22 Janeiro 2021

Chuvas no Brasil, recuperação de estoques e aversão ao risco pressionam e café finaliza com baixas em NY e Londres

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O mercado futuro do café arábica encerrou as cotações desta sexta-feira (22) com quedas acima dos 200 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). Chuvas no Brasil, Covid-19 e recuperação dos estoques certificados ajudaram a pressionar os preços no pregão. 

Março/21 teve queda de 240 pontos, valendo 124,05 cents/lbp, maio/21 registrou baixa de 230 pontos, valendo 126,20 cents/lbp, julho/21 teve desvalorização de 230 pontos, valendo 128,10 cents/lbp e setembro/21 registrou baixa de 225 pontos, estabelecendo os preços por 129,90 cents/lbp. 

Segundo análise do site internacional Barchart, o mercado futuro voltou a cair após novas previsões de chuvas para Minas Gerais. " As previsões de chuva no fim de semana em Minas Gerais, a maior região produtora de café arábica do Brasil, estão reduzindo os preços do café hoje", afirma a publicação. 

Vale destacar, no entanto, que o retorno das chuvas não recupera os danos para a safra de arábica do Brasil em 2021. De acordo com o primeiro levantamento da Conab, divulgado nesta semana, é previsto uma quebra entre 32% e 39% para o arábica, considerando as condições climáticas e o ano de bienalidade baixa para o arábica. 


Movimentação do mercado futuro durante a semana

Uma recuperação nos estoques da ICE foi outro fator de baixa para o café observado nesta sexta-feira. Segundo o Barchart, os estoques certificados na ICE subiram para 1,571 milhões de sacas, dando suporte na recuperação da baixa mais expressiva dos últimos 20 anos, divulgada em outubro do ano passado. 

Apesar da redução dos estoques indicar um consumo dentro da normalidade na pandemia do Coronavírus, o pregão desta sexta também foi marcado por um dia de grande aversão ao risco no mercado financeiro global. 

Mais do que isso, índices acionários caem no mundo todo. O Ibovespa marcava sua quarta baixa seguida, registrando as mínimas em um mês e, na Europa, os mercados também fecharam a sexta-feira em queda. E parte dessas perdas estão bastante ligadas às notícias mais recentes sobre a pandemia do coronavírus. 

"Os mercados acionários europeus encerraram em queda nesta sexta-feira, uma vez que a atividade empresarial na zona do euro encolheu em janeiro com rígidos lockdowns para controlar a pandemia do coronavírus fechando muitas empresas", informa a agência de notícias Reuters.

*Com informações de Carla Mendes - @jornalistadasoja 

Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon também encerrou a semana com desvalorização. Março/21 teve queda de US$ 13 por tonelada, valendo US$ 1310, maio/21 teve desvalorização de US$ 13 por tonelada, valendo US$ 1322, julho/21 registrou baixa de US$ 12 por tonelada, valendo US$ 1338 e setembro/21 teve queda de US$ 11 por tonelada, negociado por US$ 1357.

"Sobre o clima, a Somar Meteorologia alerta que permanece a condição para fortes precipitações e temporais no Estado de São Paulo nesse fim de semana. Pode chover, mas de forma fraca e isolada, nas áreas da divisa paulista com o Rio de Janeiro e no norte do Espírito Santo. Para o restante da Região Sudeste, a previsão é de tempo firme", destacou o Conselho Nacional do Café (CNC) em sua análise semanal. 


Estimativa é de produção recorde para o conilon em 2021

O CNC destacou ainda que no mercado físico, as cotações tiveram pouca oscilação, mas a variedade arábica segue alcançando níveis recordes ao receber impulso da retração vendedora, uma vez que um alto percentual de produtores realizou a comercialização de forma antecipada, e da quebra na safra 2021 do Brasil.

O indicador calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para o arábica subiu 0,35% na semana e fechou a quinta-feira em R$ 654,24/saca, seu novo recorde nominal na série, que teve início em 1996. O do conilon permaneceu praticamente estável em R$ 416,18/saca.

A sexta-feira encerrou com estabilidade nas principais praças produtoras do país. 

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 0,73% em Guaxupé/MG, valendo R$ 682,00, Araguarí/MG teve alta de 1,49%, negociado por R$ 680,00. Poços de Caldas/MG manteve a estabilidade por R$ 660,00, Patrocínio/MG manteve o valor de R$ 650,00 e Varginha/MG manteve a negociação por R$ 680,00.

