21 Novembro 2020

Reforma da OMC é “elemento-chave” para economia, diz Bolsonaro no G20

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O presidente Jair Bolsonaro pediu hoje (21) aos demais líderes do G-20, durante reunião virtual em Riad, na Arábia Saudita, reformas e avanços nos compromissos da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ele disse que os pilares que formam o acordo – negociações, solução de controvérsias, monitoramento e transparência – devem ser discutidos pelos ministros dos países da OMC. No discurso, Bolsonaro falou ainda sobre medidas de combate à pandemia, proteção e estímulo à economia e possíveis vacinas contra a covid-19.

Segundo o presidente, as iniciativas de cooperação internacional prosperaram desde o último encontro extraordinário do grupo, ocorrido em 26 de março. Bolsonaro citou os esforços e o sucesso na manutenção do fluxo comercial regular entre os países, apesar do contexto da pandemia.

Ao destacar a necessidade de reformas nos compromissos da OMC, o presidente afirmou que a ambição de reduzir os subsídios para bens agrícolas deve contar com a mesma vontade com que alguns países buscam promover o comércio de bens industriais. Para ele, a reforma da organização deve prever “a criação de condições justas e equilibradas não só de bens, mas também de serviços.”

Sobre economia, o presidente citou a injeção de mais de US$ 11 trilhões feita pelos países participantes do G20 em pacotes de estímulos locais, como o auxílio emergencial brasileiro. Em seu discurso, Jair Bolsonaro disse também que as medidas contribuíram para assegurar a devida liquidez aos mercados e conferir alívio fiscal aos países mais vulneráveis. “Evitamos, dessa maneira, que os efeitos da pandemia fossem ainda mais devastadores.”

Ele destacou a criação do auxílio emergencial, que preservou 12 milhões de postos de trabalho, beneficiou 65 milhões de pessoas e permitiu que 400 mil empresas se mantivessem abertas com ajuda do governo federal.

Em relação à busca de uma vacina eficaz contra o novo coronavírus, o presidente afirmou que “o Brasil se soma aos esforços internacionais, bem como adota o tratamento precoce no combate à doença”. Ele lembrou a importância da livre escolha sobre a vacinação, e frisou que a pandemia não pode servir de justificativa para ataques às liberdades individuais.

“Juntos, estamos superando uma das mais graves crises sanitárias da história recente. Estamos vencendo as incertezas, as dificuldades logísticas e, inclusive, a desinformação”, afirmou Bolsonaro.

Ao fim do discurso, o presidente brasileiro conclamou os parceiros a agilizarem a implementação das mudanças sugeridas. Segundo a agenda do evento, Bolsonaro deverá falar novamente amanhã (22) no encerramento da reunião.

Com o tema “Percebendo oportunidades do século 21 para todos”, o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, abriu a reunião do G20 com um discurso sobre união e ações em bloco contra a pandemia do novo coronavírus. Ele citou os US$ 11 trilhões injetados na economia mundial por pacotes de ajuda que vigoraram em todos os países do grupo, como, por exemplo, o auxílio emergencial no Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro pediu hoje (21) aos demais líderes do G-20, durante reunião virtual em Riad, na Arábia Saudita, reformas e avanços nos compromissos da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ele disse que os pilares que formam o acordo – negociações, solução de controvérsias, monitoramento e transparência – devem ser discutidos pelos ministros dos países da OMC. No discurso, Bolsonaro falou ainda sobre medidas de combate à pandemia, proteção e estímulo à economia e possíveis vacinas contra a covid-19.

Segundo o presidente, as iniciativas de cooperação internacional prosperaram desde o último encontro extraordinário do grupo, ocorrido em 26 de março. Bolsonaro citou os esforços e o sucesso na manutenção do fluxo comercial regular entre os países, apesar do contexto da pandemia.

Ao destacar a necessidade de reformas nos compromissos da OMC, o presidente afirmou que a ambição de reduzir os subsídios para bens agrícolas deve contar com a mesma vontade com que alguns países buscam promover o comércio de bens industriais. Para ele, a reforma da organização deve prever “a criação de condições justas e equilibradas não só de bens, mas também de serviços.”

Sobre economia, o presidente citou a injeção de mais de US$ 11 trilhões feita pelos países participantes do G20 em pacotes de estímulos locais, como o auxílio emergencial brasileiro. Em seu discurso, Jair Bolsonaro disse também que as medidas contribuíram para assegurar a devida liquidez aos mercados e conferir alívio fiscal aos países mais vulneráveis. “Evitamos, dessa maneira, que os efeitos da pandemia fossem ainda mais devastadores.”

Ele destacou a criação do auxílio emergencial, que preservou 12 milhões de postos de trabalho, beneficiou 65 milhões de pessoas e permitiu que 400 mil empresas se mantivessem abertas com ajuda do governo federal.

