16 Julho 2014

Safra 2014/2015 de soja deve ter custos de produção elevados e preços em queda

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Foto: Divulgação / Sxc
Área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada

O período das lavouras de Mato Grosso é de vazio sanitário até meados de setembro. A movimentação persiste apenas para os produtores que estão colhendo milho safrinha ou algodão. A soja, por enquanto, só aparece nas expectativas dos analistas, e os produtores que já começaram a planejar o plantio da safra 2014/2015 estão apreensivos. Os custos de produção devem ser maiores e os preços, menores.

De acordo com dados do Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), a área plantada e a produção devem crescer na próxima safra. A área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada. Se tudo correr bem, a produção deve crescer quase 5%, para mais de 27 milhões de toneladas. E semente de boa qualidade capaz de suprir esse aumento não vai faltar. É o que garante a Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat).

– O volume de sementes produzido no Estado de Mato Grosso é praticamente suficiente para atender a demanda dos produtores de grãos. Conforme o Estado vai aumentando a sua área de plantio, os produtores de sementes vão aumentando os investimentos suas unidades de beneficiamentos e aumentando o potencial de suprir a demanda estadual. No momento do ato da colheita, já se faz a seleção da qualidade das sementes e, com certeza, teremos uma boa safra – garante o vice-presidente da Aprosmat, Gladir Tomazeli.

Se as expectativas são boas em relação ao cultivo dessa próxima safra, o mesmo não pode se dizer do custo de produção. Os custos devem ficar bem acima da safra passada, passando de R$ 1440 por hectare. A maior parte desse valor vai para fertilizantes e defensivos, depois para sementes, operações com máquinas e, por último, mão de obra.

– Essa é uma situação preocupante, porque nós viemos trabalhando com soja na casa dos R$ 45 a R$ 50 nos últimos dois, três anos, que é um preço razoavelmente bom, pelo custo que nós temos na região. Mas com os Estados Unidos anunciando boa safra, mesmo o estoque estando baixo, o mercado jogou os preços para baixo. Isso implica no nossos custos, porque nós temos a venda baseada no preço de Chicago, ou seja, quem determina os preços dos grãos é a Bolsa de Chicago, então você tem toda a dificuldade, porque o Custo Brasil é interno, você não tem como mexer nele, é a política brasileira – explica o presidente do Sindicato Rural de Sinop (MT), Leonildo Bares.

• Acompanhe as cotações da soja

Além dos custos, outra grande preocupação dos produtores é o ataque de pragas. Bares reforça que ainda não há o controle da lagarta Helicoverpa armigera.

– Não temos produtos que controlem e que estejam liberados para ser usados, então isso é uma incógnita. Está todo mundo preocupado com isso.

O produtor Carlos Alberto Schneider sabe bem o que é isso. Ele cultiva algodão e soja em Jaciara (MT). No ano passado, o ataque da armigera foi severo, e, mesmo com duas aplicações extras de defensivos, o combate da praga foi difícil e não foi suficiente para evitar a quebra de mais de 10%. Para esta safra de soja, o produtor já garantiu a compra dos defensivos. Agora, a precaução pode trazer reflexos no bolso.

– A mão no bolso é inevitável, porque a gente não pode partir do princípio de que vai fazer um plantio e não vai conseguir colher, a gente tem que colher o mínimo de sacas para manter o rendimento da fazenda, o lucro da fazenda. O custo de produção já ficou mais elevado e a perspectiva para a soja não é muito boa, em função dos últimos levantamentos de produção, que já fizeram os preços baixarem. Então a nossa estimativa de venda é com preços baixos e custos mais altos – relata o produtor.

>> Leia mais notícias sobre grãos

Assista:

CANAL RURAL


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Governo deve anunciar várias medidas após reforma, diz economista 

18-07-2019

Governo deve anunciar várias medidas após reforma, diz economista 

O economista Alexandre Cabral afirma que, após a aprovação da reforma da Previdência, o governo deve lançar novas medidas para estimular a economia. Ele também comenta a queda na cotação do dólar, diante de um cenário externo otimista. “Esse otimismo gera expectativa de quedas mais rápidas, com juros mais baixos, tendo boas consequências na economi...

