18 Setembro 2020

Com possível La Niña; veja como fica o clima de outubro até março

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

De acordo com a meteorologia, a previsão indica chuva abaixo da média no Centro-Sul brasileiro durante a primavera

Nada como antecipar o comportamento climático dos próximos meses para tentar prever os riscos e as oportunidades da safra 2020/2021. Com o La Niña no horizonte, já sofremos alguns impactos, mas não há ausência de chuvas. Existem, sim, algumas áreas com precipitação mais baixa do que o normal, inclusive com acumulados menores do que 100 milímetros por mês. São os casos da Campanha gaúcha em outubro e novembro, região central do Rio Grande do Sul em novembro e boa parte do litoral gaúcho em dezembro.

Logo de cara, com a quantidade de chuva abaixo da média é de se esperar níveis mais baixos nos reservatórios do Rio Grande do Sul e uma instalação de arroz em uma área mais reduzida, apesar do preço elevado do produto atualmente.

Em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e sul de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e de Mato Grosso, apesar da previsão de chuva inferior à média entre outubro e dezembro, os acumulados mensais vão chegar a pelo menos 100 milímetros em todos os estados. Além disso, a chuva também vai regularizar com a chegada da primavera, permitindo a instalação das culturas das águas sobretudo a partir do dia 10 de outubro, em Santa Catarina, Paraná, Rondônia e em boa parte das regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Com a regularização da chuva a partir de meados de outubro, os dias mais fechados e chuvosos vão deixar a temperatura máxima abaixo do normal desde o norte do Paraná até o sudoeste da Bahia, passando por boa parte do Sudeste e Centro-Oeste, algo normal em anos de La Niña. O calor mais intenso que o normal será sentido no Piauí, Maranhão, Tocantins e Pará.

Na área de grãos do Nordeste, a regularização da chuva será mais tardia. Somente a região de Roda Velha (BA) terá mais de 100 milímetros a cada mês entre outubro e dezembro.

A partir de novembro, o acumulado também alcançará três dígitos na região de Carolina (MA), mas isso não poderá ser aplicado à Balsas (MA). E somente em dezembro é que a chuva mais intensa vai alcançar toda a área produtora do oeste da Bahia e sul dos estados do Piauí e Maranhão. No Tocantins, a chuva será mais regular no sul do estado entre outubro e dezembro.

Mas na divisa do Tocantins, Maranhão e Pará, regiões que englobam as cidades como Imperatriz e Marabá, a chuva acima dos 100 milímetros vai aparecer apenas a partir de dezembro. Daí a previsão de chuva abaixo da média entre o Amapá e o Ceará para a primavera.

No interior do Brasil, os locais com maiores acumulados previstos também vão receber chuva forte, mas com curta duração.

No oeste do Rio Grande do Sul, há previsão de chuva mais intensa perto dos últimos dias de outubro, com duração de três dias. Em Mato Grosso do Sul e no nordeste do Paraná, o número de dias com chuva forte será maior, mais por conta de sistemas de baixa pressão que pela passagem de frentes frias. Então, a distribuição espacial da precipitação deverá ser irregular. De qualquer forma, há previsão de chuva mais intensa na segunda semana e a partir do dia 20 de outubro. No sudoeste do Paraná, maior precipitação vai acontecer por aproximadamente três dias, perto do dia 10.

Apesar da previsão de chuva mais intensa entre o Sudeste e Norte e abaixo da média no Sul na primavera, espera-se uma reviravolta no verão. Para algumas simulações, ainda em dezembro. Já para outras, a partir de janeiro, há previsão de chuva mais intensa em Santa Catarina e Paraná, além de em Mato Grosso do Sul e oeste e sul de São Paulo. Por outro lado, a chuva enfraquece no Rio de Janeiro, sul de Minas Gerais e nordeste de São Paulo, áreas com importantes reservatórios, como Furnas.

Em fevereiro, enquanto a chuva torna-se mais intensa que o normal no norte do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, as áreas com chuva abaixo da média aumentam na região Sudeste. Já em março, ainda há previsão de chuva acima da média no Sul e a precipitação fica mais próxima da média no Sudeste. Importante afirmar que, embora a previsão seja de aumento da chuva durante o verão no Sul, a fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai permanecerá sob chuva abaixo da média durante toda a estação.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Seguro agrícola de uva e outras 4 frutas serão avaliados em videoconferência do Mapa

22-10-2020

O realiza no dia 30 de outubro, às 15h, uma videoconferência do projeto Monitor do Seguro Rural, dedicada aos seguros agrícolas de cultivos de uva, abacaxi, melancia, pera e mamão.O objetivo é avaliar os produtos e serviços ofertados pelas seguradoras e propor aperfeiçoamentos nos seguros agrícolas dessas atividades. Para participar da videoconfer...

