15 Setembro 2020

Estudo mostra que Brasil pode ampliar exportação de cafés refinados para a China

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

A demanda dos consumidores chineses por cafés com sabores mais refinados e o aumento das vendas online, impulsionadas pela Covid-19, podem gerar oportunidades para o Brasil ampliar as exportações de café solúvel para a China e expandir a participação do agro brasileiro no mercado asiático, tanto no físico quanto no e-commerce.

A constatação é feita por um estudo elaborado pelo escritório internacional da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em Xangai, em parceria com a InvestSP. Segundo o documento, a entrada do café solúvel nos canais de distribuição físico e online pode ser uma boa iniciativa para que os consumidores chineses conheçam o produto brasileiro aos poucos.

O café solúvel é o principal tipo do produto consumido pelo asiático, mas o estudo aponta que há espaço para outros tipos. “Estima-se que o café torrado e moído possa se tornar um mercado incremental ao solúvel quando a percepção do café na China sofrer uma transição de “produto de luxo” para bebida de hábito diário”, diz o estudo.

Apesar de o país asiático ser um dos maiores comerciantes, consumidores e produtores de café do mundo, o documento da CNA mostra que consumo per capita ainda é muito baixo e tem um enorme potencial para crescimento. O chinês bebe, em média, de 4 a 5 xícaras por ano, enquanto japoneses e norte-americanos consomem anualmente 360 e 400 xícaras, respectivamente.

De acordo com o estudo, a taxa média de crescimento anual do consumo de café na China é positiva, e nos últimos cinco anos girou entre 7% e 17%, percentual superior em relação ao nível global: 2%. Além disso, o país está diversificando as origens do café adquirido nos últimos anos. A proporção do grão importado de outros países asiáticos tem diminuído, enquanto a procura por cafés africanos e latino-americanos cresceu nos últimos anos.

A participação da América Latina nas importações do país asiático subiu de 15% em 2017 para 24% no ano passado. A parcela africana passou de 5% para 10% no mesmo período, enquanto outros países asiáticos que vendem café para a China tiveram o marketing share reduzido de 58% há três anos para 40% em 2019.

Atualmente, o café do Brasil está qualificado e liberado para exportação à China na modalidade de acesso facilitado. Dados da Administração Geral de Alfândegas da China (GACC) revelam que, em 2019, o valor das importações de café brasileiro pelo país asiático totalizou mais de USD 24 milhões, um aumento de 12% em relação a 2018.

Vendas online aquecidas

O escritório da CNA em Xangai também realizou uma pesquisa de campo em pontos de venda como supermercados e atacadistas da cidade. A pesquisa apontou ampla popularidade do café em pó solúvel e instantâneo entre os consumidores, por oferecer maior conveniência no preparo. Nesta categoria de produto, o café com leite tem presença forte nos canais de venda físico e online.

O levantamento mostra que, em comparação aos canais tradicionais, a venda online tem conquistado maior espaço no mercado, em razão do alto grau de desenvolvimento do e-commerce na China. Dados do estudo, baseados em informações de plataformas virtuais, mostram que os pedidos online de café aumentaram 60% em 2018 na comparação com o ano anterior, enquanto o universo de lojas virtuais se expandiu em 32% no mesmo período.

Outros dados compilados pela CNA apontam que o faturamento de vendas de café online cresceu 169% nos primeiros quatro meses de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019.

“Neste contexto, é impossível ignorar o e-commerce como um ponto de venda potencial para o café brasileiro. O impacto da Covid-19 fez com que os chineses comprassem ainda mais online no primeiro semestre de 2020, o que obrigou as plataformas a melhorarem seus modelos de negócios e capacidades tecnológicas”, conclui o estudo.

 


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

MT: lentidão na regularização fundiária dificulta acesso ao crédito

21-09-2020

Itanhangá é uma cidade do médio norte de Mato Grosso que foi emancipada através de um projeto de assentamento. Atualmente, o município tem uma população de 9 mil habitantes, entre eles, mais de 1.100 famílias que dependem exclusivamente da renda da agricultura familiar e a mais de 25 anos lutam pela regularização fundiária do município.“Foram mais ...

Leia mais...

Boi gordo: preços avançam no centro-norte, diz Safras

21-09-2020

O mercado físico do boi gordo inicia a semana com continuidade do movimento de alta no centro-norte do país. O movimento nas demais regiões ocorreu de maneira mais cadenciada. No mercado paulista a percepção é que está mais fácil a composição das escalas com boiadas de outras regiões produtoras. A oferta local permanece muito restrita.Segundo o ana...

Leia mais...

“Indicação de Trump à Suprema Corte pode ter efeito contrário nas urnas”

21-09-2020

A semana deve ser tumultuada com a corrida pela presidência dos Estados Unidos. O atual presidente, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 21, faltando 50 dias para eleições, que deve indicar um novo nome para assumir a vaga da Suprema Corte que ficou vazia após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg, na última sexta-feira.A declaração provocou ...

Leia mais...

Alta dos alimentos: governo pode taxar exportações, afirma Daoud

21-09-2020

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro, se reuniu nesta segunda-feira, 21, com objetivo de buscar de mecanismos para controlar a inflação e a alta no preço dos alimentos. Na avaliação de Miguel Daoud, comentarista do Canal Rural, o preço dos alimentos deve continuar subindo, mas isso não significa que o governo deve pensar em tributação.“N...

Leia mais...

Atraso no plantio da soja pode resultar na falta do grão em janeiro, diz analista

21-09-2020

A estiagem em algumas regiões do Brasil está fazendo com que os sojicultores adiem o plantio da soja, sobretudo no Centro-Oeste brasileiro. No entanto, essa notícia gera uma preocupação no mercado por causa de contratos que já foram fechado.Segundo o analista de mercado Luiz Pacheco, da T$F Agroeconomia, o aumento pela demanda de carnes brasileiras...

Leia mais...

Preços em queda prejudicam vendas do algodão no mercado interno

21-09-2020

O preço do algodão continua a cair no mercado interno, em função da maior oferta da fibra, mesmo com demanda levemente mais firme por parte das fiações, aponta análise feita pela .O Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, registra uma baixa de 5,9% nos últimos 30 dias, cotado a R$ 3,10/libra-peso, mas com altas acumulada...

Leia mais...

Mapa confirma proibição de uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22

21-09-2020

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou na noite desta segunda-feira 21 a proibição do uso e venda do Paraquat a partir desta terça, 22.Por meio de nota, o Mapa informou que dará início ao procedimento de cancelamento do registro dos produtos à base de Paraquat e adotará as providencias necessárias para o cumprimento ...

Leia mais...

Açúcar: Bolsonaro afirma que Brasil terá cota extra de 80 mil t no mercado dos EUA

21-09-2020

O presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais nesta segunda-feira, 21, a informação de que o governo dos Estados Unidos comunicou o Itamaraty de que o Brasil receberá uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar no mercado americano.“Trata-se já do primeiro resultado da recém-abertas negociações Brasil-EUA para o setor de açúcar e álco...

Leia mais...

Soja segue em alta no Brasil e saca chega a R$ 156

21-09-2020

Os preços da oleaginosa dispararam no mercado interno, mesmo com as perdas observadas na Bolsa de ChicagoPor Canal RuralCom o dólar encostando em R$ 5,50 durante esta segunda-feira, 21, os preços da soja ignoraram a realização de lucros de Chicago e dispararam no mercado interno. Houve indicação de saca a R$ 156 no interior do Rio Grande do Sul par...

Leia mais...