Em relação à busca de uma vacina eficaz contra o novo coronavírus, o presidente afirmou que “o Brasil se soma aos esforços internacionais, bem como adota o tratamento precoce no combate à doença”. Ele lembrou a importância da livre escolha sobre a vacinação, e frisou que a pandemia não pode servir de justificativa para ataques às liberdades individuais.

“Juntos, estamos superando uma das mais graves crises sanitárias da história recente. Estamos vencendo as incertezas, as dificuldades logísticas e, inclusive, a desinformação”, afirmou Bolsonaro.

Ao fim do discurso, o presidente brasileiro conclamou os parceiros a agilizarem a implementação das mudanças sugeridas. Segundo a agenda do evento, Bolsonaro deverá falar novamente amanhã (22) no encerramento da reunião.

Com o tema “Percebendo oportunidades do século 21 para todos”, o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, abriu a reunião do G20 com um discurso sobre união e ações em bloco contra a pandemia do novo coronavírus. Ele citou os US$ 11 trilhões injetados na economia mundial por pacotes de ajuda que vigoraram em todos os países do grupo, como, por exemplo, o auxílio emergencial no Brasil.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Gafanhotos do Rio Grande do Sul não são do tipo migratório, aponta secretaria

01-12-2020

A secretaria da agricultura do Rio Grande do Sul continua monitorando focos de gafanhotos que surgiram na região noroeste do estado e também na província argentina de Missiones, perto da fronteira com o Brasil. Segundo Ricardo Felicetti, chefe da divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Sea...

Leia mais...

Benedito Rosa: Agro precisa de incentivos e não de novos impostos

01-12-2020

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro deve crescer 9% neste ano e 3% em 2021. Mesmo com os efeitos negativos da pandemia em alguns segmentos, o setor se destacou na geração de empregos, com quase 103 mil novos postos de trabalho, os dados são da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).Para o comentarista do Canal Ru...

Leia mais...

Açúcar, café e algodão são destaques das exportações do agronegócio em novembro

01-12-2020

As exportações brasileiras do agronegócio em novembro tiveram impulso a partir do aumento das vendas externas de itens como açúcar, café, algodão e carne suína. Destaque maior para o açúcar, onde os embarques cresceram 59,9% na comparação com novembro de 2019, destaca Outro produto com resultado positivo foi o café. Com 275,8 mil toneladas, o volum...

Leia mais...

Seara conclui aquisição das operações de margarina e maionese da Bunge

01-12-2020

Seara anunciou nesta segunda-feira, 30, a conclusão da aquisição dos ativos de margarina e maionese da Bunge Alimentos. Com a operação, a empresa assume o segundo lugar no mercado brasileiro de margarinas, com 35,5% de participação.A aquisição agrega ao portfólio da Seara sete marcas fortes de alto valor agregado: Delicia, Primor, Gradina, Salada, ...

Leia mais...

Brasil se aproxima do recorde de exportação de soja alcançado em 2018

01-12-2020

Com os embarques de soja em novembro, Brasil está apenas a 300 mil toneladas de bater a marca recorde de 83,2 milhões de toneladasPor Canal Rural Apesar do cenário de escassez de soja no mercado brasileiro, as exportações da oleaginosa em grão seguem aquecidas em 2020. De janeiro a novembro, os embarques do grão somam 82,9 milhões de tons, segundo ...

Leia mais...

‘Se nada fizermos, poderemos ter apagões’, diz Jair Bolsonaro

01-12-2020

O presidente Jair Bolsonaro disse em uma rede social ao ser indagado por um internauta sobre o aumento na conta de luz que, se nada for feito pelo governo, o Brasil pode enfrentar um apagão por causa da falta das chuvasNa publicação, Bolsonaro diz que “as represas estão em níveis baixíssimos e se nada for feito, o Brasil pode ter apagões. O p...

Leia mais...

Uso de cisternas ajuda a minimizar efeitos da estiagem em Santa Catarina

01-12-2020

Produtores rurais da região meio oeste de Santa Catarina estão apostando na construção de cisternas para reduzir os impactos das perdas causada pela estiagem, que afeta a região desde junho de 2019. No interior no estado, criadores de suínos tem conseguido tratar de 80% do plantel utilizando esse sistema de captação de água.“O investimento médio pa...

Leia mais...

Mesmo com pandemia, PIB do agro brasileiro deve crescer 9% em 2020

01-12-2020

O Produto Interno Bruto do agronegócio brasileiro deve crescer 9% neste ano e 3% em 2021. Mesmo com os efeitos negativos da pandemia em alguns segmentos, o setor se destacou na geração de empregos, com quase 103 mil novos postos de trabalho.Esse cenário foi  confirmado em entrevista coletiva promovida nesta terça, 1º, pela Confederação da Agricultu...

Leia mais...