20 Novembro 2020

Rombo nas contas públicas em 2020 é ajustado para R$ 844,574 bilhões

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O atualizou nesta sexta-feira, 20, a previsão para o tamanho do rombo nas contas públicas neste ano, marcado pelo aumento expressivo dos gastos para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. A projeção de déficit primário do governo central ficou R$ 16,428 bilhões menor, caindo para R$ 844,574 bilhões em 2020, de acordo com o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 5º Bimestre. No documento anterior, de setembro, a estimativa era de um saldo negativo de R$ 861,002 bilhões.

A projeção da equipe econômica para as receitas primárias totais da União neste ano passou de R$ 1,446 trilhão para R$ 1,463 trilhão. Já a estimativa para a receita líquida – livre de transferências para os governos regionais – passou de R$ 1,185 trilhão para R$ 1,190 trilhão neste ano.

Do lado das despesas, a previsão de gasto total em 2020 passou de R$ 2,046 trilhões para R$ 2,034 trilhões. Com um orçamento que era já engessado e a necessidade de execução do chamado “orçamento de guerra” aprovado na pandemia, o volume de gastos obrigatórios chega a R$ 1,918 trilhão, enquanto as despesas discricionárias não passam de R$ 115,806 bilhões neste ano.

O relatório traz, ainda, revisões em expectativas de receitas e nas projeções de gastos até o fim deste ano. A estimativa de gastos pode meio de créditos extraordinários – onde estão inscritas as despesas do chamado “orçamento de guerra” para o enfrentamento da pandemia de covid-19 – aumentou R$ 10,3 bilhões em relação à avaliação do quarto bimestre, principalmente pelo aporte de R$ 10 bilhões para o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC – Maquininhas) do

Já a previsão de gastos com benefícios previdenciários em 2020 caiu R$ 1,789 bilhão, para R$ 670,887 bilhões. De acordo com o ministério, a atualização é resultado da tendência de queda da despesa com benefícios previdenciários para 2020, por conta dos efeitos da reforma da Previdência e da necessidade de fechamento e reabertura gradual das agências do INSS neste ano com a pandemia. A projeção para os pagamentos de pessoal e encargos sociais subiu R$ 422 milhões, para R$ 324,594 bilhões.

O gasto previsto com subsídios e subvenções ficou R$ 2,098 bilhões menor, passando para R$ 29,294 bilhões. Isso se deveu principalmente à redução na estimativa de subvenções ligadas ao PROEX e Plano Safra (-R$ 1,2 bilhão). Houve aumento ainda nas projeções de despesas com abono e seguro desemprego em R$ 1,109 bilhão.

Pelo lado da arrecadação, a estimativa para as receitas com dividendos de estatais aumentou R$ 188 milhões, passando para R$ 6,111 bilhões. Já as receitas previstas com concessões caíram R$ 61,5 milhões, para R$ 8,636 bilhões.

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, reforçou o compromisso do governo com o teto de gastos e com a retomada do ajuste fiscal em 2021. “Seguindo a trajetória de conservadorismo, transparência e consolidação fiscal e zelo com as contas públicas, poderemos ter em 2021 um perfil de despesa similar ao de 2019, quando tivemos redução na dívida pública”, afirmou, durante apresentação do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do quinto bimestre.

Ele lembrou que a projeção atual da equipe econômica é de que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) encerre este ano em 96% do Produto Interno Bruto (PIB). “Mas trabalharemos para reduzi-la na máxima intensidade e velocidade possível, com ações de ajuste patrimonial, fluxos primários e fluxos financeiros”, pontuou.

Waldery Rodrigues também disse que a projeção de déficit primário R$ 844,574 bilhões em 2020 é equivalente a 11,5% do PIB. “É um déficit primário elevado, mas justificado. O mundo todo está piorando a sua performance fiscal em 2020, tanto em termos de endividamento como em termos de déficits nominal e primário. É um comportamento global e o Brasil não é exceção à regra”, argumentou.

O secretário alegou que o governo tem tido cuidados adicionais devido à fragilidade fiscal que o Brasil já tinha antes mesmo da pandemia e repetiu o compromisso de reduzir o déficit primário para cerca de 3% do PIB no próximo ano. “O nosso trabalho é para que em 2021 a gente respeite o teto de gastos e domine a despesa, trazendo o gasto para o patamar de 2019 enquanto as receitas se recuperam na margem”, disse.

Waldery também avaliou que a redução na projeção para as despesas com benefícios previdenciários em 2020 mostraria que “reformas estruturais têm alto retorno”. A previsão de gastos com benefícios previdenciários em 2020 caiu R$ 1,789 bilhão, para R$ 670,887 bilhões.

