16 Julho 2014

Safra 2014/2015 de soja deve ter custos de produção elevados e preços em queda

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Foto: Divulgação / Sxc
Área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada

O período das lavouras de Mato Grosso é de vazio sanitário até meados de setembro. A movimentação persiste apenas para os produtores que estão colhendo milho safrinha ou algodão. A soja, por enquanto, só aparece nas expectativas dos analistas, e os produtores que já começaram a planejar o plantio da safra 2014/2015 estão apreensivos. Os custos de produção devem ser maiores e os preços, menores.

De acordo com dados do Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), a área plantada e a produção devem crescer na próxima safra. A área deve passar de 8,6 milhões de hectares, alta de quase 4% em comparação com a safra passada. Se tudo correr bem, a produção deve crescer quase 5%, para mais de 27 milhões de toneladas. E semente de boa qualidade capaz de suprir esse aumento não vai faltar. É o que garante a Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat).

– O volume de sementes produzido no Estado de Mato Grosso é praticamente suficiente para atender a demanda dos produtores de grãos. Conforme o Estado vai aumentando a sua área de plantio, os produtores de sementes vão aumentando os investimentos suas unidades de beneficiamentos e aumentando o potencial de suprir a demanda estadual. No momento do ato da colheita, já se faz a seleção da qualidade das sementes e, com certeza, teremos uma boa safra – garante o vice-presidente da Aprosmat, Gladir Tomazeli.

Se as expectativas são boas em relação ao cultivo dessa próxima safra, o mesmo não pode se dizer do custo de produção. Os custos devem ficar bem acima da safra passada, passando de R$ 1440 por hectare. A maior parte desse valor vai para fertilizantes e defensivos, depois para sementes, operações com máquinas e, por último, mão de obra.

– Essa é uma situação preocupante, porque nós viemos trabalhando com soja na casa dos R$ 45 a R$ 50 nos últimos dois, três anos, que é um preço razoavelmente bom, pelo custo que nós temos na região. Mas com os Estados Unidos anunciando boa safra, mesmo o estoque estando baixo, o mercado jogou os preços para baixo. Isso implica no nossos custos, porque nós temos a venda baseada no preço de Chicago, ou seja, quem determina os preços dos grãos é a Bolsa de Chicago, então você tem toda a dificuldade, porque o Custo Brasil é interno, você não tem como mexer nele, é a política brasileira – explica o presidente do Sindicato Rural de Sinop (MT), Leonildo Bares.

• Acompanhe as cotações da soja

Além dos custos, outra grande preocupação dos produtores é o ataque de pragas. Bares reforça que ainda não há o controle da lagarta Helicoverpa armigera.

– Não temos produtos que controlem e que estejam liberados para ser usados, então isso é uma incógnita. Está todo mundo preocupado com isso.

O produtor Carlos Alberto Schneider sabe bem o que é isso. Ele cultiva algodão e soja em Jaciara (MT). No ano passado, o ataque da armigera foi severo, e, mesmo com duas aplicações extras de defensivos, o combate da praga foi difícil e não foi suficiente para evitar a quebra de mais de 10%. Para esta safra de soja, o produtor já garantiu a compra dos defensivos. Agora, a precaução pode trazer reflexos no bolso.

– A mão no bolso é inevitável, porque a gente não pode partir do princípio de que vai fazer um plantio e não vai conseguir colher, a gente tem que colher o mínimo de sacas para manter o rendimento da fazenda, o lucro da fazenda. O custo de produção já ficou mais elevado e a perspectiva para a soja não é muito boa, em função dos últimos levantamentos de produção, que já fizeram os preços baixarem. Então a nossa estimativa de venda é com preços baixos e custos mais altos – relata o produtor.

>> Leia mais notícias sobre grãos

Assista:

CANAL RURAL


Fonte Rural BR

Mais Notícias

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

19-04-2019

Veja como mudança no salário mínimo pode prejudicar o trabalhador rural

A reforma da Previdência pode sofrer ainda mais resistência no Congresso e atrasar a recuperação econômica do país. Insatisfeitos com a nova proposta de salário mínimo, parlamentares podem barrar a principal medida do governo Jair Bolsonaro para controle das contas públicas. O comentarista Miguel Daoud comenta os impactos desse embate para o setor ...