O tipo cereja descascado teve queda de 0,68% em Guaxupé/MG, valendo R$ 725,00. Poços de Caldas/MG manteve a estabilidade por R$ 720,00, Patrocínio/MG manteve o valor de R$ 700,00 e Varginha/MG manteve a negociação por R$ 720,00.

 

Mais Notícias

Bolsonaro diz que combustível vai "baixar de novo" após queda do dólar

08-05-2021

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores nesta sexta-feira que o preço dos combustíveis no país vai "baixar de novo", após a recente queda do dólar.Questionado por uma simpatizante para não esquecer de acompanhar a questão dos combustíveis, Bolsonaro respondeu: "O dólar caiu de novo, pode deixar que nos próximos dias (o...

Leia mais...

Frango: sexta-feira com preços em alta ou estáveis para o setor

07-05-2021

Esta sexta-feira (7) encerra a semana de negociações para o mercado do frango com cotações estáveis ou em alta. De acordo com análise do Cepea/Esalq, o período de início de mês e o fato de a carne de frango mostrar elevada competitividade frente às principais substitutas (bovina e suína) vêm favorecendo as vendas da proteína no mercado doméstico. A...

Leia mais...

Em carta a embaixador, Pacheco defende relação construtiva com a China

07-05-2021

Por Ricardo BritoBRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviou nesta sexta-feira uma carta ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, na qual defende a importância de um relacionamento "relevante e construtivo" com o país asiático e convida o representante diplomático a visitar o Congresso brasileiro, segundo có...

Leia mais...

Maçã/Cepea: Vendas não ganham ritmo nem com o início do mês

07-05-2021

A comercialização de maçãs permaneceu estagnada nas regiões classificadoras nesta semana (03 a 07/05). De acordo com agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea, esperava-se que com o início do mês houvesse uma retomada na demanda. Porém, isso não aconteceu, uma vez que o consumo na ponta final continuou limitado - agentes relataram que nem mesmo a r...

Leia mais...

Banana/Cepea: Concorrência com nanica pressiona cotações da prata

07-05-2021

Os preços da banana prata seguiram recuando no semiárido nesta semana (03 a 07/05), apesar de ser início de mês e a variedade estar entressafra. No Norte de Minas Gerais, por exemplo, a prata anã de primeira qualidade foi vendida na média de R$ 1,60/kg, recuo de 22% em comparação a semana anterior. Segundo agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea,...

Leia mais...

Citros/Cepea: Preço dos cítricos recua por mais uma semana

07-05-2021

Os preços da laranja continuam em queda no mercado de mesa em São Paulo, influenciados pela maior oferta de precoces e pela absorção limitada das indústrias – que devem retomar as atividades ainda neste mês. Segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, grandes mudanças de cenário não devem ocorrer, visto que, com a chegada de dias mais frios, a deman...

Leia mais...

Cenoura/Cepea: Cotações não se alteraram nesta semana

07-05-2021

Em São Gotardo (MG), as cotações das cenouras foram estáveis nesta semana (03 a 07/05). Segundo colaboradores consultados, o escoamento segue abaixo do esperado e o preço da caixa de 29 kg de “suja” encerrou a semana em R$ 12,25.Mesmo diante das menores produtividades alcançadas nas lavouras durante a temporada de verão, há relatos de sobras de mer...

Leia mais...

Melão/Cepea: Vendas não melhoram como esperado no início de maio

07-05-2021

Na semana passada, as vendas de melão estiveram lentas na Ceagesp – nesta (03 a 07/05), o cenário praticamente se repetiu. Segundo agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea, existia expectativa de melhora por ser início de mês. No entanto, devido ao frio e ao baixo poder de consumo da população, frente à crise econômica, o aumento esperado não se c...

Leia mais...

Mamão/Cepea: Após quedas consecutivas de preço, havaí volta a reagir

07-05-2021

 Nesta semana (03 a 07/05), os preços do mamão havaí voltaram a se elevar em todas as praças acompanhadas pelo Hortifruti/Cepea, após as várias semanas de desvalorização. Segundo agentes, isso ocorreu porque, apesar do volume ainda considerável na roça, o mesmo se reduziu um pouco no período, não havendo mais as grandes sobras (e até perdas) regist...

Leia mais...