só na China, nós temos 49% das exportações. A gente precisa ter esse acordo ratificado o mais rapidamente possível pelo Congresso”, pontuou.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

MT: lentidão na regularização fundiária dificulta acesso ao crédito

21-09-2020

Itanhangá é uma cidade do médio norte de Mato Grosso que foi emancipada através de um projeto de assentamento. Atualmente, o município tem uma população de 9 mil habitantes, entre eles, mais de 1.100 famílias que dependem exclusivamente da renda da agricultura familiar e a mais de 25 anos lutam pela regularização fundiária do município.“Foram mais ...

Leia mais...

Boi gordo: preços avançam no centro-norte, diz Safras

21-09-2020

O mercado físico do boi gordo inicia a semana com continuidade do movimento de alta no centro-norte do país. O movimento nas demais regiões ocorreu de maneira mais cadenciada. No mercado paulista a percepção é que está mais fácil a composição das escalas com boiadas de outras regiões produtoras. A oferta local permanece muito restrita.Segundo o ana...

Leia mais...

“Indicação de Trump à Suprema Corte pode ter efeito contrário nas urnas”

21-09-2020

A semana deve ser tumultuada com a corrida pela presidência dos Estados Unidos. O atual presidente, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 21, faltando 50 dias para eleições, que deve indicar um novo nome para assumir a vaga da Suprema Corte que ficou vazia após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg, na última sexta-feira.A declaração provocou ...

Leia mais...

Alta dos alimentos: governo pode taxar exportações, afirma Daoud

21-09-2020

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro, se reuniu nesta segunda-feira, 21, com objetivo de buscar de mecanismos para controlar a inflação e a alta no preço dos alimentos. Na avaliação de Miguel Daoud, comentarista do Canal Rural, o preço dos alimentos deve continuar subindo, mas isso não significa que o governo deve pensar em tributação.“N...

Leia mais...

Atraso no plantio da soja pode resultar na falta do grão em janeiro, diz analista

21-09-2020

A estiagem em algumas regiões do Brasil está fazendo com que os sojicultores adiem o plantio da soja, sobretudo no Centro-Oeste brasileiro. No entanto, essa notícia gera uma preocupação no mercado por causa de contratos que já foram fechado.Segundo o analista de mercado Luiz Pacheco, da T$F Agroeconomia, o aumento pela demanda de carnes brasileiras...

Leia mais...

Preços em queda prejudicam vendas do algodão no mercado interno

21-09-2020

O preço do algodão continua a cair no mercado interno, em função da maior oferta da fibra, mesmo com demanda levemente mais firme por parte das fiações, aponta análise feita pela .O Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, registra uma baixa de 5,9% nos últimos 30 dias, cotado a R$ 3,10/libra-peso, mas com altas acumulada...

Leia mais...

Mapa confirma proibição de uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22

21-09-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou na noite desta segunda-feira 21 a proibição do uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22.Por meio de nota, o Mapa informou que dará início ao procedimento de cancelamento do registro dos produtos à base de Paraquat e adotará as providencias necessárias para o cumprimento ...

Leia mais...

Açúcar: Bolsonaro afirma que Brasil terá cota extra de 80 mil t no mercado dos EUA

21-09-2020

O presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais nesta segunda-feira, 21, a informação de que o governo dos Estados Unidos comunicou o Itamaraty de que o Brasil receberá uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar no mercado americano.“Trata-se já do primeiro resultado da recém-abertas negociações Brasil-EUA para o setor de açúcar e álco...

Leia mais...

Soja segue em alta no Brasil e saca chega a R$ 156

21-09-2020

Os preços da oleaginosa dispararam no mercado interno, mesmo com as perdas observadas na Bolsa de ChicagoPor Canal RuralCom o dólar encostando em R$ 5,50 durante esta segunda-feira, 21, os preços da soja ignoraram a realização de lucros de Chicago e dispararam no mercado interno. Houve indicação de saca a R$ 156 no interior do Rio Grande do Sul par...

Leia mais...