Leia mais...

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

19-04-2019

Relação de troca entre o milho e o boi gordo sobe 8% em abril

Os preços do milho estão em queda desde meados de março no mercado interno, a pressão de baixa vem da expectativa de aumento da oferta do cereal na segunda safra. Com o clima mais favorável este ano, as produtividades médias têm sido revisadas para cima. A queda no preço do milho e as recentes altas dos valores da arroba do boi gordo, fez com que a...

Leia mais...

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

18-04-2019

Nem a quebra de safra pode elevar os preços do arroz, diz analista

Mais de 60% das lavouras de arroz do Rio Grande do Sul já foram colhidas. Mesmo com a previsão de uma safra menor, em torno de 7,4 milhões de toneladas (ante as 8,4 milhões do ano passado), o preço pode não subir muito, segundo os analistas. Mesmo assim, tem produtor confiante de que os valores possam subir.A enchente que atingiu a Fronteira Oeste ...

Leia mais...

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

18-04-2019

Presidente Bolsonaro defende produção agropecuária nas áreas indígenas

O presidente Jair Bolsonaro recebeu índios de quatro etnias diferentes no Palácio do Planalto. Ele ouviu as reivindicações e defendeu tanto as atividades de mineração, quanto agropecuárias em terras indígenas. O comentarista Miguel Daoud analisa a ameaça do presidente contra a diretoria da Funai, caso não levem em consideração as demandas dos índio...

Leia mais...

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

18-04-2019

Governo pode remodelar a tabela de frete, diz ministro

Após a Petrobras anunciar mais uma alta no preço do diesel, representantes dos caminhoneiros se reuniram com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. O ministro de infraestrutura, Tarcísio Gomes, disse que vai começar a discutir com a categoria a nova tabela do frete. Fonte Canal Rural

Leia mais...

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

18-04-2019

Diesel: Markestrat projeta alta de até 2% nos custos de produção do Agro

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, anunciou nesta quarta-feira, dia 17, uma alta de R$ 0,10 por litro de óleo diesel nas refinarias.Com a alta, o litro do diesel passa a custar agora R$ 2,24 nas distribuidoras. O anúncio vem seis dias depois da estatal voltar atrás no último aumento, atendendo pedido do presidente Jair Bolsonaro.Se...

Leia mais...

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

18-04-2019

João Olivi: Guedes quer privatizar a Petrobras mas não é o melhor caminho

Durante entrevista à GloboNews, nesta quarta-feira, dia 17, o ministro da Economia, Paulo Guedes, insinuou que o presidente Jair Bolsonaro tem o questionado sobre uma eventual privatização da Petrobras.Guedes tocou no assunto enquanto comentava sobre os últimos episódios envolvendo o reajuste do preço do óleo diesel.Para o comentarista João Batista...

Leia mais...

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

18-04-2019

Dólar atinge R$ 3,95 nesta quinta-feira, maior valor desde março de 2018

Durante a manhã desta quinta-feira, dia 18, o dólar atingiu a cotação máxima de R$ 3,95. Esse valor não era visto desde março de 2018.O atraso no andamento da reforma da previdência na Câmara dos Deputados e fatores externos influenciaram nessa alta da moeda norte-americana em relação ao real. Porém mesmo com a alta superior a 1%, as vendas de soja...

Leia mais...

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

18-04-2019

Combustível: tendência é de aumento moderado nos preços, avalia Benedito Rosa

Após alta de R$ 0,10 anunciada nesta quarta-feira, dia 17, pela Petrobras, o mercado está mantendo as atenções para esse tema. Para o comentarista Benedito Rosa, a tendência daqui em diante é um aumento moderado nos preços dos combustíveis, além de manutenção na tabela do frete em 2019. Fonte Canal Rural

Leia mais...