Um ano após sua aprovação, a reforma da Previdência começa a dar sinais de sua eficácia para as contas públicas do País. A economia nas despesas vem sendo maior do que o previsto inicialmente e a arrecadação com as alíquotas cobradas de servidores federais e de militares das Forças Armadas também cresce mais que o esperado.

Waldery destacou ainda a redução de R$ 9,4 bilhões das despesas esperadas com o Bolsa Família em 2020, já que a maior parte dos beneficiários migraram para o auxílio emergencial durante a pandemia de covid-19.

O atualizou nesta sexta-feira, 20, a previsão para o tamanho do rombo nas contas públicas neste ano, marcado pelo aumento expressivo dos gastos para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. A projeção de déficit primário do governo central ficou R$ 16,428 bilhões menor, caindo para R$ 844,574 bilhões em 2020, de acordo com o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 5º Bimestre. No documento anterior, de setembro, a estimativa era de um saldo negativo de R$ 861,002 bilhões.

A projeção da equipe econômica para as receitas primárias totais da União neste ano passou de R$ 1,446 trilhão para R$ 1,463 trilhão. Já a estimativa para a receita líquida – livre de transferências para os governos regionais – passou de R$ 1,185 trilhão para R$ 1,190 trilhão neste ano.

Do lado das despesas, a previsão de gasto total em 2020 passou de R$ 2,046 trilhões para R$ 2,034 trilhões. Com um orçamento que era já engessado e a necessidade de execução do chamado “orçamento de guerra” aprovado na pandemia, o volume de gastos obrigatórios chega a R$ 1,918 trilhão, enquanto as despesas discricionárias não passam de R$ 115,806 bilhões neste ano.

O relatório traz, ainda, revisões em expectativas de receitas e nas projeções de gastos até o fim deste ano. A estimativa de gastos pode meio de créditos extraordinários – onde estão inscritas as despesas do chamado “orçamento de guerra” para o enfrentamento da pandemia de covid-19 – aumentou R$ 10,3 bilhões em relação à avaliação do quarto bimestre, principalmente pelo aporte de R$ 10 bilhões para o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC – Maquininhas) do

Já a previsão de gastos com benefícios previdenciários em 2020 caiu R$ 1,789 bilhão, para R$ 670,887 bilhões. De acordo com o ministério, a atualização é resultado da tendência de queda da despesa com benefícios previdenciários para 2020, por conta dos efeitos da reforma da Previdência e da necessidade de fechamento e reabertura gradual das agências do INSS neste ano com a pandemia. A projeção para os pagamentos de pessoal e encargos sociais subiu R$ 422 milhões, para R$ 324,594 bilhões.

O gasto previsto com subsídios e subvenções ficou R$ 2,098 bilhões menor, passando para R$ 29,294 bilhões. Isso se deveu principalmente à redução na estimativa de subvenções ligadas ao PROEX e Plano Safra (-R$ 1,2 bilhão). Houve aumento ainda nas projeções de despesas com abono e seguro desemprego em R$ 1,109 bilhão.

Pelo lado da arrecadação, a estimativa para as receitas com dividendos de estatais aumentou R$ 188 milhões, passando para R$ 6,111 bilhões. Já as receitas previstas com concessões caíram R$ 61,5 milhões, para R$ 8,636 bilhões.

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, reforçou o compromisso do governo com o teto de gastos e com a retomada do ajuste fiscal em 2021. “Seguindo a trajetória de conservadorismo, transparência e consolidação fiscal e zelo com as contas públicas, poderemos ter em 2021 um perfil de despesa similar ao de 2019, quando tivemos redução na dívida pública”, afirmou, durante apresentação do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do quinto bimestre.

Ele lembrou que a projeção atual da equipe econômica é de que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) encerre este ano em 96% do Produto Interno Bruto (PIB). “Mas trabalharemos para reduzi-la na máxima intensidade e velocidade possível, com ações de ajuste patrimonial, fluxos primários e fluxos financeiros”, pontuou.

Waldery Rodrigues também disse que a projeção de déficit primário R$ 844,574 bilhões em 2020 é equivalente a 11,5% do PIB. “É um déficit primário elevado, mas justificado. O mundo todo está piorando a sua performance fiscal em 2020, tanto em termos de endividamento como em termos de déficits nominal e primário. É um comportamento global e o Brasil não é exceção à regra”, argumentou.

O secretário alegou que o governo tem tido cuidados adicionais devido à fragilidade fiscal que o Brasil já tinha antes mesmo da pandemia e repetiu o compromisso de reduzir o déficit primário para cerca de 3% do PIB no próximo ano. “O nosso trabalho é para que em 2021 a gente respeite o teto de gastos e domine a despesa, trazendo o gasto para o patamar de 2019 enquanto as receitas se recuperam na margem”, disse.

