16 Julho 2014

Safra 2014/2015 de soja deve ter custos de produção elevados e preços em queda

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Foto: Divulgação / Sxc
Área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada

O período das lavouras de Mato Grosso é de vazio sanitário até meados de setembro. A movimentação persiste apenas para os produtores que estão colhendo milho safrinha ou algodão. A soja, por enquanto, só aparece nas expectativas dos analistas, e os produtores que já começaram a planejar o plantio da safra 2014/2015 estão apreensivos. Os custos de produção devem ser maiores e os preços, menores.

De acordo com dados do Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), a área plantada e a produção devem crescer na próxima safra. A área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada. Se tudo correr bem, a produção deve crescer quase 5%, para mais de 27 milhões de toneladas. E semente de boa qualidade capaz de suprir esse aumento não vai faltar. É o que garante a Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat).

– O volume de sementes produzido no Estado de Mato Grosso é praticamente suficiente para atender a demanda dos produtores de grãos. Conforme o Estado vai aumentando a sua área de plantio, os produtores de sementes vão aumentando os investimentos suas unidades de beneficiamentos e aumentando o potencial de suprir a demanda estadual. No momento do ato da colheita, já se faz a seleção da qualidade das sementes e, com certeza, teremos uma boa safra – garante o vice-presidente da Aprosmat, Gladir Tomazeli.

Se as expectativas são boas em relação ao cultivo dessa próxima safra, o mesmo não pode se dizer do custo de produção. Os custos devem ficar bem acima da safra passada, passando de R$ 1440 por hectare. A maior parte desse valor vai para fertilizantes e defensivos, depois para sementes, operações com máquinas e, por último, mão de obra.

– Essa é uma situação preocupante, porque nós viemos trabalhando com soja na casa dos R$ 45 a R$ 50 nos últimos dois, três anos, que é um preço razoavelmente bom, pelo custo que nós temos na região. Mas com os Estados Unidos anunciando boa safra, mesmo o estoque estando baixo, o mercado jogou os preços para baixo. Isso implica no nossos custos, porque nós temos a venda baseada no preço de Chicago, ou seja, quem determina os preços dos grãos é a Bolsa de Chicago, então você tem toda a dificuldade, porque o Custo Brasil é interno, você não tem como mexer nele, é a política brasileira – explica o presidente do Sindicato Rural de Sinop (MT), Leonildo Bares.

• Acompanhe as cotações da soja

Além dos custos, outra grande preocupação dos produtores é o ataque de pragas. Bares reforça que ainda não há o controle da lagarta Helicoverpa armigera.

– Não temos produtos que controlem e que estejam liberados para ser usados, então isso é uma incógnita. Está todo mundo preocupado com isso.

O produtor Carlos Alberto Schneider sabe bem o que é isso. Ele cultiva algodão e soja em Jaciara (MT). No ano passado, o ataque da armigera foi severo, e, mesmo com duas aplicações extras de defensivos, o combate da praga foi difícil e não foi suficiente para evitar a quebra de mais de 10%. Para esta safra de soja, o produtor já garantiu a compra dos defensivos. Agora, a precaução pode trazer reflexos no bolso.

– A mão no bolso é inevitável, porque a gente não pode partir do princípio de que vai fazer um plantio e não vai conseguir colher, a gente tem que colher o mínimo de sacas para manter o rendimento da fazenda, o lucro da fazenda. O custo de produção já ficou mais elevado e a perspectiva para a soja não é muito boa, em função dos últimos levantamentos de produção, que já fizeram os preços baixarem. Então a nossa estimativa de venda é com preços baixos e custos mais altos – relata o produtor.

>> Leia mais notícias sobre grãos

Assista:

CANAL RURAL


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Governo vai vender milho e comprar arroz

20-04-2018

O governo divulgou nesta sexta-feira, dia 20, no Diário Oficial da União (DOU), Resolução número 2 do Conselho Interministerial de Estoques Públicos de Alimentos (Ciep), na qual ficam aprovadas as propostas dos representantes da Câmara Técnica do Ciep que, em reunião virtual ocorrida em 2 de março de 2018, deliberaram sobre a aquisição de até 70 mi...

Leia mais...

Paraná está em alerta por falta de chuva

20-04-2018

Produtores do Paraná estão em alerta por falta de chuva em áreas de cultivo de milho segunda safra, informou a consultoria AgRural, em levantamento semanal. "O tempo mais seco registrado em abril e a previsão de pouca chuva para as próximas duas semanas mantêm os produtores de milho segunda safra em alerta no sul de Mato Grosso do Sul, sul de São P...

Leia mais...

RS: colheita do arroz atinge 75% da área

20-04-2018

Os trabalhos de colheita das lavouras de arroz se intensificaram nos últimos dias, principalmente na região da fronteira oeste, segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater-RS). Em Maçambara, Manoel Viana, Itaqui, Itacurubi, São Borja e Uruguaiana a colheita se aproxima da finalização, ultrapassando os 90% ...

Leia mais...

RS: colheita do milho atinge 90% e a da soja, 65%

20-04-2018

A colheita de milho verão no Rio Grande do Sul avançou pouco na última semana, com agricultores priorizando a soja. Segundo a Emater, a área alcança 90% do total. Já a retirada da soja atinge 65% da lavoura total. Os preços dos grãos estão firmes no estado. A saca de milho é negociada a R$ 34,31 em média. "Produtores que têm estrutura de armazenage...

Leia mais...

Cana: Brasil deve moer 11 mi de toneladas a menos

19-04-2018

A moagem de cana-de-açúcar do Brasil deverá totalizar 628 milhões de toneladas na temporada 2018/2019, com queda de 11 milhões de toneladas frente à safra anterior, aponta o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).A produção de açúcar bruto está estimada em 34,2 milhões de toneladas, com um recuo de 4,7 milhões de toneladas se compara...

Leia mais...

Milho: Conab vai ofertar até 300 mil ton em leilão

19-04-2018

O primeiro leilão de venda de estoques públicos de milho do governo federal, a ser realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), deverá ofertar entre 200 e 300 mil toneladas, segundo fonte ligada à secretaria de política agrícola do Ministério da Agricultura.A expectativa é de que a portaria autorizando a realização dos leilões, para ...

Leia mais...

Conab negocia arroz estocado para SC e RS

19-04-2018

O leilão de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) para arroz, realizado nesta quinta-feira, dia 19, registrou demanda para 83% da oferta de 90 mil toneladas, ou  74,5 mil toneladas. O produto está armazenado em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.O prêmio saiu pelo preço de abertura, que era de R$ 3/saca no RS e de R$ 1,48/saca em SC. Já o l...

Leia mais...

Conab realiza leilões de PEP e Pepro nesta quinta

18-04-2018

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) realiza nesta quinta-feira, a partir das 10h, dois novos leilões de arroz. O leilão de Prêmio para Escoamento de Produto (PEP), aviso 50, oferta 90 mil toneladas da safra 2017/18, sendo 75 mil toneladas para o Rio Grande do Sul e 15 mil para Santa Catarina. Já o leilão de Prêmio Equalizador Pago ao Prod...

Leia mais...

Promoção do Brasil no exterior rende US$ 13,4 mi

18-04-2018

O trabalho de promoção do café especial brasileiro no exterior em março poderá proporcionar receita de US$ 13,4 milhões em negócios, dos quais US$ 4,04 milhões já concretizados em eventos em Cingapura, Austrália e China. A avaliação é dos representantes do projeto setorial "Brazil. The Coffee Nation", realizado em parceria por Associação Brasileira...

Leia mais...