Leia mais...

Soja: importação sem tarifas, falta de grãos e risco de taxação de exportações. Entenda!

22-10-2020

Durante a live do Canal Rural desta quarta-feira, 21, foi debatido os possíveis impactos que a falta de soja e milho podem trazer ao paísPor Daniel Popov, de São PauloNesta quinta-feira, 21 de outubro, o Brasil já poderá realizar importações de soja e milho sem a necessidade de pagar tarifas por isso. A decisão foi publicada na última quarta, no Di...

Leia mais...

Previsão traz temporais e até granizo nesta sexta; chuva ganha força no Centro-Sul no fim de semana

22-10-2020

Risco de granizo é maior no Centro-Oeste, mas grandes volumes atingem áreas das regiões Sudeste, Norte e SulOs temporais com potencial para queda de granizo ganham mais força nesta sexta-feira, 23, em grande parte do Brasil. No Centro-Oeste, duas áreas de baixa pressão são responsáveis pelos temporais: uma em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. e out...

Leia mais...

Atraso do plantio no Brasil estende demanda chinesa pela soja dos EUA

22-10-2020

Para a analista de mercado Daniele Siqueira, a China ainda deve demandar o grão dos norte-americanos até meados de fevereiro de 2021Por Estadão ConteúdoA demanda da China pela soja dos Estados Unidos e a percepção de que o país asiático terá de recorrer por mais tempo ao produto norte-americano após os atrasos no plantio no Brasil têm dado sustenta...

Leia mais...

Sicredi libera R$ 7,6 bi para custeio nos três primeiros meses da safra 20/21

22-10-2020

A instituição financeira cooperativa Sicredi liberou R$ 7,6 bilhões para custeio agropecuário nos três primeiros meses da safra 2020/2021 – julho a setembro -, 17% a mais do que em igual período da safra 2019/20. Produtores da região que abrange os Estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, já contrataram R$ 1,8 bilhão para c...

Leia mais...

Dólar cai 0,35% de olho em pacote de estímulos nos EUA e atinge R$ 5,59

22-10-2020

O dólar comercial opera em queda frente ao real, em mais uma sessão de volatilidade após abrir o pregão em alta, com investidores atentos aos desdobramentos em torno das negociações de um novo pacote de estímulo fiscal nos Estados Unidos, no qual se espera definições antes das eleições presidenciais, em 3 de novembro.Às 9h57 (de Brasília), a moeda ...

Leia mais...

Soja: previsão já começa a mostrar retorno das chuvas no Sul e Nordeste do país

22-10-2020

Segundo a meteorologia, os próximos dias tendem a ser mais chuvosos em boa parte do país. Confira a previsão para a sua região! As tão esperadas chuvas começam a aparecer nos mapas meteorológicos tanto do Sul do País, quanto do Nordeste, Os próximos dias prometem trazem um pouco de al&...

Leia mais...

Projeto Soja Brasil desembarca nesta quarta em Itararé (SP)

22-10-2020

Por lá, mesmo com chuvas irregulares, os produtores já conseguiram semear 80% da área com a soja, afirma o Sindicato RuralPor Canal RuralA equipe do Projeto Soja Brasil chegou a Itararé, interior de São Paulo, nesta quarta-feira (21). Por lá, 25 mil hectares são destinados a soja, dos quais 80% já foram semeados. Segundo o Sindicato Rural do municí...

Leia mais...

Bovinos: controle biológico ajuda evitar mortes de animais por carrapatos no RS

21-10-2020

O carrapato no rebanho bovino é responsável por matar cerca de 10 mil animais por ano no Rio Grande do Sul. No entanto, de acordo com a secretaria de agricultura do estado, o controle biológico de pragas pode reduzir o número de mortes no rebanho.Segundo o José Reck, médico veterinário da secretaria de agricultura do Rio Grande do Sul, o carrapato ...

Leia mais...