Leia mais...

Javali: caçador critica projeto de lei que proíbe uso de cães na atividade 

18-07-2019

Javali: caçador critica projeto de lei que proíbe uso de cães na atividade 

Tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei 348/2019, que pode suspender o uso de cães durante a caça de javalis. O texto é de autoria do deputado federal Ricardo Izar (PP-SP). A medida visa não abrir precedentes para maus-tratos aos animais em caçadas.O caçador de javalis Mário Quinichala afirma que o impacto da caça sem cães são muito negati...

Leia mais...

Bolsonaro: Ingresso do Brasil na OCDE está bastante avançado

18-07-2019

Bolsonaro: Ingresso do Brasil na OCDE está bastante avançado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, dia 18, durante transmissão ao vivo pelo Facebook, que o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) “está bastante avançado”. Segundo o presidente, “todos os países concordam com a nossa entrada”.Mais cedo, durante a cerimônia de comemoração dos 200 ...

Leia mais...

Dólar a R$ 3,50? Economistas comentam a tendência para o câmbio

18-07-2019

Dólar a R$ 3,50? Economistas comentam a tendência para o câmbio

O dólar registrou leve desvalorização nas últimas semanas. Segundo analistas, a queda é consequência do avanço da reforma da Previdência e o início da reforma tributária, no Congresso.Muitos brasileiros acreditam que com a aprovação das medidas, o real vá se valorizar cada vez mais. Porém, de acordo com o economista e sócio-diretor da Macrosector C...

Leia mais...

Tabela de frete: Saiba onde o produtor vai gastar mais

18-07-2019

Tabela de frete: Saiba onde o produtor vai gastar mais

Nesta quinta-feira, dia 18, a Agência Nacional de Transportes Terrestres divulgou uma nova tabela de fretes, que muda o cálculo do preço mínimo e traz mudanças na fiscalização, infrações e penalidades. As multas variam de R$ 550 a R$ 10,5 mil.De acordo com o comentarista Benedito Rosa, o tabelamento causa impacto negativo no agronegócio, por ser um...

Leia mais...

Mangalarga marchador: pesquisa inédita analisa importância de selas personalizadas

18-07-2019

Mangalarga marchador: pesquisa inédita analisa importância de selas personalizadas

Uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais em parceria com a Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM) mostra a importância de adequar a sela para o bem estar do cavalo e do cavaleiro. Os alunos que fazem parte da pesquisa estão avaliando a forma adequada da utilização para os animais. Eles usam um equipa...

Leia mais...

Preço da soja tem mais um dia de queda no Brasil e recua R$ 0,50

18-07-2019

Preço da soja tem mais um dia de queda no Brasil e recua R$ 0,50

Os preços da soja no Brasil caíram mais R$ 0,50 nesta quinta-feira, dia 18, sendo a segunda queda consecutiva. A quarta sessão seguida de baixas na Bolsa de Chicago e a desvalorização do dólar pressionaram as cotações, segundo a Safras & Mercado. “O volume de negócios foi pequeno. Os vendedores seguem ausentes com o cenário desfavorável de bolsa e ...

Leia mais...

Preço do café sobe 11% mas produtor ainda trabalha com margem negativa

18-07-2019

Preço do café sobe 11% mas produtor ainda trabalha com margem negativa

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) mostrou que em junho o preço médio do café subiu 11% em algumas regiões produtoras do Brasil quando comparado com o mês anterior. Apesar dessa elevação, os produtores rurais continuam operando com margens negativas.Maciel Silva, coordenador de produção agríco...

Leia mais...

Dólar fecha com baixa de 0,87%, cotado a R$ 3,729 para venda

18-07-2019

Dólar fecha com baixa de 0,87%, cotado a R$ 3,729 para venda

O dólar comercial encerrou a sessão desta quinta, dia 18, com baixa de 0,87%, sendo negociado a R$ 3,727 para compra e a R$ 3,729 para venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 3,764 e a máxima de R$ 3,724. Fonte Canal Rural

Leia mais...