Waldery também avaliou que a redução na projeção para as despesas com benefícios previdenciários em 2020 mostraria que “reformas estruturais têm alto retorno”. A previsão de gastos com benefícios previdenciários em 2020 caiu R$ 1,789 bilhão, para R$ 670,887 bilhões.

Um ano após sua aprovação, a reforma da Previdência começa a dar sinais de sua eficácia para as contas públicas do País. A economia nas despesas vem sendo maior do que o previsto inicialmente e a arrecadação com as alíquotas cobradas de servidores federais e de militares das Forças Armadas também cresce mais que o esperado.

Waldery destacou ainda a redução de R$ 9,4 bilhões das despesas esperadas com o Bolsa Família em 2020, já que a maior parte dos beneficiários migraram para o auxílio emergencial durante a pandemia de covid-19.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Gafanhotos do Rio Grande do Sul não são do tipo migratório, aponta secretaria

01-12-2020

A secretaria da agricultura do Rio Grande do Sul continua monitorando focos de gafanhotos que surgiram na região noroeste do estado e também na província argentina de Missiones, perto da fronteira com o Brasil. Segundo Ricardo Felicetti, chefe da divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Sea...

Leia mais...

Benedito Rosa: Agro precisa de incentivos e não de novos impostos

01-12-2020

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro deve crescer 9% neste ano e 3% em 2021. Mesmo com os efeitos negativos da pandemia em alguns segmentos, o setor se destacou na geração de empregos, com quase 103 mil novos postos de trabalho, os dados são da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).Para o comentarista do Canal Ru...

Leia mais...

Açúcar, café e algodão são destaques das exportações do agronegócio em novembro

01-12-2020

As exportações brasileiras do agronegócio em novembro tiveram impulso a partir do aumento das vendas externas de itens como açúcar, café, algodão e carne suína. Destaque maior para o açúcar, onde os embarques cresceram 59,9% na comparação com novembro de 2019, destaca Outro produto com resultado positivo foi o café. Com 275,8 mil toneladas, o volum...

Leia mais...

Seara conclui aquisição das operações de margarina e maionese da Bunge

01-12-2020

Seara anunciou nesta segunda-feira, 30, a conclusão da aquisição dos ativos de margarina e maionese da Bunge Alimentos. Com a operação, a empresa assume o segundo lugar no mercado brasileiro de margarinas, com 35,5% de participação.A aquisição agrega ao portfólio da Seara sete marcas fortes de alto valor agregado: Delicia, Primor, Gradina, Salada, ...

Leia mais...

Brasil se aproxima do recorde de exportação de soja alcançado em 2018

01-12-2020

Com os embarques de soja em novembro, Brasil está apenas a 300 mil toneladas de bater a marca recorde de 83,2 milhões de toneladasPor Canal Rural Apesar do cenário de escassez de soja no mercado brasileiro, as exportações da oleaginosa em grão seguem aquecidas em 2020. De janeiro a novembro, os embarques do grão somam 82,9 milhões de tons, segundo ...

Leia mais...

‘Se nada fizermos, poderemos ter apagões’, diz Jair Bolsonaro

01-12-2020

O presidente Jair Bolsonaro disse em uma rede social ao ser indagado por um internauta sobre o aumento na conta de luz que, se nada for feito pelo governo, o Brasil pode enfrentar um apagão por causa da falta das chuvasNa publicação, Bolsonaro diz que “as represas estão em níveis baixíssimos e se nada for feito, o Brasil pode ter apagões. O p...

Leia mais...

Uso de cisternas ajuda a minimizar efeitos da estiagem em Santa Catarina

01-12-2020

Produtores rurais da região meio oeste de Santa Catarina estão apostando na construção de cisternas para reduzir os impactos das perdas causada pela estiagem, que afeta a região desde junho de 2019. No interior no estado, criadores de suínos tem conseguido tratar de 80% do plantel utilizando esse sistema de captação de água.“O investimento médio pa...

Leia mais...

Mesmo com pandemia, PIB do agro brasileiro deve crescer 9% em 2020

01-12-2020

O Produto Interno Bruto do agronegócio brasileiro deve crescer 9% neste ano e 3% em 2021. Mesmo com os efeitos negativos da pandemia em alguns segmentos, o setor se destacou na geração de empregos, com quase 103 mil novos postos de trabalho.Esse cenário foi  confirmado em entrevista coletiva promovida nesta terça, 1º, pela Confederação da Agricultu...

Leia mais...